1
QUI
2
SEX
3
SAB
4
DOM
5
SEG
6
TER
7
QUA
8
QUI
9
SEX
10
SAB
11
DOM
12
SEG
13
TER
14
QUA
15
QUI
16
SEX
17
SAB
18
DOM
19
SEG
20
TER
21
QUA
22
QUI
23
SEX
24
SAB
25
DOM
26
SEG
27
TER
28
QUA
29
QUI
30
SEX
31
SAB
1
DOM

Tame Impala - Currents

Review
Tame Impala Currents | 2015
Rafael Trindade 20 de Julho, 2015
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Blown Out - Jet Black Hallucinations

METZ - II

Soubemos à partida que Currents iria ser um disco do seu próprio desígnio, no sentido em que iria ser diferente de Innerspeaker e Lonerism. Testemunhámos um Kevin Parker a experimentar com elementos eletrónicos e com texturas ainda mais coloridas e influenciadas por vertentes pop e paletes de sonoridades psicadélicas. Alguns ficaram convencidos e imediatamente compraram a ideia, ansiando desesperadamente a liberação do disco, mas a maioria deu um prognóstico bastante mais negativo.

Currents chegou e confirma que Kevin Parker é um homem de aproveitar aquilo que tem. Dêem-lhe um orçamento de “major label” e ele apresenta-vos um som de “major label”. Por muito comprimida e achatada que soe a instrumentação no novo disco dos Tame Impala, tudo parece estar sempre no sítio certo. Exceto que, claro, não está, sendo isto transparente a partir do momento em que Parker pega numa secção de "Let It Happen” e a transforma num insuportável loop, pronto a assentar que nem uma luva numa rave mundana de música EDM.

É verdade que em Currents Kevin Parker comete atrocidades e não escapa a desastres eventualmente inerentes à experimentação. “Let It Happen” já foi mencionada como uma abertura ridícula, com o seu banquete sonoro de pretensiosismo que na realidade apenas se revela como um conjunto de calorias vazias. “New Person, Same Old Mistakes” é tudo aquilo que uma faixa de encerramento não deve ser: anti-climática, sem qualquer nuance alusiva ao suspense e sem qualquer migalha do impacto que deve necessariamente estar adjacente a um encerramento. “Cause I’m a Man” é a definição de uma moderna e lamentável imitação de um Michael Jackson em ácidos. Ah, e a narrativa “slow-motion” em “Past Life” suscita das maiores gargalhadas que um disco até agora me proporcionou neste ano – não devido a conteúdo humorístico, mas devido a toda a sua indulgência e ridiculez.

Contudo, Currents tem os seus momentos de brilho. O psych-funk em “The Less I Know The Better” é contagiante, “Eventually” é uma construção detalhadamente concebida de camadas reluzentes e coloridas que parecem não ter fim, “Love/Paranoia” é uma canção quase tão inocente e adorável como é meticulosamente produzida e perfeitamente conseguida. Já “Disciples”, por muito curta que possa ser (é, afinal de contas, um dos três interlúdios que Currents nos presenteia de bom grado), é uma canção irresistivelmente bombástica que me cativou assim que viu a luz do dia.

Currents é um disco decente. Flui homogeneamente, a sua produção é impecável (a melhor que Kevin Parker alguma vez concedeu a um disco com a sua cunha), tem substância em quantidades razoáveis e dá-nos a assistir ao processo de uma banda a arriscar, a experimentar com novos elementos musicais e a não tentar, de forma recorrente, fazer o mesmo disco duas vezes. Devemos tirar o chapéu ao esforço contido no novo disco dos Tame Impala. Contudo, este disco não deixa de ser o som de crianças a experimentarem novos brinquedos e a estragarem alguns no processo: é adorável vê-los brincar, mas porra, que os brinquedos custaram dinheiro e o ordenado não chega para tudo. Currents não consegue evitá-lo: aparece como um milhão de euros e faz-se sentir como uma nota de cinco.
por
em Reviews

Tame Impala - Currents
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2020
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?