26
DOM
27
SEG
28
TER
29
QUA
30
QUI
1
SEX
2
SAB
3
DOM
4
SEG
5
TER
6
QUA
7
QUI
8
SEX
9
SAB
10
DOM
11
SEG
12
TER
13
QUA
14
QUI
15
SEX
16
SAB
17
DOM
18
SEG
19
TER
20
QUA
21
QUI
22
SEX
23
SAB
24
DOM
25
SEG
26
TER

NOS Primavera Sound 2016 • O que esperar – Parte 2/3

28 de Maio, 2016 ArtigosWav

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

NOS Primavera Sound 2016 • O que esperar – Parte 3/3

NOS Primavera Sound 2016 • O que esperar - Parte 1/3
1ºdia_5 Junho_NOS PRIMAVERA SOUND 2015 _ © Hugo Lima | www.hugolima.com | www.fb.me/hugolimaphotography

Seguindo na rota dos destaques do artigo anterior, escolhemos agora mais cinco nomes que pensamos serem de obrigatório visionamento. Começando pelo septuagenário Brian Wilson e terminando na eletrónica dos Floating Points, este segundo dia de NOS Primavera Sound é um dia que promete e muito.

Brian Wilson


É com a interpretação integral de Pet Sounds, magnum-opus dos seus The Beach Boys, que Brian Wilson se apresentará ao público português e aos muitos estrangeiros que todos os anos rumam ao festival portuense (que vê os passes gerais esgotarem pela primeira vez). Composto em grande parte por Brian Wilson, Pet Sounds caracteriza-se por utilizar instrumentos não convencionais (tais como sinos de bicicleta, campainhas, garrafas de coca-cola, etc) mesclados com as tradicionais harmonias vocais e instrumentais dos Beach Boys. Lançado em Maio de 1966, o álbum comemora este ano o seu quinquagésimo aniversário, mote que serve para a sua total reprodução nesta edição do festival. Esta é uma oportunidade única de se ver e ouvir um vulto musical como Brian Wilson bem de perto, com o bónus de o termos a interpretar uma das obras-primas da história da música.



 

PJ Harvey


Carisma – é a palavra que marca a lenda que Polly Jean Harvey já é. De sonoridades sujas e abrasivas que marcaram os anos 90, com o baterista Rob Ellis e o baixista Stephen Vaughan lança o seu primeiro álbum, Dry, em 1992. Já em 1995 lança o seu primeiro e mais icónico álbum a solo: To Bring You My Love, ano em que colaborou também com Nick Cave na épica “Henry Lee”. A partir daqui, e com a crescente maturidade da inglesa, encontra melodias mais polidas e letras mais interventivas em Let England Shake. Com um novo álbum na bagagem, The Hope Six Demolition Project, Polly Jean chega-nos a dia 10 de junho ao NOS Primavera Sound, sem dúvida um dos concertos mais ansiados do ano.



 

Mudhoney


Falar deste NOS Primavera Sound e não mencionar Mudhoney seria sacrilégio. O histórico quarteto de Seattle e principal propulsionador daquilo a que mais tarde se chamaria de Grunge, regressa a Portugal nove anos após a sua estreia (no Paradise Garage em Lisboa) para nos “sujar” (este é o termo certo) com o seu rock abrasivo que, apesar de ter sofrido alguma modificação ao longos dos anos (como se quer), continua a cativar e a ter o seu lado reminiscente dos anos 90 (típico da editora Sub Pop). Um concerto que promete muita poeira e muita agitação.



 

Tortoise


Também memorável será a prestação dos Tortoise, um dos nomes pioneiros da primeira vaga do pós-rock e fortemente influenciados pelo jazz de chicago (são da Thrill Jockey e basta). Regressam agora aos discos após um hiato de sete anos com The Catastrophist, álbum que terá óbvio destaque no concerto mas temas como “Swung From The Gutters” e “Crest” farão certamente parte do alinhamento. Jazz do bom à uma da manhã, ideal para nos fazer viajar internamente e acalmar os ânimos antes de rumarmos a mais uma noitada onde a música eletrónica dominará até por volta das seis da manhã.



 

Floating Points


A fechar as escolhas para o segundo dia de festival e falando em eletrónica (esta também algo influenciada pelo jazz atual), Sam Shepherd, mentor de Floating Points, que é uma das jovens promessas da música eletrónica mundial, atuará em formato Live Act também no Palco. (ex-ATP). Apesar de já andar no circuito desde 2011, foi apenas no de 2015 que lançou o seu primeiro longa-duração Elaenia, disco muito bem conseguido que lhe valeu destaque em meios tão díspares como a Popmatters, Rolling Stone ou a Resident Avisor, esta última classificando-o como o melhor álbum do ano transato.

por
em Artigos


NOS Primavera Sound 2016 • O que esperar – Parte 2/3
Queres receber novidades?
Comentários
Contactos
WAV | 2022
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
SSL
Wildcard SSL Certificates
Queres receber novidades?