25
QUI
26
SEX
27
SAB
28
DOM
29
SEG
30
TER
1
QUA
2
QUI
3
SEX
4
SAB
5
DOM
6
SEG
7
TER
8
QUA
9
QUI
10
SEX
11
SAB
12
DOM
13
SEG
14
TER
15
QUA
16
QUI
17
SEX
18
SAB
19
DOM
20
SEG
21
TER
22
QUA
23
QUI
24
SEX
25
SAB

The Drums - Brutalism

Review
The Drums Brutalism | 2019
Tomás Quental 12 de Abril, 2019
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Anderson .Paak - Ventura

Waste of Space Orchestra - Syntheosis
Flertamos à saída da praia. Vacilou, quase me perdeu, mas desde então não me sai da cabeça.

É assim que The Drums, a banda que se afirmou no momento alto do indie com um som energético e melodioso, escreve mais uma página da sua história. Quem está à espera de pegar em Brutalism e ouvir um Portamento 2.0, que tire já da cabeça a percussão estéril e o espírito dream surf que marcam o trabalho de 2011. Mas o cunho adolescente e solarengo mantém-se, renova-se, ganha espaço no meio de samples e sintetizadores sem nunca perder a imagem de marca do conjunto americano: aquele apelo pop irresistível.

Bem, é importante perceber porquê. Digamos que “o conjunto” não é bem o mesmo que começou este projeto em 2009. Dez anos depois, permanece apenas um dos quatro membros originais - o vocalista Jonny Pierce – e assim tem sido desde 2017 quando soubemos que Abysmal Thoughts, álbum antecedente deste Brutalism, seria lançado sem participação de Jacob Graham. Ditou-se o fim de uma colaboração sempre acidentada entre dois amigos de infância, dando início ao monopólio criativo de Pierce com algum estrondo. É que essa obra de 2017 arrisca muito em quase 50 minutos de música e uma amplitude estilística igualmente extensa. Tem momentos que vão desde o típico Drumsismo, com a batida pujante e melodia infeciosa, até ao synth pop com saxofone. Este novo esforço de Pierce tem de ser entendido como a sequência natural de Abysmal Thoughts. Aqui, ele reduz para nove faixas e 34 minutos, oferecendo um exercício interessante de como não perder a assinatura sonora no meio de laivos experimentais.

O problema inegável deste álbum é ser uma aposta demasiado segura para um disco tão curto. Traz uma questão clara: será possível puxar para esta década um som que marcou o indie há dez anos? Esta é uma tentativa de dar frescura sem recorrer à eutanásia, mas em menos de 35 minutos teria de ser mais arriscada e concisa para convencer totalmente. Brutalism hesita em momentos cruciais, especialmente na segunda metade. A sexta faixa, “I Wanna Go Back”, mostra quem costuma oferecer surf com bandeira vermelha a acalmar-se e ir nadar à cão num laguinho. Segue-se “Kiss it Away”, que alterna entre momentos fantásticos de composição e outros verdadeiramente secantes. Algo próprio de um disco que não sabe se quer ser excelente ou não: acaba deixando fugir as ideias.

No canto oposto temos as três teaser tracks: “Body Chemistry”, “626 Bedford Avenue” e “Loner”. Escolhidas a dedo, são uma tríade de bons exemplos daquilo que pode ser o seguimento da estética da banda. Letras descaradas e melodias metediças – por vezes ridiculamente dançáveis – assentam perfeitas na almofada dos instrumentos e vozes. Este pop atrevido e potente com refrões que dizem “tenta tirar-me da cabeça”. Não respondam, não vale a pena. Repitam só: “I know some good luck and a good fuck / A nice glass of wine and some quality time / Is gonna make you mine / (But it's not what I'm trying to find) / I know some good luck and a good fuck…” ad aeternum. Ou oiçam a voz na vossa cabeça dizer “It’s just a little blip of joy”, tirada da última canção, “Blip of Joy”, seguido da melodia de coro. Não é um closer brilhante, mas não pode ser totalmente ignorada.

É explorando sem sair da palete sónica “The Drums marca registada” que este disco sobressai. Quando tenta esticar-se além do sol e adolescência costuma ser pouco cativante e repetitivo, como na faixa que adota o título do álbum. No entanto, há um caso outlier na penúltima música. Em “Nervous”, Jonny consegue o que não fez antes: inovar fora do molde confortável. Vemo-lo em encargos de balada, num momento praticamente acústico – acontecimento raríssimo na discografia. A voz de Pierce faz parecer fácil e o acompanhamento põe um selo grande e dourado na testa desta canção. Fica a vontade de vê-lo assim, fora da praia, mais vezes, a abanar devagarinho com o vento montanhoso. No ar paira a ideia de que ainda há muito a espremer deste projeto. Portanto, em apelo direto: vá lá, Jonathan Pierce, atira-te de paraquedas no próximo.
por
em Reviews

The Drums - Brutalism
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2019
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?