6
QUI
7
SEX
8
SAB
9
DOM
10
SEG
11
TER
12
QUA
13
QUI
14
SEX
15
SAB
16
DOM
17
SEG
18
TER
19
QUA
20
QUI
21
SEX
22
SAB
23
DOM
24
SEG
25
TER
26
QUA
27
QUI
28
SEX
29
SAB
30
DOM
31
SEG
1
TER
2
QUA
3
QUI
4
SEX
5
SAB
6
DOM

Uma Bússola com o norte bem definido

20 de Janeiro, 2016 ArtigosDiogo Alexandre

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

O dia em que Bowie morreu

"Dancing (On A Thin Ice Dance Floor)": O Inverno em Can Cun
03_BUSSOLA01_por_Marcelo Engenheiro

É de Leiria que nos chegam os Bússula: projeto de folk novo, com sonoridade suficientemente “velha” para nos despertar um certo sentimento nostálgico. O acordeão é, talvez, o maior culpado disso.

Longe vão os anos, entre 2009 e 2012, em que surgia uma banda folk americanizada por cada quilómetro quadrado, muito por culpa dos Mumford & Sons, popularizando o movimento que depois destacaria bandas como Beirut, Fleet Foxes e Bon Iver, só para mencionar as mais relevantes. Apesar de a bandwagon folk já ter passado à história, o quinteto leiriense, que provém de bandas tão distintas como a Orquestra Jazz de Leiria e os Dapunksportiff, prova aqui que ainda se pode fazer folk bem feito (nunca é demais realçar) pegando nos clichés homem-guitarra-amor que se vê (e ouve) nesta fase já pós-expectante de um género que marcou a viragem da década, não só nos países Anglo-saxónicos como em todo o mundo, incluindo Portugal, obviamente.

E é logo de início que nos apercebemos do potencial dos Bússula: “Come Home”, lançada como single em 2014 (constando na compilação Novos Talentos FNAC desse mesmo ano), mostra-nos de imediato o quão tocante e nostálgico soará este homónimo e primeiro EP da banda. Todo o disco transmite esse tipo de emoções,inclusive em “One Way Ride”, tema mais “western” e com o ritmo base mais rápido dos cinco, fazendo-nos parar para pensar enquanto ouvimos a bonita voz (por vezes, em falsete) de Pedro Santo, acompanhado pela sua guitarra e pelo acordeão (!!) de Tiago Ferreira, sendo, sem dúvida, aquilo que mais surpreendeu neste disco.

A composição dos temas, apesar de estar limitada à habitual composição folk, não se revela fatídica: as variações acontecem quando têm que acontecer, não sendo nada forçado, o que nos permite absorver mais facilmente todo o conteúdo lírico servido nesta bandeja. A coesão dos temas também se revela muito importante, permitindo ao ouvinte fazer a viagem completa, guiados pela bússola sem que esta se desmagnetize. “The End Of Time” termina do modo mais pacífico e esperançoso possível, deixando no ar, em tom assertivo, a pergunta “Will you be there with me in the end of time?”, como que já sabendo a reposta.

Em suma, Bússula é música calma e romântica que nos aconchega a alma (não é por acaso que a capa é o desenho de um coração) e nos faz pensar e navegar por mares próximos ou não, mas sempre com o coração e a cabeça no sítio, sem perdermos o norte.

Surfer Rosa


por
em Artigos


Uma Bússola com o norte bem definido
Queres receber novidades?
Comentários
Contactos
WAV | 2022
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
SSL
Wildcard SSL Certificates
Queres receber novidades?