21
SAB
Soen
RCA Club - Lisboa
Dollar Llama
Bafo de Baco - Loulé
!!! (Chk Chk Chk)
Hard Club - Porto
The Parkinsons + Killimanjaro + Ermo
Carmo 81 - Viseu
Cows Caos + The Brooms
Centro Cultural - Cartaxo
Earth Drive + Vircator
SIRB Os Penicheiros - Barreiro
22
DOM
23
SEG
24
TER
Mallu Magalhães
Teatro Tivoli BBVA - Lisboa
Jameson Urban Routes (Dia 1)
Musicbox - Lisboa
25
QUA
Drew McDowall
Galeria Zé dos Bois - Lisboa
Steve Hauschildt + Jari Marjamaki
Igreja de St. George - Lisboa
Jameson Urban Routes (Dia 2)
Musicbox - Lisboa
26
QUI
Jameson Urban Routes (Dia 3)
Musicbox - Lisboa
Nouvelle Vague
Aula Magna - Lisboa
Black Bombaim & Peter Brötzmann
Passos Manuel - Porto
27
SEX
Os Courettes
Cave 45 - Porto
Semibreve 2017 (Dia 1)
Theatro Circo / gnration - Braga
Jameson Urban Routes (Dia 4)
Musicbox - Lisboa
Nouvelle Vague
Convento de São Francisco - Coimbra
For The Glory + Destroyers Of All
DRAC - Figueira da Foz
Noiserv
Teatro José Lúcio da Silva - Leiria
28
SAB
Semibreve 2017 (Dia 2)
Theatro Circo / gnration - Braga
The National
Coliseu dos Recreios - Lisboa
Royal Blood
Campo Pequeno - Lisboa
Jameson Urban Routes (Dia 5)
Musicbox - Lisboa
Black Lips
Maus Hábitos - Porto
Mark Eitzel
Auditório - Espinho
The Parkinsons + Killimanjaro + Ermo
SHE - Évora
29
DOM
And So I Watch You From Afar
Hard Club - Porto
Semibreve 2017 (Dia 3)
Theatro Circo - Braga
Mark Eitzel
Galeria Zé dos Bois - Lisboa
Nouvelle Vague
Casa da Música - Porto
Alter Bridge
Coliseu dos Recreios - Lisboa
30
SEG
And So I Watch You From Afar
Musicbox - Lisboa
Shields
Stairway Club - Cascais
Metronomy
Coliseu dos Recreios - Lisboa
Moonspell
Lisboa ao Vivo - Lisboa
31
TER
John Maus
Maus Hábitos - Porto
Moonspell
Lisboa ao Vivo - Lisboa
Shabazz Palaces
Lux Frágil - Lisboa
1
QUA
2
QUI
Shabazz Palaces + Ângela Polícia
gnration - Braga
Omnium Gatherum + Skálmöld + Stam1na
Hard Club - Porto
3
SEX
TOPS
Maus Hábitos - Porto
Omnium Gatherum + Skálmöld + Stam1na
RCA Club - Lisboa
4
SAB
The Band of Holy Joy
Cave 45 - Porto
5
DOM
6
SEG
The Goddamn Gallows
Stairway Club - Cascais
7
TER
8
QUA
The Bug Vs Dylan Carlson of Earth
gnration - Braga
9
QUI
10
SEX
11
SAB
12
DOM
Dying Fetus + Psycroptic + Beyond Creation + Disentomb
Lisboa ao Vivo - Lisboa
13
SEG
Lamb
Coliseu do Porto
14
TER
Lamb
Coliseu dos Recreios - Lisboa
15
QUA
16
QUI
Black Bass - Évora Fest (Dia 1)
Sociedade Harmonia Eborense - Évora
The Picturebooks
Sabotage Club - Lisboa
Spoon
Coliseu do Porto
17
SEX
Fai Baba
Maus Hábitos - Porto
Sinistro
Hard Club - Porto
Hercules & Love Affair
Lux Frágil - Lisboa
Spoon
Coliseu dos Recreios - Lisboa
18
SAB
The Fall + 10 000 Russos
Hard Club - Porto
Sinistro
Le Baron Rouge - Amadora
19
DOM
20
SEG
Father John Misty + Weyes Blood
Coliseu dos Recreios - Lisboa
21
TER
Epica + Vuur + Myrath
Sala Tejo (MEO Arena) - Lisboa
Review
Luca Argel Bandeira | 2017
Diogo Rocha 25 de Maio, 2017
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Luca Argel, carioca do Rio, é o cantautor e poeta com quatro livro publicados, que lançou tipos que tendem para o silêncio em 2016 e agora, em 2017, Bandeira. E é sobre este último que vos quero falar.

Bandeira é sobre o samba e para o samba. Foi o mote e a inspiração de Luca Argel para a criação deste disco. Um samba que, por vezes, pode ser confundido com bossa nova ou com uma mescla entre estes dois estilos musicais e que confere a este álbum uma simplicidade reconfortante. Entre acordes singelos de guitarra e uma voz tropical, a música que sai de Bandeira é um trago quente que se bebe numa noite chuvosa de Primavera e, ao mesmo tempo, é um consolo o refresco que cria naquelas tardes mais quentes de Verão. Mas, apesar de conter um som ligeiro e alegre, algures na poesia conseguimos vislumbrar um desconforto pelo modo como a sociedade está a evoluir e pela forma como as pessoas encaram as suas vivências diárias. Como o próprio Luca Argel descreveria, uma espécie de “Samba de Guerrilha”, em que o género musical é usado num formato critico e satirizante do meio em que os autores vivem e estão envoltos. Desta forma, são variados os temas das histórias agrupadas em poesias que nos enchem o ouvido durante meia-hora.

Uma separação é sempre algo difícil de ultrapassar, mas é também um bom motivo para transformar a raiva interior, para soltar e motivar a criatividade. Foi o que fez Luca para dar inicio ao álbum. “Estar o Ó Ep. 1” não é um começo feliz e cada palavra explora as dificuldades sentidas, mas a busca pela melodia alegre, pela voz da felicidade, leva-nos por ruas e ruelas até à “Rua da Consolação”. O ânimo arrebita com “Ninguém Faz Festa” e “Calote”, músicas em que a preocupação do cantautor é viver despreocupado e feliz, mesmo que a situação em que se encontra não seja a ideal,” É melhor estar no vermelho do que viver de joelho até ficar velho” lutando pela dignidade e ter o samba como modo de o conseguir, “Foi também quem primeiro avisou que o samba, uma gelada e o suor da nossa testa/ Ainda são as armas que nos restam”. “Acanalhado” é sobre amor, um amor que não deve ser publicitado, um segredo que se quer manter especial para os intervenientes e deve ser do desconhecimento de terceiros: “Quando eu morrer não vá ao enterro, não acenda vela/ Só nos que sabemos da nossa novela/ E vão estranhar a tua tristeza/ Não fique de luto nem vá levar flores à sepultura/ Ninguém mais conhece a nossa aventura/ E alguém vai pedir uma satisfação/ Deixe as coisas como elas estão”. Com “M&Ms” voltam os acordes felizes e os grooves sorridentes que nos voltam a encaminhar para o meio da roda de samba. Recebemos, com uma certa graça, a ode que Luca Argel faz aos deuses da ficção cientifico-galáctico-espacial em “Estar o Ó, Ep. 2” e voltamos ao planeta Terra em “Bandeira”, música que dá o seu nome ao álbum e que, não por acaso, é a última. Segundo o poeta, diz-se que uma escola de samba “enrolou bandeira” quando ela acaba, usando um dos significados de expressões associadas a esta palavra para colocar um ponto final neste seu novo trabalho. Bandeira também é uma homenagem ao poeta com o mesmo nome, Manuel Bandeira, cuja obra é demarcada  pela critica, de forma leviana e ligeira, e pela impossibilidade de não conseguir fechar os olhos perante o que está em redor “Assim eu quereria meu último poema/ Que fosse terno dizendo as coisas mais simples e menos intencionais/ Que fosse ardente como um soluço sem lágrimas/ Que tivesse a beleza das flores quase sem perfume/ A pureza da chama em que se consomem os diamantes mais límpidos/ A paixão dos suicidas que se matam sem explicação.”

Luca Argel, que é formado em música pela UNIRIO e mestre em Literatura pela Universidade do Porto, conseguiu, neste seu segundo álbum, concentrar o que de melhor tem a música popular brasileira e dar-lhe o seu toque pessoal. Bandeira, sendo bastante diferente de tipos que tendem para o silêncio, consegue ter um som maduro, quente e dançável, uma poesia rica, crítica e variada e um sentimento bairrista e popular, mas um tanto ou quanto saudosista.

Nota: este autor usa o Antigo Acordo Ortográfico.
por Diogo Rocha
25 de Maio, 2017
album, 2017, review, critica, wav, luca argel, bandeira
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT