16
QUI
17
SEX
18
SAB
19
DOM
20
SEG
21
TER
22
QUA
23
QUI
24
SEX
25
SAB
26
DOM
27
SEG
28
TER
29
QUA
30
QUI
31
SEX
1
SAB
2
DOM
3
SEG
4
TER
5
QUA
6
QUI
7
SEX
8
SAB
9
DOM
10
SEG
11
TER
12
QUA
13
QUI
14
SEX
15
SAB
16
DOM

Sun Kil Moon - Benji

Review
Sun Kil Moon Benji | 2014
Luís Sobrado 25 de Abril, 2014
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Way Station - The Ships

Foi já no longínquo ano de 1996 que Mark Kozelek começou a sua nem sempre bem-sucedida carreira no projecto Sun Kil Moon. Mas 18 anos volvidos, não há dúvidas que este projecto meio-a-solo/meio-acompanhado que faz homenagem a um pugilista coreano (ou ao seu nome genial) atingiu não só a maioridade "oficial" como também a maioridade criativa. Benji não é p'ra meninos. Assim como o próprio Kozelek, que já não é o símbolo da slowcore que escureceu o mundo Indie dos anos 90, mas sim um homem de barba feita. E é para esses que ele escreve.


"Oh Carissa, when I first saw you, you were a lovely child / And the last time I saw you, you were fifteen and pregnant and running wild". Assim começa Benji: num tom confessional, auto-biográfico e quase penitente, Kozelek oferece-nos de tudo um pouco ao longo do disco. Versos deliciosos como "When I was a kid my dad brought home a guitar he got from Sears / I took lessons from a neighbor lady but it wasn't going anywhere / He went and got me a good teacher and in no time at all I was getting better / I can play just fine / I still practice a lot but not as much as Nels Cline" fazem-nos sorrir ao som da carta de amor ao pai (e a um membro dos Wilco) que é "I Love My Dad".

"Richard Ramirez Died Today Of Natural Causes" e "I Watched The Film The Song Remains The Same" são duas das melhores provas de que não é necessário muita complexidade para haver uma grande canção. Dando continuidade ao registo intimista do disco, tanto uma como outra se afirmam, por entre referências a Led Zeppelin e alternando ritmos infernais com suaves dedilhares, como duas das melhores peças escritas por Kozelek.


Realidades horrendas ilustradas com versos belos abundam em Benji. A perfeita simbiose letra-música é o grande ponto forte de um disco que tem em "Dogs", por exemplo, um dos seus melhores momentos. É nessa canção agressiva e suada que Kozelek fala dos seus amores, mas particularmente desamores, de uma forma incrivelmente tocante e ao mesmo tempo graciosa, que só nos faz render. Cheguei a sentir-me verdadeiramente desconfortável com algumas das estórias que ouvi, mas creio que isso ainda só me fez gostar mais de este álbum. E ouvi-lo mais que uma vez. E outra e outra vez.


Desde Songs For A Blue Guitar que o natural do grande estado do Ohio, que tantas outras figuras da melhor música que se fez nos últimos 30 anos nos ofereceu, não se mostrava tão em forma. E é ao sexto registo que nos deixa finalmente boquiabertos, afirmando-se como um dos grandes singer-songwriters dos nossos tempos. "Ben's My Friend" termina de forma sublime um disco de um Kozelek que se mostra nostálgico mas nem por isso ultrapassado. Clássico moderno? Veremos. E sinceramente, pouco que me importa que seja ou não reconhecido como deve. O humor estupidamente cáustico sempre presente, mesmo nas mais terríveis situações, é coisa que desarma qualquer um. Vivamos todos como Mark Kozelek.

por
em Reviews

Sun Kil Moon - Benji
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2020
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?