8
SAB
9
DOM
10
SEG
11
TER
12
QUA
13
QUI
14
SEX
15
SAB
16
DOM
17
SEG
18
TER
19
QUA
20
QUI
21
SEX
22
SAB
23
DOM
24
SEG
25
TER
26
QUA
27
QUI
28
SEX
29
SAB
30
DOM
31
SEG
1
TER
2
QUA
3
QUI
4
SEX
5
SAB
6
DOM
7
SEG
8
TER

Wilco – Schmilco

Review
Wilco Schmilco | 2016
Marcelo Silva 15 de Dezembro, 2016
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Frank Ocean – Blonde

Ash Borer – The Irrepassable Gate


 

Schmilco poderia muito bem ser a banda sonora de uma viagem que nos leva ao passado e à infância. O álbum está repleto de passado.

A banda que lançou este ano Schmilco, o décimo álbum de estúdio, teve a sua origem no ano de 1994 na cidade estado-unidense de Chicago. Os membros restantes da constituição original da banda são Jeff Tweedy e Jonh Stirratt. Sendo que Tweedy é o compositor, guitarrista e líder dos Wilco.

Depois de quatro anos sem disco algum aparecer nas prateleiras de novidades de lojas que se dedicam à venda de discos, o público foi presenteado com Star Wars. Um ano mais tarde é lançado Schmilco. Estes dois últimos álbuns foram gravados ao mesmo tempo e representam as duas fases de uma mesma moeda, a mente de Jeff Tweedy. Se no disco anterior as letras tinham só a função de não interromper as envolventes melodias que se desenhavam com minúcia através de muitas camadas. Já no disco mais recente as letras e melodias trocam de papéis. Sendo as letras pessoais e quase confessionais, e as melodias estão apenas para enquadrar sem desviar a atenção do principal.

Em cada música é explorado algum acontecimento, ou algum sentimento que se refere ao seu passado, a momentos pertencentes à infância, adolescência e até o começo da vida adulta. Não é, no entanto, um regresso pacífico e sem ondas ao passado. Há bastante arrependimento e coisas que ficaram por resolver. A ideia que passa, no entanto é que este álbum tem como função exorcizar esse passado com relances de felicidade, mas que na sua maioria é triste. Serve mais para fechar essa gaveta do passado do que para a abrir e voltar a remexer nas memórias. É a tentativa de Jeff Tweedy de arrumar parte da casa.

O passado a que Tweedy nos leva com este álbum, não é um passado feliz nem pacífico. É, no fundo, a um passado de mais uma pessoa, em que ficaram relações por fechar, arestas por limar, coisas por dizer e alguma culpa por isso, como expressa em “Somebody’s gonna get you / and if I hold you to tight, someone else won’t get to” na música “Someone to Lose”. Também é um passado de ternura sumária, o que se percebe em “Quarters”. Sentimentos contrários estão escritos nas letras e são realçados com a diferença de tom entre a maior parte das melodias e a maior parte das letras.

A aparente serenidade das melodias que embrulham estas letras é incongruente com o que as próprias letras transmitem. Sendo um álbum que ouvido levianamente é muito agradável e uma excelente companhia para uma viagem de comboio ou para ser a música de fundo de um bar, é, no entanto, incomodativo se ouvido com atenção, podendo causar insónias e um desconforto entre o ouvinte e o passado do ouvinte. O que é um sinal de que a obra é, possivelmente, assinalável.

Um sofrimento verdadeiramente pungente é descrito em “If I Ever Was a Child”, não só na letra, mas também na forma como é cantada. Mais uma vez a melodia dá um ar leve à música, mas o sofrimento está descrito nos versos “Can my heart change over night / So I won’t ever want to touch your heart too much / or hold you too tight”.

A auto depreciação é presença constante ao longo do álbum, talvez porque a culpa de falhar seja o estado de espírito que sente ao regressar à fase da sua vida a que dizem respeito a estas letras. Em “Happyness”, Jeff Tweedy diz “So sad it’s nothing, happiness depends on who you blame”, tal como acabaria o disco com “Why am I in my skin again?”, escrito em “Just Say Goodbye”.

É particularmente fascinante a capacidade que o álbum tem de incomodar apesar de aparentemente ser pacífico. Mas a verdade é que nos leva para uma viagem muito parecida com a que Jeff Tweedy teve quando escreveu as músicas para Schmilco. Leva-nos de volta para a infância, e para a adolescência, para amores mal resolvidos e para a primeira emancipação, leva-nos para a insegurança dos primeiros anos de vida adulta. Esta tendência de álbum intimista e cujo o ênfase seja as letras é sem dúvida uma boa opção.

Concluindo, a viagem a que este álbum poderia muito bem fornecer a banda sonora promete ser atribulada e cheia de dúvidas. E acaba com a única coisa possível de fazer ao passado, “we tried so hard / Just say goodbye”.
por
em Reviews

Wilco – Schmilco
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2020
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?