11
QUA
12
QUI
13
SEX
14
SAB
15
DOM
16
SEG
17
TER
18
QUA
19
QUI
20
SEX
21
SAB
22
DOM
23
SEG
24
TER
25
QUA
26
QUI
27
SEX
28
SAB
29
DOM
30
SEG
31
TER
1
TER
2
QUA
3
QUI
4
SEX
5
SAB
6
DOM
7
SEG
8
TER
9
QUA
10
QUI
11
SEX

The Zanibar Aliens - Zanibar Aliens I

Review
Zanibar Aliens Zanibar Aliens I | 2014
Rafael Trindade 02 de Julho, 2014
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

I Am No Hero - Underwater Cities

Parquet Courts - Sunbathing Animal
O panorama da música hard rock tem visto numerosos actos durante os últimos anos. 75% das vezes em que um grupo de jovens forma uma banda, esta acaba sempre por ser direccionada para o género do hard rock. Bandas de covers? Hard rock. Garagem? Hard rock. Bares? Hard rock. Casamentos?... Nem por isso, mas ainda assim são tocados alguns temas de hard rock em versões foleiras. No panorama do rock Português dos dias de hoje, é muito mais fácil uma banda de hard rock com atitude “badass” fazer sucesso do que uma banda, diga-se, por exemplo, de rock psicadélico, ou de indie rock.

Os Zanibar Aliens não são a típica banda de rock Portuguesa. Claro que não são os You Can’t Win, Charlie Brown do hard rock, mas certamente não são uma banda qualquer. Influenciados pela música de nomes como The Doors, Led Zeppelin, Queens Of The Stone Age e Tame Impala, o disco de estreia do quarteto de Lisboa, “Zanibar Aliens I” (Familiar?) apresenta riffs infeciosos, grooves dançáveis, letras clichê e refrões que ficarão definitivamente presos no ouvido de qualquer indivíduo. Exatamente o que qualquer banda de hard rock tem, a diferença é que os Zanibar Aliens aplicam a forma ao trabalho deles com uma consistência enorme e com uma abordagem sólida.

Temas como “Baby I Can’t Let You Go” e “Death Is A Celebration” apresentam o som vulgar mas consistente da banda, da melhor maneira, pois claro. “Nightime Boogie” é o tema perfeito para ser tocado às três da manhã e fazer uma multidão dançar energeticamente até cair. A influência “Zeppeliniana” é óbvia neste tema, bem como em “I Don’t Think You Know Me” (Zeppelin “à 1969”) e em “Mother Nature’s Son” (Zeppelin “à 1973”).

O lado mais experimental e sinfónico da sonoridade dos Zanibar Aliens é evidenciado nos 7 minutos e 40 segundos do segundo tema e faixa estrela do disco, “Welcome To Zanibar”. Mudanças de compasso, vocais a culminarem em notas elevadas, e um piano sempre presente a dar o toque melódico final à faixa. Um tema de categoria.

No geral, os Zanibar Aliens têm influências acessíveis mas canalizam-nas de uma maneira consistente, e é isso que falta à maioria das anteriormente mencionadas bandas de hard rock Portuguesas. Conseguem canalizar influências e ainda assim manterem-se originais e acessíveis ao público. Esperemos agora pelo próximo disco do quarteto Lisboeta (talvez, umm, “Zanibar Aliens II”?). Por agora, sabemos que os Zanibar Aliens são uma banda promissora.
por
em Reviews

The Zanibar Aliens - Zanibar Aliens I
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2019
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?