11
TER
12
QUA
13
QUI
14
SEX
15
SAB
16
DOM
17
SEG
18
TER
19
QUA
20
QUI
21
SEX
22
SAB
23
DOM
24
SEG
25
TER
26
QUA
27
QUI
28
SEX
29
SAB
30
DOM
31
SEG
1
TER
2
QUA
3
QUI
4
SEX
5
SAB
6
DOM
7
SEG
8
TER
9
QUA
10
QUI
11
SEX

Toundra - IV

Review
Toundra IV | 2015
Vasco Lindeza 04 de Março, 2015
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

José González – Vestiges & Claws

Six Organs of Admittance - Hexadic


 
Os nuestros hermanos Toundra entram em 2015 com IV, o seu 4º registo de originais. A banda de Madrid é conhecida pelo seu post-rock sem voz, no entanto, não é por aí que deixam de contar uma história neste novo álbum. Assim que começa “Strelka”, somos brindados com sons da natureza oriundos de pássaros, cães e uns calmos acordes que remontam para o início de uma jornada épica e, talvez, pacífica. Essa dita “viagem” não é feita só por nós, mas também pelas duas raposas Kitsune, o famoso mito Japonês que foi uma importante referência para o conceito não só da faixa com esse nome (escrita entre Madrid e as montanhas de Bejar) mas de todo o álbum, como pode ser visto pelo artwork do mesmo.

Assim que a aventura avança, “Qarqom” confirma as nossas suspeitas em relação ao storytelling que o álbum incita, demonstrando mesmo que vai haver momentos mais tensos nesta história e que deixam o ouvinte tirar as suas próprias conclusões sobre o mito das duas raposas que precisam de escapar de um fogo florestal, enquanto ajudam os aldeões mais próximos. Para os Toundra, isso pode ser visto como uma metáfora sobre a humanidade a destruir o seu próprio meio-ambiente.

Se suspeitávamos que a história pudesse ser repetitiva, “Lluvia” remonta-nos a um ambiente mais negro á la Cult of Luna e em jeito de Introdução a “Belenos” e “Viesca”, as faixas mais melancólicas do álbum, sendo que “Viesca” até nos brinda com a participação memorável de uma orquestra de cordas e sopros. A jornada avança, e as incendiárias “Kitsune” e “MRWING” mostram-nos uma espécie de desfecho final que geralmente se espera neste tipo de histórias. No entanto, os Toundra guardaram o trunfo “Oro Rojo” para um final esplêndido, com um final a relembrar a faixa “Requiem” do anterior álbum III.

Os madrilenos podem não estar a inventar a roda das histórias do post-rock, no entanto, o que fazem, fazem (muito) bem. Um grande álbum e uma grande aventura para se ter em conta este ano.
por
em Reviews

Toundra - IV
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2020
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?