24
QUI
25
SEX
26
SAB
27
DOM
28
SEG
29
TER
30
QUA
1
QUI
2
SEX
3
SAB
4
DOM
5
SEG
6
TER
7
QUA
8
QUI
9
SEX
10
SAB
11
DOM
12
SEG
13
TER
14
QUA
15
QUI
16
SEX
17
SAB
18
DOM
19
SEG
20
TER
21
QUA
22
QUI
23
SEX
24
SAB

Gone is Gone - Echolocation

Review
Gone is Gone Echolocation | 2017
Pedro Sarmento 23 de Janeiro, 2017
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Bonobo - Migration

Ulver - ATGCLVLSSCAP
  Gone Is Gone é um projecto norte-americano iniciado em 2016, nascido para dar forma às criações de Tony Hajjar (bateria, At the Drive-In) e do multi-instrumentalista Mike Zarin, parceiros de longa data na composição de banda sonora para trailers de filmes, videojogos e media através da Sencit Music. Apercebendo-se a dada altura de que tinham entre os dois material que necessitava desesperadamente de uma banda que o exteriorizasse, a decisão foi tomada. Com o recrutamento de Troy Van Leeuwen (guitarra, Queens of the Stone Age), a criação/gravação daquele que seria o primeiro EP da banda começou a dar os primeiros passos. A vaga para vocalista continuava aberta e Troy Sanders (baixo/voz, Mastodon) era o desejado. Aproveitando a química histórica entre os dois Troys e a vontade que ambos tinham de fazer música em conjunto, a chamada foi feita e a participação do baixista/vocalista do colossal mastodonte tornou-se oficial.

Contando já com o EP Gone Is Gone, primeiro trabalho da banda lançado no Verão de 2016, o quarteto estreou a 6 de Janeiro deste ano o álbum Echolocation através da Rise Records, com um total de doze faixas novas que se expressam num post-rock experimental metalado com salpicos acústicos de Deftones, co-produzido com sucesso e qualidade por Ken Andrews (Beck, A Perfect Circle) e pela banda.

“Sentient” é o primeiro chamamento e desenvolve-se muito calmamente. Num ritmo pausado, Troy Sanders sussurra os versos iniciais e o ambiente é criado. O instrumental é envolvente e prepara a explosão de graves pausados fundidos naquele tom fuzzy tão característico da guitarra de Van Leeuwen que mudam repentinamente o fluir do tema. A audição da primeira faixa do álbum, que conta já com lyric video a condizer, assegura os fãs dos mais recentes trabalhos de Mastodon que vieram ao sítio certo no que ao campo vocal diz respeito.

O riff groovalhudo introdutório da faixa dois, “Gift”, mostra uma mudança de ares de estilo e garante que a monotonia não terá lugar na viagem sonora. Numa forma mais tradicional de verso-refrão-verso-refrão as melancólicas melodias solistas da guitarra funcionam definitivamente como um corta-sabores delicioso.

Seguem-se “Resurge”, com Troy Sanders a abrir as festas com linhas de baixo marcadas e Tony Hajjar a manter a coesão com um ritmo tribalíssimo, “Dublin”, a criação favorita do baixista/vocalista, contando também com videoclip, assombrosa, tétrica, a fazer lembrar uma “Tubular Bells” a meio gás, e que versa sobre quem do caminho se desvia, e “Ornament”, com um autêntico vocal rasgado à la Mastodon, regado de reverb, explorando o stereo e a espacialização, guiado por um ritmo cavalgado em loop contagiante.

A aglutinação sonora experimental de “Slow Awakening” e “Fast Awakening”, faixas nove e dez respectivamente, revela-se uma aposta ganha. Com registos de compasso concordantes com o título, cada um dos temas é uma amálgama bem gerida de contrastes e estilos, sobressaindo-se a palhetada tremolo furiosa que pauta as duas faixas.

“Echolocation”, última e maior faixa do álbum, é responsável pelo riff mais cativante e hipnótico do disco, repetido na dose certa e amparado por um refrão igualmente viciante. O cenário muda bruscamente a partir do minuto três, o tempo diminui, o espaço e o negrume aumentam e o caos toma conta da acção. A voz de Troy passa, curiosamente, de inglês para italiano, num canto gregoriano comprimido e modulado. O solo da guitarra de Van Leeuwen, sem grandes floreados e com aquele timbre gordo e puro, faz as vezes de ponte e transporta o ouvinte para o mesmo motivo do início que termina com um refrão final e encerra o álbum com um acorde bem resolvido em fade out.

Outros destaques vão para a pesadona e entrópica “Prawns”, e também para “Resolve”, tema mais suave do álbum, solene e sem distorção, mostrando uma faceta mais intimista do quarteto.

Echolocation é um bom augúrio introdutório daquilo que 2017 poderá ter para oferecer. Apesar de não se revelar extraordinário, o trabalho não desilude o crescente público do grupo e cativará certamente mais ouvidos, mostrando uma vez mais o quão interessantes podem ser as colaborações entre membros de bandas com estéticas relativamente afastadas. O disco é sólido em termos de composição, com bom gosto na escolha e aplicação de variações de dinâmica, tempo e intensidade ao longo das doze faixas, conseguindo fundir totalmente a veia mais experimental/ambiental dos sintetizadores de Zarin com o núcleo de hard-rock/metal dos restantes elementos. Ponto positivo para o facto de Echolocation não ter nenhum tema “importado” do anterior EP, como é frequente acontecer noutros projectos quando o intervalo entre o primeiro e o segundo lançamento é tão curto, mostrando que o quarteto está nisto de corpo, alma e gosto, não procurando fama nem fortuna, mas sim novas experiências e sonoridades. Desengane-se quem achar que se trata de uma parceria sensaborona de vedetas da cena: o quarteto mostra uma intrusão própria de amigos de sempre, cada elemento contribuindo com um cunho muito pessoal sem, no entanto, se estender em egos e vaidades.

Nota: Este autor utiliza o Antigo Acordo Ortográfico
por
em Reviews

Gone is Gone - Echolocation
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2020
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?