16
TER
17
QUA
18
QUI
19
SEX
20
SAB
21
DOM
22
SEG
23
TER
24
QUA
25
QUI
26
SEX
27
SAB
28
DOM
29
SEG
30
TER
31
QUA
1
QUI
2
SEX
3
SAB
4
DOM
5
SEG
6
TER
7
QUA
8
QUI
9
SEX
10
SAB
11
DOM
12
SEG
13
TER
14
QUA
15
QUI
16
SEX

Waxahatchee - Ivy Tripp

Review
Waxahatchee Ivy Tripp | 2015
Inês Pinto da Costa 09 de Julho, 2015
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

NEVOA - The Absence of Void

Blanck Mass - Dumb Flesh

Depois de Cerulean Salt, lançado em 2013, a americana Katie Crutchfield volta em forma de Waxahatchee para apresentar o seu terceiro álbum: Ivy Tripp.

Ivy Tripp reflete e resume bem o estilo de Waxahatchee: um indie rock simples que, embora não enchendo as medidas, é até bastante agradável para quem o ouve. Este longa-duração oferece 13 músicas coerentes num todo e revela aquele que é, para mim, o ponto mais forte de Crutchfield: a capacidade de escrever boas letras que acabam por acompanhar as melodias de forma consistente.

“Breathless’’ é um bom começo: confiante e seguro. “Under a Rock” e “Poison” funcionam quase como uma só e demonstram o lado mais rock de Waxahatchee: a guitarra e a bateria em peso e a voz em lugar de destaque. “Stale by Noon” demonstra algum potencial e “The Dirt” é uma faceta mais folk mas bem concretizada. “Summer of Love” consiste numa soma simples: a voz doce de Waxahatchee + os acordes da guitarra = (…) The summer of love is a photo of us. Segue-se “Half Moon” ao piano e, por fim, “Bonfire”, onde a distorção inicial rebenta numa linha de baixo preponderante e constante que resulta, na minha opinião, no ponto mais alto do álbum e consequentemente numa boa despedida do mesmo.

Apesar de este não ser um álbum especialmente marcante, há alguns pontos fortes e relevantes que merecem ser falados, uma vez que compensam aquilo que acaba por passar despercebido. Crutchfield tem dado provas de ser uma artista consciente que tem vindo a crescer ao longo dos anos e isso reflete-se na construção de algumas das suas músicas mais recentes. Este não é um álbum excecional (“La Loose” e “Grey Hair” comprovam-no) mas é uma boa banda sonora para um dia calmo e simples.

A explicação de Kate Crutchfield para o título do álbum consiste num termo inventado pela própria para descrever uma falta de direção e sentido. Esta falta não é, de todo, sentida e a direção de Waxahatchee aponta para Paredes de Coura, a 21 de agosto.
por
em Reviews

Waxahatchee - Ivy Tripp
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2018
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?