25
SEG
26
TER
27
QUA
28
QUI
29
SEX
30
SAB
31
DOM
1
SEG
2
TER
3
QUA
4
QUI
5
SEX
6
SAB
7
DOM
8
SEG
9
TER
10
QUA
11
QUI
12
SEX
13
SAB
14
DOM
15
SEG
16
TER
17
QUA
18
QUI
19
SEX
20
SAB
21
DOM
22
SEG
23
TER
24
QUA
25
QUI

Thee Oh Sees - A Weird Exits

Review
Thee Oh Sees A Weird Exits | 2016
Marco Montenegro 09 de Dezembro, 2016
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Live Low – Toada

clipping. - Splendor & Misery


 

Há que dar crédito aos Thee Oh Sees. Não é seguramente fácil, para quem lança o seu décimo terceiro registo de estúdio, e o faz ininterruptamente desde 2006, manter elevados níveis de criatividade. É frequente, para quem se lança em tanta empreitada, perder-se em repetições de fórmulas já testadas até ao limite, ou simplesmente, cair num vazio qualitativo, despido de pujança ou vigor. Mas não é o caso deste novo rebento da banda liderada por John Dwyer. A Weird Exits ataca com precisão e nada tem de incolor ou inodoro.

(E enquanto ainda se organizam textos, este incluído, em redor de A Weird Exits, já Thee Oh Sees forjaram An Odd Entrances, segundo álbum para 2016.)

Este é um capítulo de Thee Oh Sees em que a máquina de etiquetar teima em encravar, apesar da persistência em tentar usá-la, ao contrário de outros registos como Floating Coffin de 2013 ou Mutilator Defeated at Last de 2015, montados e cavalgados por trips pulsantes de psicadelismo e noise rock mais descarado, em que se torna mais fácil carimbar e embalar. Baptizá-lo, é assim uma tarefa complicada, com necessidade imperiosa de misturar várias águas benzidas. Como seria de esperar, está presente o rock psicadélico, mas está também o krautrock, o garage e o punk de inspiração proto-stoogiana. Mirra o noise, em quantidade considerável.

Instinto ou premeditação da banda? A pergunta é pertinente. Mas é possível supor que possa ter alguma coisa a ver com o novo line-up dos californianos, com a entrada de Dan Ricon e Ryan Moutinho, ambos para a baterista, e a transformação, assim, de trio para quarteto.

Cirurgicamente, é possível dividir, o disco em duas partes distintas, ainda que isso não seja tão óbvio na line-up da recente gravação da banda de São Francisco. Por um lado, malhas como “Dead Men’s Gun”, “Ticklish Warrior” ou “Gelatinous Cube”, comprimem-se em formato de canção mais tradicional, desenrolando-se em escassos 3 minutos. E, para quem acompanha o agora quarteto (desde 2015), sabe o quanto isso é, ao mesmo tempo, estranho e novo. Por outro, registos como “Jammed Entrance”, “Crawl Out From The Fall Out”, ambas instrumentais, ou “The Axis”, esta cantada, desenham prolongadas viagens hipnóticas e misteriosas, mais em concordância com o legado da banda. A diferença está mesmo na redução nos níveis de noise, e na introdução de borrifadelas krautrock que lhe imprimem a ambiência.

A introdução pode ser muito bem a conclusão. A Weird Exits não é a simples soma das suas partes. Cada música organiza um todo que torna o disco num dos casos sérios de 2016. E se falarmos, especificamente, no universo do rock psicadélico/garage rock, então, ainda mais interessante.

[Este autor escreve segundo o Antigo Acordo Ortográfico
por
em Reviews

Thee Oh Sees - A Weird Exits
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2019
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?