4
DOM
5
SEG
6
TER
7
QUA
8
QUI
9
SEX
10
SAB
11
DOM
12
SEG
13
TER
14
QUA
15
QUI
16
SEX
17
SAB
18
DOM
19
SEG
20
TER
21
QUA
22
QUI
23
SEX
24
SAB
25
DOM
26
SEG
27
TER
28
QUA
29
QUI
30
SEX
31
SAB
1
SEX
2
SAB
3
DOM
4
SEG

Dia Mundial do Rock: Um Testemunho Pussy de uma Rapariga Apaixonada

13 de Julho, 2014 ArtigosAna Isabel Pereira

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

7 Bandas que te vão fazer querer ir ao Fusing

Sabias que? - Os On a Friday e a música dos Talking Heads
250501-RockBandHeader

Hoje é Dia Mundial do Rock. Chamem-me o que quiserem mas, este sim, é o meu Dia dos Namorados. Este é o dia em que vem ao de cima o meu lado mais glicodoce e declaro amor eterno por algo sem me sentir hipócrita. Não há reservas em restaurantes, trocas de prendas, rosas vermelhas, idas ao cinema para ver o filme lamechas que estreou tão convenientemente há uns dias atrás e muito menos peluches rabetas. Não há stresses para comprar a prenda perfeita ou o ter que pensar duas vezes no que se diz para não irritar o cônjuge mas, acima de tudo, não há a dúvida que por vezes se instala nestes dias, sobre se no próximo ano, neste mesmo dia, vou sentir o mesmo. Apesar de tudo, tal como o Dia dos Namorados, este é apenas um dia simbólico para celebrar o amor.

Quanto a vocês não sei, mas no dia de hoje toda eu me torno na versão humana da “Celebration” dos Kool & the Gang. Abro a janela, deixo o sol irradiar-me a cara e uma leve brisa dar o ar de sua graça enquanto a paisagem comunica com o meu cérebro e torna menos difícil decidir qual vai ser a banda sonora do dia. Ponho os meus ray ban e o meu blusão de cabedal por cima do pijama e derrapo pelo chão em mogno como uma criança ao som da “Kashmir”. Hoje nem é preciso arranjar o cabelo para o deixar num misto Robert Plant e Chris Cornell quando parecia jesus. Há lá coisa melhor que esta…

Depois de snifar todos os vinis da casa sucumbo a um dos meus guilty pleasures e vejo o “School of Rock” (Jack Black, se estiveres a ler isto, eu amo-te!), uma das razões que iluminaram o meu gosto musical há uns anos atrás. Acendo umas velas em honra dos deuses do rock e vou dançando conforme a playlist que tenho sempre pronta para o dia mais meloso do ano (na minha vida), alternando entre um headbanging manhoso e um gingar à la Josh Homme. Quando o corpo fraqueja e a dança passa a ficar mais parecida com a fraca imitação do deus Homme, Alex Turner, sei que é hora de me contentar com outra coisa e dar tudo a “air guitarrar”. O tempo passa, asseguro cada vez mais a minha posição de inimiga número um de todas as casas limítrofes, mas sinto-me estupidamente feliz. Agora venham-me dizer que isto não é amor! É sim! E do mais badass que existe.

Sinto-me triste apenas por ver que é comemorado com listas ridículas e histórias enfadonhas (ou passa completamente ao lado das pessoas) quando devia sair tudo à rua e comemorar de forma ativa o 13 de julho: melhor dia do mundo e, quiçá, da Europa.

Portanto, amigos, ouçam muita música, fiquem roucos, preparem esses corpos para a praia a abanar o esqueleto, destruam a casa, vão a concertos, toquem algum instrumento, deixem a polícia fazer-vos uma visita a pedido dos vizinhos e convidem-nos para a festa enquanto os vossos familiares equacionam um internamento no manicómio mais perto, não há regras no rock (YOLO?!)!

Amor não é o que vos enche o coração, é o que vos preenche a alma e, por isso, a todos os malfadados leitores da WAV desejo um Feliz Dia Mundial do Rock!
por
em Artigos


Dia Mundial do Rock: Um Testemunho Pussy de uma Rapariga Apaixonada
Queres receber novidades?
Comentários
Contactos
WAV | 2022
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
SSL
Wildcard SSL Certificates
Queres receber novidades?