24
DOM
25
SEG
26
TER
27
QUA
28
QUI
29
SEX
30
SAB
31
DOM
1
SEG
2
TER
3
QUA
4
QUI
5
SEX
6
SAB
7
DOM
8
SEG
9
TER
10
QUA
11
QUI
12
SEX
13
SAB
14
DOM
15
SEG
16
TER
17
QUA
18
QUI
19
SEX
20
SAB
21
DOM
22
SEG
23
TER
24
QUA

O hip-hop revisitado

26 de Fevereiro, 2017 ArtigosCamila Lobo

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Death Cab for Cutie – Plans (2005) | Máquina do Tempo #12

The Beatles – Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band (1967) | Máquina do Tempo #11
10-Kendrick Lamar-7 Kendrick Lamar no Super Bock Super Rock 2016

 

Há já cerca de cinco anos atrás, o produtor Patrick Denard Douthit – mais conhecido como 9th Wonder – era nomeado fellow do Arquivo e Instituto de Investigação de Hip-Hop da Universidade de Harvard. Parte do Hutchins Center, um centro de investigação de estudos africanos e afro-americanos da mesma universidade, o Arquivo de Hip-Hop havia sido fundado em 2002 com o objetivo de encorajar quer a investigação, quer a própria criação intelectual, cultural e artística, através do hip-hop. Que 9th Wonder fosse escolhido pela Universidade de Harvard para integrar um projeto realizado ao abrigo desse instituto não surgiria como surpresa para ninguém que conhecesse o seu historial de dedicação à representação e estudo do hip-hop fora do meio urbano – ajudando, nomeadamente, a introduzi-lo nos meios académicos.

O projeto Classic Crates era depois criado numa colaboração entre o Arquivo de Hip-Hop e a biblioteca musical da Universidade de Harvard e visava a coleção de 200 álbuns clássicos, em formato vinil, justamente selecionados por 9th Wonder. O objetivo de tal acervo na renomada biblioteca seria, sobretudo, o reconhecimento do hip-hop enquanto manifestação cultural fundamental, não só no contexto dos EUA, como também atestando a sua valiosa contribuição a nível mundial.

Numa recente publicação, partilhada através da sua conta de Instagram, 9th Wonder anunciou os primeiros quatro álbuns escolhidos para integrar essa lista: The Low End Theory (1991) de A Tribe Called Quest, Illmatic (1994) de Nas, The Miseducation of Lauryn Hill (1998) de Lauryn Hill e, finalmente, o recente To Pimp A Butterfly (2015) de Kendrick Lamar. Assim se inicia, portanto, a importante missão de – como lido numa espécie de manifesto encontrado na página oficial do projeto – “colecionar, preservar, e tornar acessível a preciosa herança do hip-hop enquanto forma de arte americana”. Depois destes, 196 outros álbuns terão a oportunidade de ficar para a História, tornando-se símbolos da mesma nação que, demasiadas vezes, os renega.

O projeto dá seguimento a todo um trabalho de promoção do hip-hop levada a cabo ao longo dos anos por 9th e tantos outros que veem no hip-hop a voz de, pelo menos, duas gerações. Sendo a sua preservação ainda ameaçada pelo preconceito e ignorância daqueles que, associando o hip-hop à violência nos EUA, o apontam como sua causa, é essencial apresentar uma contra-narrativa e reafirmá-lo antes como sintoma dessa mesma violência cultural, como forma de resistência a um sistema ainda opressor. É necessário estudá-lo, trabalhá-lo, mantê-lo.

Embora 9th explique na sua publicação que os álbuns foram, e continuarão a ser, selecionados sem nenhuma ordem em específico, é relevante o facto de ter sido Lamar um dos primeiros eleitos a ver o seu trabalho aqui reconhecido. De facto, se os três primeiros álbuns são já geralmente tidos como parte dos grandes clássicos do hip-hop, muitos ficaram surpresos com a nomeação de um álbum tão jovem – ainda que altamente aclamado – a “viver para sempre”, como anunciado na mesma publicação. Mas a seleção poderá, porventura, explicar-se face à preocupação generalizada – pela qual 9th dá também a cara – em incentivar uma nova geração de artistas a renovar o hip-hop, revisitando, porém, aquilo que são os seus valores elementares: “devemos educar, bem como entreter”, dizia Curtis Mayfield.

Reencontrar a voz positiva de que o hip-hop tem sido veículo revela-se assim crucial à preservação da música que, a par do jazz, do gospel, do soul, do funk e do afrobeat, constitui o espólio da música negra, salvaguardando, em última instância, a própria América negra.

 

 
por
em Artigos


O hip-hop revisitado
Queres receber novidades?
Comentários
Contactos
WAV | 2021
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
SSL
Wildcard SSL Certificates
Queres receber novidades?