23
DOM
24
SEG
25
TER
26
QUA
27
QUI
28
SEX
29
SAB
30
DOM
1
SEG
2
TER
3
QUA
4
QUI
5
SEX
6
SAB
7
DOM
8
SEG
9
TER
10
QUA
11
QUI
12
SEX
13
SAB
14
DOM
15
SEG
16
TER
17
QUA
18
QUI
19
SEX
20
SAB
21
DOM
22
SEG
23
TER

José González – Vestiges & Claws

Review
José González Vestiges & Claws | 2015
Joao Rodrigues 09 de Março, 2015
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Rui Campos - Another Dark Mind

Toundra - IV


 
Se fossemos resumir em muito poucas palavras José González talvez disséssemos que é sueco, com raízes argentinas e que canta em inglês. Quando se conhece a sua origem e as suas raízes podia-se pensar que a sua música é uma grande salgalhada, mas está muito longe disso. É verdade que se notam, aqui e ali, influências um pouco de todo o lado mas, quando tudo se junta, funciona muito bem Quando se pensa na música de José Gonzalez pensa-se em Folk. Uma Folk onde a voz sem grandes variações e a guitarra bem dedilhada são os elementos principais. É isso que Vestiges & Claws nos traz. É verdade que a percussão, muitas vezes criada pelo próprio enquanto toca guitarra e outros elementos podem ser notados ao longo do álbum mas sempre como figuras de segundo plano.

Vestiges & Claws começa e acaba da mesma maneira: com a voz calma de González e a magia da sua guitarra. "With the Ink of a Ghost", música que abre o álbum e "Open Book", música que o fecha, são José Gonzalez no seu estado mais puro. "Let It Carry You", "Stories We Build", "Stories We Tell" e "Leaf Off / The Cave" mostram-nos uma Folk mais mexida, quase dançável, sendo que, pelo meio, a acalmia volta com "The Forest". "Every Age", mais do que uma música é uma lição. Uma lição de como viver, com a frase “Make the best of this short lived stay” a refletir isso mesmo.

Segue-se "What Will" que, no que diz respeito ao ritmo, volta a uma Folk mais acelerada mas que na sua letra reflete o mundo que nos rodeia. A guitarra e um assobio quase hipnótico é o que "Vissel" nos dá, onde parece que somos embalados e convidados a imaginar e a inventar histórias na nossa cabeça. Pelo ritmo e pela forma arrastada de cantar, "Afterglow" mostra-nos um lado quase tribal de José Gonzalez. Uma música que, embora não perdendo nada do que é a folk do músico sueco, nota-se, aqui e ali, uns toques de africanidade.

Se é verdade que este último álbum de José Gonzalez é um pouco monótono e sem grandes variações, também é verdade que é essa simplicidade que faz dele interessante. Vestiges & Claws não é um álbum para ouvir sempre mas é um álbum para manter guardado porque, no momento certo, ele vai “saber” muito bem.
por
em Reviews

José González – Vestiges & Claws
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2018
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?