26
SEG
28
QUA
29
QUI
Galgo apresenta Parte Chão
30
SEX
31
SAB
The Twist Connection
1
DOM
2
SEG
3
TER
4
QUA
5
QUI
6
SEX
Revolution Within + Infraktor
7
SAB
Selma Uamusse
8
DOM
9
SEG
10
TER
11
QUA
12
QUI
13
SEX
Abaixo Cu Sistema - The SYSTEM OF A DOWN Tribute
14
SAB
The Twist Connection
The LAST Internationale
15 Years Of Yellow Stripe
15
DOM
16
SEG
17
TER
18
QUA
19
QUI
20
SEX
21
SAB
22
DOM
23
SEG
24
TER
25
QUA
26
QUI

Svalbard - When I Die, Will I Get Better?

Review
Svalbard When I Die, Will I Get Better? | 2020
Jorge Alves 07 de Outubro, 2020
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Anaal Nathrakh - Endarkenment

IDLES - Ultra Mono
É de dor, do mais agonizante e negro sentimento de melancolia, que nasceu o novo disco dos britânicos Svalbard, experiência sonora tão sufocante quanto catártica onde os mundos da música pesada e do experimentalismo arrojado andam de mãos dadas até formarem um só. Um cruzamento de sons e de sensações, espécie de confronto entre a fúria do post-hardcore com a frieza do black metal e a transcendência do post-rock, que já tinha sido explorado nos trabalhos anteriores e que aqui foi aperfeiçoado e deu origem a um dos mais apaixonantes e devastadores álbuns de 2020.

A composição de When I Die, Will I Get Better? (só o título é de uma frontalidade arrepiante, paira no ar como uma nuvem negra) foi tudo menos fácil e fluida: produto da depressão, no ano passado, da vocalista Serena Cherry, que a conduziu a uma desesperada inércia e que chegou a pôr em risco a conceção do disco, canaliza toda essa energia negativa na criação terapêutica de oito temas verdadeiramente tocantes, poderosos, que comovem a cada escuta; os berros e a intensidade com que são proferidos, a força das palavras que atingem a alma como uma saraivada de balas, tudo isso se encontra imbuído de uma arrepiante honestidade crua que se revela extraordinariamente irresistível. Não há momentos mortos, não existem oportunidades para o ouvinte se distrair e colocar este álbum como música de fundo, pois a paixão avassaladora que nele reside, impossível de ser contida, faz com que se sinta na pele cada segundo deste banho de emoções indomáveis.

A primeira música, intitulada “Open Wound”, conta com vozes angelicais e uma atmosfera etérea, mas não deixa de cultivar um palpável sentimento de “perigo”, como se cobrisse a chegada de uma tempestade iminente. É precisamente isso que acontece logo a seguir, com o tema a evoluir subitamente para uma violenta e frenética descarga de post-hardcore que recorda ocasionalmente a aura emotiva de uns Touché Amoré de tempos recentes, de quando a mais inconsolável perda era declarada através do som. Em “Click Bait”, furioso manifesto de Serena contra a exploração do feminismo por parte de sites em busca de cliques, a melodia volta a desaguar na mais pura e incontrolável agressividade, com vozes frágeis e melodias de guitarra tímidas e distantes, quase como uma brisa que refresca o rosto e rapidamente o abandona, a darem lugar a uma explosão de sons incrivelmente visceral, a uma partilha de energia que tem tanto de assustador como de belo. A melodia, na verdade, nunca chega a desaparecer – basta escutar as guitarras praticamente post-rock que fornecem um toque doce e poético a este impetuoso ataque –, mas a parede de som é de tal forma imponente que o tema acaba por constituir um dos mais pesados e desafiantes do disco, sendo que nem o breve regresso a paisagens mais melódicas, no final (que nada mais representa do que um curto desvio dos habituais caminhos da raiva), é suficiente para acalmar o coração; não quando antes ouvimos Serena berrar “FUCK OFF” como se não houvesse amanhã, num esplêndido middle finger à sociedade, que não se vê mas que se imagina com todo o pormenor – basta fechar os olhos e visualizá-la ali no estúdio, a gritar para o microfone como se a vida dela dependesse disso… E a julgar pela urgência com que comunica, talvez dependa mesmo.

“Throw Your Heart Away” continua a castigar cruelmente os ouvidos, com uma introdução repentina e implacável a fazer lembrar o melhor dos Converge, e mais uma vez a melodia floresce no tom nervoso mas contemplativo das guitarras e em passagens vocais suaves mas estranhamente inquietantes. Por esta altura, torna-se evidente que um dos segredos para o encanto desta obra, para além da simples qualidade das composições que deixaria muitos veteranos ruídos de inveja, é o modo como a dor não é somente exteriorizada através do peso ensurdecedor, mas também através da melodia angustiante e de um conteúdo lírico profundamente delicado. Pensa-se num disco como o maravilhoso Stage Four, dos já mencionados Touché Amoré, e no modo como as letras sobre a mãe do vocalista Jeremy Bolm, vítima de cancro, revestiam o álbum de uma garra que ia para lá da música para se instalar no campo das emoções, e é exatamente essa vulnerabilidade que sobressai no novo trabalho dos Svalbard. Nesse sentido, When I Die, Will I Get Better? não é apenas um discvo que parte da dor para a superar, é uma análise das várias formas como esta pode ser transmitida, e que soa pesado e brutal a todos os níveis mesmo com uma identidade orgulhosamente eclética (que até shoegaze inclui, ouça-se “What Was She Wearing?” e, sobretudo, “Pearlescent”).

No fundo, muito pode ser dito sobre este registo: que é mais um passo, bem significativo, por sinal, na evolução do quarteto de Bristol, confirmando-o como um dos mais excitantes, dinâmicos e aventureiros dentro da música pesada experimental; que muito tem para dizer, e que o faz de forma cuidada e inegavelmente relevante (volta-se a “What Was She Wearing?”, inspirada pelo caso de Tracy Brabin, que fala sobre o modo como muitas mulheres são julgadas pelas roupas que vestem e menos pelas competências ou pela validade das suas afirmações – é a misoginia a ser denunciada sem papas na língua). Acima de tudo, que funciona como a banda sonora perfeita para aqueles dias, ou até fases, em que a esperança começa a desvanecer, em que tudo parece ser inútil e onde o desejo é encontrar algo que corresponda a esse estado de espírito. É a dor como refúgio e plataforma para sobre ela triunfar… E é um dos melhores discos do ano, de qualquer género.

por
em Reviews
Bandas Svalbard

Svalbard - When I Die, Will I Get Better?
Queres receber novidades?
Comentários
Contactos
WAV | 2020
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?