25
SEX
26
SAB
27
DOM
28
SEG
29
TER
30
QUA
1
QUI
2
SEX
3
SAB
4
DOM
5
SEG
6
TER
7
QUA
8
QUI
9
SEX
10
SAB
11
DOM
12
SEG
13
TER
14
QUA
15
QUI
16
SEX
17
SAB
18
DOM
19
SEG
20
TER
21
QUA
22
QUI
23
SEX
24
SAB
25
DOM

of Montreal - UR FUN

Review
of Montreal UR FUN | 2020
João Rocha 11 de Fevereiro, 2020
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Kvelertak - Splid

Destroyer - Have We Met
O ano é 1996. O Big Show SIC está no seu apogeu mediático e o João Baião encontra-se em delírios energéticos constantes. O programa dá-nos a conhecer um país de artistas alucinantes, regionalmente psicadélicos. O ano é 1996, e do outro lado do Atlântico um jovem Kevin Barnes cria os of Montreal. Não haverá casualidade entre uma coisa e outra, e muito dificilmente Kevin saberá quem foi o Macaco Adriano. Então porquê começar este texto com tão distante e aleatória referência? Bem, em 2020, 15 álbuns depois, a banda americana lança o seu álbum Big Show SIC: pura diversão!!!!

UR FUN é o mais recente trabalho dos of Montreal, e o seu nome não pretende enganar ninguém. O álbum transpira boa disposição e energia. Mas voltemos um pouco atrás, não aos tempos das referências descabidas, mas aos últimos álbuns de Kevin e companhia. Quando pensamos neles, as primeiras impressões que nos saltam à mente é o de pop psicadélico, distorcido e alucinante. No entanto, e se olharmos para os predecessores do álbum de 2020 – nomeadamente Innocence Reaches e White is Relic/Irrealis Mood –, podemos notar um paulatino afunilamento para um som menos arisco e mais aprumadinho. O sucesso de músicas como “Paranoiac Intervals/Body Dysmorphia” e “it’s different for girls” fez disparar em Kevin um desejo de encontrar uma fórmula musical entre a experimentação e a simplicidade, sem colocar em causa a criatividade e a diversão.

Surge assim UR FUN, o álbum mais “fácil” da banda até à data. Como já dito anteriormente, o nome não engana, e logo na primeira faixa somos afogados num universo de revivalismo pop. De facto, Barnes expressou descaradamente em cada uma das faixas influências pelo pop dos anos 80, de Cindy Lauper a David Bowie. Chamemos-lhe revivalismo psicadélico. Freak, mas catchy. As faixas estão bem conseguidas, e apesar de almejarem alguma simplicidade, não perdem o traço distintivo de criatividade e irreverência que as caracteriza. Cada ritmo é efervescente e único, e mais uma vez Kevin Barnes consegue no meio de toda a confusão sonora prender e divertir o ouvinte nas suas histórias. Estas últimas atingem uma dimensão verdadeiramente pop, a seguirem uma fórmula de a-b-a-b, o que permite ao ouvinte decorar e cantar facilmente cada uma das músicas.

Outro aspecto fundamental a referir sobre o álbum é a ausência de coesão e fluidez entre as faixas. Apesar de ambicionar o revivalismo experimental, as composições resultaram num álbum em três atos claramente distintos. Se no primeiro temos o pop feliz e explosivo, o segundo tenta percorrer uma versão baladeira e apaixonada do género. Soa desinspirado e estranho e afasta o ouvinte do álbum. No entanto, uma outra viragem acontece, e os of Montreal enveredam para uma abordagem mais bowieana, elevando UR FUN ao seu expoente. Apesar de as faixas não serem fluídas entre si, a forma como cada uma cresce é-o, e canções como “Deliberate Self-harm Ha Ha” são autênticas obras-primas. Enquanto se mantêm fiéis ao propósito do álbum em que se inserem, e homenageiam o passado, são inovadoras e levam-nos a esse passado. Na faixa em questão, somos teletransportados para as bases da americana até chegarmos a um patamar futurista que faria envergonhar algumas tentativas dos Tame Impala.

No fim de contas, UR FUN é um dos álbuns de mais fácil digestão por parte dos of Montreal, e devido a isso, é também dos mais esquecíveis. Apesar de bem conseguido, sem falhar na produção ou no conceito, soa-nos pouco desafiante e cativante, e a culpa é da própria banda que nos habituou a exigir isso dela. Apesar de tal, não deixa de proporcionar aproximadamente uma hora de histeria e boa disposição. Portanto, Dona Albertina, não vá fazer já o seu xixizinho: suba o volume e dance, dance, dance.
por
em Reviews

of Montreal - UR FUN
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2020
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?