5
QUA
6
QUI
7
SEX
8
SAB
9
DOM
10
SEG
11
TER
12
QUA
13
QUI
14
SEX
15
SAB
16
DOM
17
SEG
18
TER
19
QUA
20
QUI
21
SEX
22
SAB
23
DOM
24
SEG
25
TER
26
QUA
27
QUI
28
SEX
29
SAB
30
DOM
31
SEG
1
TER
2
QUA
3
QUI
4
SEX
5
SAB

The Wytches - Annabel Dream Reader

Review
The Wytches Annabel Dream Reader | 2014
Luis Masquete 20 de Outubro, 2014
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

FKA twigs - LP 1

My Brother the Wind – Once There Was a Time When Time and Space Were One
Foi em meados do séc. XIX que Seattle se transformou no principal centro da indústria madeireira americana, marcando a implosão social que se viria a fazer sentir na cidade portuária que pacatamente soprava ao ouvido esquerdo do Uncle Sam. Como em qualquer boom industrial, deu-se o  aparecimento do proletariado em massa e consequente consciência crítica, numa cidade onde a desigualdade e os confrontos étnicos deram mote a uma série de reivindicações populares e palavras de ordem revestidas de flanela. Ora, não sendo a pasmaceira conservadora do Mississippi, Seattle em nada era vanguarda (excepto na vestimenta operária que se tornaria moda anos depois) e a segunda vaga do punk atracou na costa oeste com uns anos de atraso… e a alfândega local tratou de o lesar ainda mais. Nos anos seguintes, deu-se o foco mediático que se sabe, e goste-se ou não, este capítulo está mais do que narrado.

Curiosamente, Matgaz (Mars Red Sky) em conversa connosco, falou sobre a sua ânsia de ver os 90’s renascer e, apesar de achar suspeito a referida banda debruçar-se sobre “modas”, parece-me que os tempos que se aproximam serão do seu agrado.

The Wytches surgem em 2011 por três tipos de Peterborough (Eng) que, de certo, cresceram a trautear as malhas de Bleach e Incesticide de Kobain e Ca., sem desprezar a senda do garage dos anos 00. Ouça-se Digsaw e tente-se não imaginar Love Buzz dos Nirvana pela voz de Alex Turner, com a analogia presente em quase todo o álbum. Annabel Dream Reader marcou a estreia a titular deste trio britânico no que toca ao championat dos longa-durações, com um registo de 13 faixas cujas apresentações têm sido dignas de destaque a negrito. Apesar da óbvia inclinação para o acorde distorcido, o disco apresenta uma mescla de psych com alguns tiques a fugir p’ro stoner-rock, não suficientes porém para mudar de rumo a um trecho de sentido único. São daqueles discos que valem pela solidez e energia, sem grandes ilações a reter no próprio ato de ouvir: com composições consistentes e de uma precisão vocal que ressuscita parte dos grunhidos e da angústia teen dos anos 90. Peca apenas por resultar em demasia, não abrindo espaço a outros recreios.

Talvez comece aqui o hype que herde a coroa do kraut no califado alternativo, com o trio britânico a marcar espaço, mas ainda sem nada farpear. Quando tal acontecer, devemos “acalmar a passarinha” e colocar os termos descritivos de parte: é apenas rock fodido!
por
em Reviews

The Wytches - Annabel Dream Reader
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2020
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?