25
TER
26
QUA
27
QUI
28
SEX
29
SAB
30
DOM
1
SEG
2
TER
3
QUA
4
QUI
5
SEX
6
SAB
7
DOM
8
SEG
9
TER
10
QUA
11
QUI
12
SEX
13
SAB
14
DOM
15
SEG
16
TER
17
QUA
18
QUI
19
SEX
20
SAB
21
DOM
22
SEG
23
TER
24
QUA
25
QUI

Sampha - Process

Review
Sampha Process | 2017
João "Mislow" Almeida 02 de Maio, 2017
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Mount Eerie - A Crow Looked at Me

Lowly - Heba
[img=http://www.wavmagazine.net/wp-content/uploads/2017/05/sampha_process_2017.jpg][titulo=Sampha ][album=Process | 2017][pontuacao= - ][musica=spotify:album:2gUSWVHCOerKhJHZRwhVtN]

 

Com apenas 28 anos, o britânico Sampha Sisay estreia-se no mercado com o seu primeiro álbum de originais, Process. Já a madrugar no catálogo de 2017, o ano promete muito trabalho e atenção mediática ao jovem londrino, para não falar na interminável lista de concertos que o próprio terá de marcar presença ao longo do ano, num deles até nós próprios havemos  de poder presenciar. Referimo-nos, claro, ao último dia do NOS Primavera Sound, que entrega até hoje um dos cartazes do ano de festivais em Portugal.

Quem não conhece Sampha, pode-se deixar cair pela ignorância do desconhecimento do artista. Pode ficar com a ideia de que este nome não terá potencial para nada mais do que um breve feixe de luz na actual geração de artistas no mercado, mas a verdade é que não podemos julgar um livro pela sua capa. Quem estiver interessado, descobrirá que em questão está um CV artístico admitidamente extraordinário em termos de contribuições e trabalhos, a colecionar até hoje co-produções ao lado de nomes como SBTRK, Drake, FKA Twigs, Kanye West, Solange e Frank Ocean, a não esquecer os dois EP’s lançados a cabo da Young Turks Records. Apesar de Sisay nunca ter tido uma oportunidade real de brilhar enquanto centro de atenções, acreditamos que o alcançou por fim, com o Process.

Algo que achamos digno e merecedor de um artista que preserva dentro de si uma paciência inigualável para dar tempo ao tempo e focar-se no que realmente interessa, a sua arte. Nos dias de hoje, vemos desvalorizados artistas que se deixam sucumbir pela arrogância desumana de representar algo que ainda não merece, e poder ver artistas cuja humildade e sinceridade perante a sua verdadeira estima, que é a música, entendemos que a modéstia será sempre algo muito mais valioso do que o gabarito. Nesse sentido, conseguimos colocar Sisay num pedestal ao lado de muito poucos. Mas poder ver Sampha crescer com cor e promessa num negócio standardizado para o acessível e pré-fabricado, é uma benção e uma amostra que a honestidade ainda é valorizada. Para além de esta ser uma merecida oportunidade para palcos maiores, recursos mais dignos e ambições mais altas, esta é sem dúvida a altura certa para um artista como o Sampha surgir num mercado saturado pela mediocridade mass-friendly e pelos muitos artistas a nível mundial que cresceram de tal forma injustificada que se distanciaram sem fundação individual e moral da independência musical, no sentido literal da palavra. Para além de saber produzir a sua própria música, Sisay consegue fazê-lo com estilo e distinção.

Process é um álbum forte no storytelling e tenta focar-se na apresentação do artista, descrevendo frequentemente as pequenas coisas que definem o inglês, a felicidade nos detalhes, o reencontro com a família e a nostalgia das melodias da infância. A expressão de Sampha é simplificada não só pela facilidade com que ele encaminha as batidas e a estética geral das músicas, mas também pela forma como consegue acumular camadas bem embaladas na cor e timbre da voz, com critério e ordem. Algo que inevitavelmente facilita bastante o ouvinte a entrar na visão do músico. A faixa de abertura, “Plastic 100ºC” é evidência clara disso. A música começa primeiramente com as cordas acústicas que fecham num loop contínuo intercaladas com a entrada do sample de fundo, simultaneamente fazendo deixa para o ritmo na voz de Sampha. As palavras são o instrumento da voz, e o ressoar do alongamento dos versos, em contenção com a descrição quase fotográfica, combina em perfeita sintonia com o acumular dos elementos no fundo da música. As vozes agudas contrastam com a batida e eventualmente encontram o desfasamento e ressurgimento das cores. Sampha admite o seu génio na sua natureza de transição, algo que é evidenciado em grande panorama na malha do álbum e segundo single oficial do projeto “Blood On Me”. Uma faixa que retrata a despida vulnerabilidade de Sampha em função de uma pronúncia e fluidez de discurso oriundo de dinâmica cinemática, a descrever um sonho onde o britânico narra uma perseguição de ansiedade entre o próprio e os receios que o acompanham desde jovem. Os medos, inseguranças, mentiras a incorporarem uma forma humana, em constante correria, e com a voz desesperada a chorar:

 

Grey hoodies, they cover their heads / I can't see their faces
I can't see, see, see, see, see / They knew me
Look, sweat on my head / My heart’s thumpin’, drummin’”

 

Um resultado que só fica a ganhar pela forma como Sampha domina o ritmo acelerado e toma proveito desse sujeito para descrever um refrão pulsante e domado pela sua humanidade. Para além das duas primeiras faixas, o álbum acolhe um número de momentos memoráveis onde Sisay consegue domar a sua versatilidade no timbre e estrutura das músicas, algo que está em constante demonstração na elaborada forma de transcender os versos em algo muito mais real e sincero. O gospel desalmado deixa-se fluir como um ornamento de nostalgia na “(No One Knows Me) Like The Piano” e a “Under” é um sonho lo-fi com uma suposta femme fatale ao ritmo de uma batida despida a inclinar-se muito para o dub/trip-hop que lembra bastante as melodias adormecidas de Massive Attack.

“Incomplete Kisses” é sem dúvida a faixa mais melódica e complexa em termos de organização, e ironicamente a que mais condições mostra para ser o próximo single do álbum e potencialmente, com algum investimento da editora, um dia pertencer às nossas frequências de rádio. O balanço é maioritariamente positivo. Tomando em conta o risco que havia, Sampha conseguiu agarrar a oportunidade e criar algo único e promissor, que à imagem do artista desenha traços de personalidade incrivelmente diversos, desenvolvidos e inteligentemente ligados. Resta esperar e aguardar pelo dia 10 de junho, no Parque do Porto, para o último dia do NOS Primavera Sound  para podermos ter o prazer de conhecer Sampha “cara-a-cara”.
por
em Reviews

Sampha - Process
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2019
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?