10
SEG
11
TER
12
QUA
13
QUI
14
SEX
15
SAB
16
DOM
17
SEG
18
TER
19
QUA
20
QUI
21
SEX
22
SAB
23
DOM
24
SEG
25
TER
26
QUA
27
QUI
28
SEX
29
SAB
30
DOM
31
SEG
1
DOM
2
SEG
3
TER
4
QUA
5
QUI
6
SEX
7
SAB
8
DOM
9
SEG
10
TER

Ibeyi - Ibeyi

Review
Ibeyi Ibeyi | 2015
João Rocha 13 de Março, 2015
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

The Pop Group - Citizen Zombie

Rui Campos - Another Dark Mind

Numa viagem pela mitologia ioruba encontramos a gênese linguística para a formação da palavra Ibeyi. Gémeos míticos, protetores das crianças e da inocência, encontraram no poder da dança a forma de derrotar a personificação do Mal. Agora, os Ibeji inspiram Lisa-Kaindé e Naomi Diáz a abraçar a sua condição de irmãs. Nesta aparente adoração pelas tradições, as filhas de Miguel Díaz (Buena Vista Social Club) exploram-se num registo de batalha mitológica entre as suas raízes e o futuro, e o resultado é algo de tão bem concebido que possivelmente se tornará um ritual transcendental para todo o ateu agnóstico.

É na colisão entre as tradições e o trip-hop que nasce este álbum onde as faixas assumem o papel de defuntos através dos quais celebraremos em comunhão a vida. Cheio de ideias a marinar nas mentes das suas criadoras, o álbum homônimo deste duo franco-cubano viaja pelas suas raízes alimentando-se de uma forma tão comedida, que a silhueta final só poderia ter as medidas certas. Em boa verdade é na contenção que este álbum ganha tanto brilho, desprovendo-se de qualquer pretensiosidade em ser mais do que há para ser. É na naturalidade dos sons e sentimentos nele inseridos, em comunhão com as letras, que se atinge perfeição em faixas como “Oya”. Vocalmente é como se a Björk e a Regina Spektor fossem as CocoRosie, e tal não poderia soar ideologicamente melhor, no entanto ambas nunca teriam o elo de ligação que as Ibeyi têm. E é exatamente devido a essa empatia partilhada que o álbum triunfa. Em “Mama Says” e “Faithful” é exposto o desmembramento da família após a morte de seu pai, enquanto que “River” aparece aqui como a busca pela redenção e um novo começo.

Como álbum de estreia não podiam ter acertado mais em tudo o que havia para acertar e a sensação que perdura é que isso acontece porque nunca almejaram a tentar atingi-lo. Soa tão puro que a sua falta de experiência funciona com um encaixe perfeito com a ordem natural das coisas, saindo do coração sem necessidade de o enfeitar. Depois de um trabalho tão bem concebido o peso que recai num segundo disco é enorme, no entanto a curiosidade por ele é bem superior. Até lá devíamos ficar com ele em loop convertendo-nos pouco a pouco a uma espiritualidade superior que não há como descrever.
por
em Reviews

Ibeyi - Ibeyi
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2018
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?