15
SAB
16
DOM
17
SEG
18
TER
19
QUA
20
QUI
21
SEX
22
SAB
23
DOM
24
SEG
25
TER
26
QUA
27
QUI
28
SEX
29
SAB
30
DOM
1
SEG
2
TER
3
QUA
4
QUI
5
SEX
6
SAB
7
DOM
8
SEG
9
TER
10
QUA
11
QUI
12
SEX
13
SAB
14
DOM
15
SEG

Mariana Vergueiro - Morning Rain

Review
Mariana Vergueiro Morning Rain | 2015
Goncalo Tavares 28 de Dezembro, 2015
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

TV Rural - Sujo

Máquina del Amor – Máquina del Amor

Há um burburinho crescente em relação à associação Porta-Jazz. Ela assume a promoção deste género do e no Porto, através de espectáculos, gravações e outras mostras. Sobre a tutela do seu carimbo, foram editados 20 discos descomprometidos, provenientes de uma geração de músicos que, respeitando a tradição, tem clara vontade de fazer algo fresco. A última peça desta linhagem é Morning Rain de Mariana Vergueiro, a inaugurar os registos vocais da editora.

Para o seu álbum de estreia, a jovem cantora muniu-se de Pedro Neves (piano), Bruno Macedo (guitarras), Nuno Campos (contrabaixo) e Nuno Oliveira (bateria). Foram escolhas de excelência: a banda pinta o palco, deixando-a elegantemente posar.

Em Morning Rain, o conceito de “tema-solos-temas” é deixado em casa em prol da linearidade, da simplicidade. É um álbum de canções, mas com sensibilidade jazzística. A sua composição é cuidada, esmerando-se nos detalhes do acompanhamento e na cor da melodia, sem nunca o tornar inacessível. Aqui, o agradável não ameaça a substância.

Faixas como “Ballad for Spring”, “Skylark” e “Morning Rain” apresentam esse contraste. A primeira é ampla, de bateria galga e guitarras coloridas, pensando em textura. A faixa homónima abre em modo acústico, com a linguagem e aspereza que podíamos encontrar num Norberto Lobo, e parte para voz e guitarra, num momento distante do swing. Procura-se, antes de mais, a beleza da canção.

Da mesma forma, os contornos da melodia de “Turn Back” piscam o olho a alguns momentos cantados da Disney. E o “Leaving the Ground” de “Home” lembra o “From the Ground” de Minta. É Esta camada pop que acaba por dar ao álbum um sabor particular. Ao lado do fluente discurso jazzístco surgem estas nuances, capazes de o abrir a uma outra degustação. “Morning Rain” faz mais do que seguir a estética da associação, amplia-a para o público geral, que não ouve o género por causa de velharias, motivos que já passaram o prazo.

Este jazz é hidratante para todos os ouvidos. Passem a palavra.
por
em Reviews

Mariana Vergueiro - Morning Rain
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2019
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?