10
SEG
11
TER
12
QUA
13
QUI
14
SEX
15
SAB
16
DOM
17
SEG
18
TER
19
QUA
20
QUI
21
SEX
22
SAB
23
DOM
24
SEG
25
TER
26
QUA
27
QUI
28
SEX
29
SAB
30
DOM
31
SEG
1
DOM
2
SEG
3
TER
4
QUA
5
QUI
6
SEX
7
SAB
8
DOM
9
SEG
10
TER

Mondo Drag - Mondo Drag

Review
Mondo Drag Mondo Drag | 2015
Joana Brites 23 de Janeiro, 2015
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

The Dodos - Individ

Viet Cong - Viet Cong
Nesta Era cheia de revivalismo psicadélico, nada cheira a novo, talvez seja por isso que os Mondo Drag conseguem captar alguma atenção neste novo álbum. É verdade, não tem muito de novo, mas torna-se exótico para nós destes anos 2000 porque leva-nos directamente aos anos 60/70 e por momentos somos psicadélicos a sério.

Mondo Drag é um álbum resultante de um turbilhão de coisas novas dentro da banda, viagens, membros a voar para a Suécia, procurar novos membros, mudar de casa, mudar de estado, roadtrips e depois tentar juntar tudo. Conseguem "remontar-se" e temos assim, em modo físico, o homónimo dos Mondo Drag, um disco exploratório, uma pequena máquina do tempo.

Temos 7 musicas, temos 7 tempos, temos apenas uma época. Começamos mesmo só numa de mais psicadelismo revivalista mas ao longo das músicas somos mesmo transportados para o passado, pensamos nos Pink Floyd e até nos The Doors, pensamos como seria ligar um amplificador a um sintetizador e tentar fazer música. É mais psicadélico que progressivo, é mais aério do que pesado, mas ouvimos em todas as músicas um rasgo de loucura, uma loucura implosiva.

Após "Zephyr", "Crystal Vision Open Eyes" e "The Dawn" sentimos o embalo que nos leva a esse passado que é tão invejado nos dias de hoje, o passado onde a exploração musical era fascinante, onde as coisas eram mesmo novas, ou pelo menos, pareciam, sem excesso de informação e sem ideias pré-concebidas. Aterramos assim em "Plumajilla", com a sucessão de camadas sonoras com chamamentos em Flauta e continuamos com "Shifting Sands", com um ritmo constante e progressivo desde o início e somos embalados com a elipcidade da guitarra. "Pillars of the Sky" é Pink Floyd no início, é psicadelismo crú. O disco termina com ,"Snakeskin". A voz lembra Jim Morisson, os sintetizadores também, queremos dançar como se fossemos uma alga no oceano, embaladas por uma maré constante mas contra pequenas vibrações disformes.

É uma viagem no tempo, é crú, é anos 60, 70.
por
em Reviews

Mondo Drag - Mondo Drag
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2018
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?