27
SEG
28
TER
29
QUA
30
QUI
1
SEX
2
SAB
3
DOM
4
SEG
5
TER
6
QUA
7
QUI
8
SEX
9
SAB
10
DOM
11
SEG
12
TER
13
QUA
14
QUI
15
SEX
16
SAB
17
DOM
18
SEG
19
TER
20
QUA
21
QUI
22
SEX
23
SAB
24
DOM
25
SEG
26
TER
27
QUA

Hellfest 2022: Antevisão Valley/Warzone

04 de Maio, 2022 ArtigosWav

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Hellfest 2022: Antevisão Temple/Altar

Verbian mostram primeiro single do próximo disco
Já não se sabe ao certo há quanto tempo é que se anda nisto de adiar, cancelar, nova data, adiar. Mas também pouco importa, porque parece que vai ser desta que o megalómano Hellfest volta ao panorama de festivais europeus. Com um retorno capaz de fazer esquecer todos os sarilhos e todos os passados cancelamentos, a edição de 2022 vai ser composta não por um mas por dois fins de semana de festa imparável. O motivo da celebração? O retorno da música ao vivo. Serão sete dias de ruído destemido, com o primeiro fim de semana a abranger os dias 17, 18 e 19 de junho, uma pausa e a imediata recarga do segundo fim de semana nos dias 23, 24, 25 e 26. Em forma de antecipação, há que sublinhar alguns nomes verdadeiramente imperdíveis, deixando claro que não há combinação que saia errada numa experiência como esta. No final do artigo, a playlist com as nossas apostas para os palcos Valley e Warzone.

 

Valley:

Se há palco que tem passado por um processo de diversificação, e com resultados que fazem todo o sentido, é o Valley. Usualmente associado às planícies de guitarras oriundas do stoner e doom, é cada vez mais usual apanharem-se lá nomes fora do sonoro familiar e exploratórios. Para quem gosta de seguir hábitos e velhas tradições, não faltarão versos e guitarras para tal no primeiro fim-de-semana no Valley. Para os campeões de pesos pesados, o festival terá na mesa Electric Wizard, High On Fire, Vile Creature e Inter Arma. Para quem procura cor, textura e muitas camadas, celebra-se com Baroness, Elder, Mono, Envy. Para os mais dados à música da alma - os blues ou ao rock‘n’roll - não faltarão uns Duel, The Vintage Caravan, Life of Agony ou até uns mais expansivos Messa para preencher a alma ao público.

Se no primeiro fim-de-semana o ritual seguia as tradicionais regras do deserto e dos riffs de baixa frequência, será no segundo que o público poderá saciar os seus desejos de exploração sonora e peso! Com uma diversidade de atrair até aos mais tradicionalistas, não faltarão aqui nomes conhecidos e desconhecidos para convencer os curiosos. O dia de reabertura de hostes tomará conta do recado com uma cadência recheada de alma, com Slomosa, Lowrider, Hangman’s Chair e o colosso Jerry Cantrell dos Alice in Chains, enquanto no segundo haverá um portal para mundos distópicos, tanto fantásticos como absurdos: Okkultokrati, Human Impact, Godflesh, Earth e Atari Teenage Riot. Se no penúltimo dia do festival, os Molasses, Slift, Hallas, Kadavar e os Converge a apresentarem o muito aguardado Blood Moon não espetarem um sorriso rasgado de uma orelha à outra, então o mundo estará certamente perdido. A derradeira peça de arte e justíssima ode ao espírito do palco Valley caberá ao último dia do festival: Ufomammut, Thou, Eyehategod, The Obsessed e os caóticos Orange Goblin. La Crème de la crème.

 

Warzone:

Reconhecidamente um dos palcos mais emblemáticos do Hellfest, o Warzone possui um nome que lhe faz toda a justiça. Centenas foram os concertos de pura guerrilha que por ali passaram e marcaram presença. Este é não só um palco que reúne a música urbana no seu estado mais puro e destilado, como também um panorama que muito se assemelha a um campo de batalha. Tochas, vedações, torres de vigia. Não há escapatória! Quem para lá se dirige, sabe para o que vai. Não é de estranhar observar uma seleção de bandas que hão de encaixar que nem uma luva no ring de batalha. Mais uma vez dividindo o cardápio semanal, comece-se pelo início. No primeiro fim-de-semana haverá um encontro entre os veteranos da velha guarda - Suicidal Tendencies, Slapshot, Cro-Mags e No Turning Back no primeiro dia; Agnostic Front, Social Distortion e Anti-Flag no segundo; e Walls of Jericho e Sick of It All no terceiro. Versus uma enchente de sangue novo, entre os quais se sublinha o poderio de bandas como Higher Power, Frustration, Jesus Piece e Counterparts.

A reabertura das hostes promete mais uma vez atrair o máximo de público possível. August Burns Red, Turnstile e Rise Against serão o power trio para um público que poderá potencialmente mostrar exatamente do que é que o Warzone é feito. De volta à programação normal, o primeiro dia será totalmente dedicado ao punk/rock antémico, com Goldfinger, Bad Religion, Millencolin bem como os franceses Les Sheriff prometem criar um ambiente único de união e camaradagem. Se o primeiro é dedicado ao abraço, os seguintes serão totalmente entregues à agressão gratuita. Segundo dia arranca com Martyrdöd e Xibalba, e desenvolve num frenesim de chacina com Discharge, GBH e The Exploited. Dias como este, só no Hellfest. E para terminar, hardcore incansável e destemido. Year of the Knife, Judiciary, Incendiary preparam a intensidade, para que o céu seja o único limite em Madball e Comeback Kid.



 

por
em Artigos


Hellfest 2022: Antevisão Valley/Warzone
Queres receber novidades?
Comentários
Contactos
WAV | 2022
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
SSL
Wildcard SSL Certificates
Queres receber novidades?