5
SEX
6
SAB
7
DOM
8
SEG
9
TER
10
QUA
11
QUI
12
SEX
13
SAB
14
DOM
15
SEG
16
TER
17
QUA
18
QUI
19
SEX
20
SAB
21
DOM
22
SEG
23
TER
24
QUA
25
QUI
26
SEX
27
SAB
28
DOM
29
SEG
30
TER
1
QUA
2
QUI
3
SEX
4
SAB
5
DOM

Oranssi Pazuzu - Mestarin kynsi

Review
Oranssi Pazuzu Mestarin kynsi | 2020
João "Mislow" Almeida 21 de Abril, 2020
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Fiona Apple - Fetch the Bolt Cutters

Grimes - Miss Anthropocene
Apesar do estado atual do mundo, abril tem sido um mês ocupadíssimo em termos de lançamentos e discos novos. Este em particular tem mantido muita gente num antro de antecipação e expectativa. Os finlandeses Oranssi Pazuzu já estão nestas andanças há pouco mais de uma década. A discografia destes, que até hoje já se estende até aos cinco LPs (sem contar com Waste of Space Orchestra, dois EPs e um disco ao vivo no Roadburn), oferece uma imensidão de arte conceptual, extravagância visual, e acima de tudo, exploração sónica. Tentar encaixar o quinteto num só género é um desafio desnecessário, mas para isso existe uma mão cheia de referências que devem ajudar com mais clareza nessa tarefa. Elevam-se elementos de black metal, prog-rock e krautrock dos anos 70, bem como algumas perspicazes pronúncias de psicadélica, esotérica e mitologia. O grande feito destes passa por conseguir segurar todo este mapa astral, destacando todas as suas influências de forma saliente e notável, criando simultaneamente algo absolutamente distinto e revitalizante. Como toda uma mutação da new age.

Até ao terceiro disco da banda, Valonielu, esta já havia colhido alguma atenção no underground europeu, mas foi com o lançamento dos dois consecutivos game-changers – Värähtelijä e Syntheosis (colaboração com os compatriotas Dark Buddha Rising) – que conseguiram o muito esperado breakthrough. Este ano a banda apresenta o seu mais recente contributo: Mestarin kynsi. Traduzido para português, o disco apresenta as garras do mestre ao ouvinte e é com a primeira faixa, “Ilmestys”, que o mestre rodeia o ouvinte numa intoxicante e manifestante voluta parede de som! Cinco minutos num loop espiral e o som expande-se numa ostensiva faísca de camadas entre bateria, guitarras, baixo e sintetizadores amplamente coloridos pela euforia e pelo estímulo. As seguintes “Tyhjyyden sakramentti” e “Uusi teknokratia” explodem com uma consequência mais imediata e numa extensiva progressão de êxtase magnético. Enquanto sustentadas por uma postura tanto cinemática como debilitante, o ouvinte não consegue senão obedecer à chama do mestre, numa total entrega e desapropriação do seu “eu”.

A altamente sufocante, embriagante e contagiosa “Kuulen ääniä maan alta” acumula estratosferas de camadas rítmicas que se mostram impossíveis de resistir, enquanto o fecho da “Taivaan portti” se sustenta como uma amolação queda livre. Uma epidemia de dissonância, caos e desordem entre o metafísico e o entroncamento mental. Um corpo a drenar a mente como pulmões a vazarem oxigénio. O resultado é um som que se estende com tamanho alcance que acaba por transcender os limites do que é químico e consciente. Aliás, não só transcende além, como ainda destrói o terminus ad quem que a banda tem tão regularmente manipulado no passado. Mestarin kynsi anula toda e qualquer barreira que separe o som do ouvinte. Desde a primeira à última faixa, um e o outro passam a ser os dois lados da mesma moeda: “You are one and the same”, e isso não há quem faça melhor que os Oranssi Pazuzu.

 



Texto traduzido e readaptado de Strugatsky Alumni. Segue para reviews (em inglês).
por
em Reviews

Oranssi Pazuzu - Mestarin kynsi
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2020
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?