25
QUI
26
SEX
27
SAB
28
DOM
29
SEG
30
TER
1
QUA
2
QUI
3
SEX
4
SAB
5
DOM
6
SEG
7
TER
8
QUA
9
QUI
10
SEX
11
SAB
12
DOM
13
SEG
14
TER
15
QUA
16
QUI
17
SEX
18
SAB
19
DOM
20
SEG
21
TER
22
QUA
23
QUI
24
SEX
25
SAB

SASAMI - Sasami

Review
SASAMI Sasami | 2019 Indie Pop
Tomás Quental 21 de Março, 2019
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Elizabeth Colour Wheel - Nocebo

Toro y Moi - Outer Peace
SASAMI: o que raio é isto? É o disco epónimo de Sasami Ashworth, ilustre desconhecida que assim edita o seu primeiro LP a solo. Antes já havia integrado os Cherry Glazerr e trabalhado em arranjos com nomes sonantes como Wild Nothing ou Curtis Harding. Mal se deixe tocar este disco, há uma comparação inevitável: a primeira faixa “I Was a Window” começa como uma versão lounge da discografia de Mitski. SASAMI, Mitski, as semelhanças vão mais longe e não seria de estranhar. Nas redes sociais trocam galhardetes quando podem e, além de já terem feito digressão juntas, referem-se mutuamente como “grande inspiração”. Esta progressão de acordes, a colocação da voz, bem como a força da letra, trazem memórias recentes de “Two Slow Dancers” de Mitski.

E que forma de arrancar com um disco. Há um quê de perfeição sintética nos versos que começam tudo isto: “There is a shadow over something that used to be a light / I was a window into something you didn't like / So you blamed it on me”. A faixa feita em colaboração com Dustin Payseur (núcleo duro de Beach Fossils) apresenta-nos o tom de todo o disco: uma frieza apática e calma que cria tensão, mas não a resolve; ensopa de emoção e depois é deixada a secar. Cimenta com “Not The Time”. A faixa que melhor sobrevive fora do grupo vem a pingar de shoegaze e produção à la “7” dos Beach House. A estética aplica-se como uma luva à sensação triste que envolve a nudez e crueza da voz.

Falando em pontos fortes, outros acompanham esta segunda faixa. “Pacify My Heart”, divide o disco a meio e vai puxar ainda mais comparações com Mitski. É um dos momentos em que a instrumentação funciona em sinergia com a composição, voz e poesia para culminar em algo que seria uma resolução caso a faixa fechasse o álbum e não a primeira metade. Inicia com o verso “Sometimes I wish I never met you” e vai só ganhando força em crescendo de marés de distorção, bebendo barris inteiros do mood opressivo e estranhamente aconchegante de Slowdive. Esta sinergia apanha-se na segunda metade com “Jealousy” e “Callous”, duas peças de puro magnetismo obscuro. A primeira como bruxaria naive de um conto de fadas catchy, a segunda como uma explosão pop concebida no ventre de Cocteau Twins em conjunto com Ride.

Não seria justo então ignorar os momentos em que esta sinergia não existe. O fator mais forte do disco é a tensão que SASAMI consegue gerar entre os instrumentos e a própria estrutura da composição, mas isto nem sempre acontece da melhor forma. “At Hollywood” fracassa, mostrando guitarras demasiado nuas, que não ajudam a desenvolver o tema e pecam por isso mesmo. “Adult Contemporary” tem bons elementos que, mais uma vez, não funcionam tão bem em conjunto.

Depois há o caso dramático de “Free”, a faixa assinada em dueto com Devendra Banhart. Será talvez o ponto de contacto para muitos novos ouvintes e teria potencial para ser das faixas do ano. A composição é magnífica, a letra é a melhor de todo o álbum, com pontos subtis e potentes como “I don't know what you're thinking / We both know what you're drinking /And my smokes are running out” ou “We walked as far as we could go / We had to choose, so we took off our shoes”. Versos estes que fariam a poesia sobreviver só por si, num misto de sentimentos e emoções por resolver que estão magnificamente codificados na letra, mas não difundem tão bem no final. Não deixa de ser uma boa faixa, mas acaba sendo o maior desperdício de potencial de todo o disco.

O extremo oposto ocorre no brilhante ponto final, ou reticência, deste baile debutante. “Turned Out I Was Everyone” faz com pouco o que “Free” não consegue com muito. A repetição hipnotizante é irresistível. Somos transportados para uma pista de dança quase vazia com confetti a preto e branco. A estrutura tripartida da letra resolve-se em si mesma ciclicamente, tal como a melodia com que é entregue. “Thought I was the only one / (To be so alone in the night) / Turned out I was everyone” trazendo de volta a simplicidade que dá início ao disco. Mas à medida que avançamos, perde-se esta resolução. A melodia que dantes fazia um loop perfeito, agora causa ansiedade. O pensamento que concluía com um “afinal estamos todos no mesmo” agora está incompleto, virado para dentro e sem catarse possível. É uma ode a estar sozinho na noite. Tão simples como comovente. E assim SASAMI nos engana a todos. Quando pensávamos ter nadado pelas marés de distorção e psicadelismo suave para chegar a algum lado, voltámos à mesma solidão donde partimos.

Sobre o contraste entre o processo de composição e posterior gravação, o site Fader cita a artista. Desde escrever com uma guitarra e GarageBand até gravar num estúdio pomposo: “it's kind of like emotionally scribbling a letter on a tear and snot-stained napkin and then re-writing it on fancy papyrus paper to make it look like you have your shit together." E não há dualidade que melhor defina este disco.

Assim só resta otimismo e expectativa. Esperamos voos mais altos para a não mais desconhecida. Que venha mais SASAMI.
por
em Reviews

SASAMI - Sasami
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2019
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?