wav@wavmagazine.net | 2014 | PT
a
WAV

King Woman – Doubt

King Woman

Doubt | 2015

PONTUAÇÃO:

8.9

 

 

 
Kristina Esfandiari, que formou os King Woman, fez nome inicialmente nos Whirr, banda de Shoegaze baseada na Califórnia. As influências não podiam ser mais claras, o tom e o tremelo picking nas guitarras dos Whirr está bem presente neste LP. Acompanhado por uma outra guitarra e baixo influenciados por Doom.

A criação deste tipo de som, por um lado melancólico, energético mas luminoso – vindo do Shoegaze – por outro pesado, lento e abrasivo – vindo do Doom – é algo que muito poucas bandas têm estado a fazer. Na Califórnia, este tipo de som tem estado a ser trabalho bastante, em LA, Sacramento e San Francisco, mas mais numa vertente Black Metal, por isso é bastante interessante ouvir um projecto que se foque mais noutros sons como o Doom.

O EP começa com “Wrong”, uma música que dispara num tom muito lento e poderoso, em que Kristina Esfandiari canta sobre experiências espirituais da sua infância. Segue-se a “King of Swords”, um hino ao género. Começa com uma intro rapidíssima, tocada pela guitarra Shoegaze, enquanto que o baixo e a outra guitarra estão a criar a sensação de uma parede feita de barulho, muito influenciados por Noise e Drone. A música vai ganhando, no cômputo geral, alguma intensidade, acabando num momento formidável de intensidade, barulho e… felicidade, tal como também no Post-Rock acontece. A música podia ter sido escrita pelos australianos Woods of Desolation.

Segue-se “Burn”, que começa com uma batida poderosíssima, que parece nem vir da bateria, mas sim de um tambor de proporções épicas, a guitarra num tom muito sludgy, enquanto que os vocals são falados e por isso muito perturbadores. Até que o tema entra numa fase em que o riff com influências do Sludge se transforma num loop, formando junto com o resto dos instrumentos, algo muito parecido com um Drone. O resto é história.

Doubt é sem margem para dúvidas, um dos melhores EP’s do ano, é um hino à música pesada, com influências de vários géneros musicais, e um trabalho que tem de ser aplaudido pela experimentação que nele está presente, continuando assim a exploração que tem acontecido nos últimos anos misturando Post-Rock, Shoegaze e Black Metal.

Share Button

Comentarios

comentarios

Por Francisco Silva / 22 Setembro, 2015

Deixar um comentário

About the author /


~