29
QUA
30
QUI
31
SEX
1
SAB
2
DOM
3
SEG
4
TER
5
QUA
6
QUI
7
SEX
8
SAB
9
DOM
10
SEG
11
TER
12
QUA
13
QUI
14
SEX
15
SAB
16
DOM
17
SEG
18
TER
19
QUA
20
QUI
21
SEX
22
SAB
23
DOM
24
SEG
25
TER
26
QUA
27
QUI
28
SEX
29
SAB

Naðra - Allir vegir til glötunar

Review
Naðra Allir vegir til glötunar | 2016
João Alves 21 de Abril, 2016
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Cult Of Luna & Julie Christmas - Mariner

The Body & Full of Hell – One Day You Will Ache Like I Ache


 

O Black Metal Islandês está em alta - 2016 começou com uma prova do porquê de tal coisa estar a acontecer. Apesar de ser um projeto paralelo de membros dos já conhecidos e reconhecidos Misþyrming, existe outra banda que está a mostrar a força do Black Metal Islandês, os Naðra que merecem igual atenção.

Com apenas um EP chamado Eitur (2014), Allir vegir til glötunar ou “Todos os caminhos para a destruição”, é o primeiro álbum da banda. A começar com “Fjallið” sem introduções nem floreados, a banda mergulha-nos imediatamente num turbilhão de caos que logo nos primeiros segundos agarra a atenção e nos mostra que esta banda sabe tocar todos os instrumentos que decidiram tocar. Poucos segundos depois somos introduzidos à voz que não só é exatamente aquilo que seria de esperar numa banda de Black Metal, é também uma voz característica.

“Sál” tem um inicio mais lento para contrastar com a musica anterior, mas igualmente pesado, no entanto, a velocidade não tarda a chegar. Nesta faixa nota-se alguns elementos de Viking Metal ao estilo de Bathory no final dos anos oitenta e inícios de noventa que irão reaparecer em alguns cantos do álbum. A maior musica do álbum “Falið” segue-se com quase um quarto de hora de obscuridade musical. É uma longa montanha russa de violência acelerada e melancolia deliciosamente arrastada que encerra maravilhosamente o lado A.

A começar o lado B (eles gostam dos seus lançamentos em formato vinil) chega-nos a melodia confortante e embaladora de “Sár”, pelo menos durante os primeiros segundos até a banda voltar a arremessar os nossos ouvidos para um abismo negro cheio de cobras a tocar guitarra e dos gritos de Örlygur Sigurðarson – esta faixa que se traduz como o ponto alto do álbum. Os mesmos elementos que nas músicas anteriores encontram-se aqui, uma alternância bem-feita entre tocar depressa e arrastar os riffs, técnica que mostra que estes senhores sabem mexer nos instrumentos e também uma aura de melancolia a demonstrar o lado mais emocionalmente negro das coisas. Até se ouvem pássaros a cantar no final.

Para acabar como se começou, a ultima música “Fallið” começa depressa e sem sinais de abrandar, até que repentinamente tudo acalma para se juntar à fogueira durante uns momentos para tocar musica de guitarra acústica, fazer cânticos druídicos. Mas se há alguma coisa que se aprende com isto tudo é que os Naðra só fazem essas coisas para nos mergulhar em mais agressão alguns segundos mais tarde. Negrume à bruta segue-se até culminar em mais cânticos druídicos, desta vez acompanhados por uma guitarra cujas cordas parecem víboras a tentar fugir, mas são tocadas à mesma, deixando escapar das suas entranhas, servindo de conclusão deste excelente exemplo de Black Metal. Nada mau para algo que demorou dois anos a ser feito.
por
em Reviews

Naðra - Allir vegir til glötunar
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2020
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?