23
SAB
24
DOM
25
SEG
26
TER
27
QUA
28
QUI
29
SEX
30
SAB
31
DOM
1
SEG
2
TER
3
QUA
4
QUI
5
SEX
6
SAB
7
DOM
8
SEG
9
TER
10
QUA
11
QUI
12
SEX
13
SAB
14
DOM
15
SEG
16
TER
17
QUA
18
QUI
19
SEX
20
SAB
21
DOM
22
SEG
23
TER

ZigurFest 2018: A descoberta faz-se no interior.

27 de Julho, 2018 ArtigosJorge Alves

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Sonic Blast Moledo 2018: A antevisão

FMM Sines – Um guia essencial para uma experiência inesquecível
Na semana passada realizou-se, no Porto Welcome Center, a conferência de imprensa relativa ao ZigurFest, evento que leva à pacata localidade de Lamego alguma da melhor música nacional. Focando-se em artistas emergentes que poderão muito bem ser as estrelas de amanhã - basta observar os casos dos Ermo, Sensible Soccers ou Surma - estamos perante uma magnífica plataforma de divulgação que funciona igualmente como uma oportunidade de absorver o encanto da terra onde tudo isto acontece.

Assim sendo, a aposta volta a ser no presente e futuro da música produzida em Portugal, este ano com especial atenção dada ao hip-hop com as confirmações de Allen Halloween e Ângela Polícia. No entanto, o cartaz mantém orgulhosamente um carácter ecléctico, indo desde o indie folk doce e relaxante de Mathilda à explosiva mistura de punk e funaná de Scúru Fitchádu, passando pelo punk envolto em esquizofrenia jazz dos Sereias, a electrónica etérea e experimental de Dullmea ou as explorações sonoras - no qual se inclui jazz fusion e rock progressivo - dos Bardino, colectivo lançado pela ZigurArtists.

Contudo, há mais, muito mais, para ver e descobrir. Até porque esse é o objectivo da organização - dar a conhecer nomes que, de uma forma geral, ainda não têm o reconhecimento que merecem, ainda que os melómanos mais atentos já os tenham certamente apanhado em eventos de cariz alternativo espalhados pelo país.

Todavia, nenhum deles atingiu verdadeiramente o estatuto de artista consagrado, e é por isso que marcam presença nesta cuidadosamente elaborada montra de novidades musicais. Há quem queira voltar a atuar no festival, referiu a organização na conferência, mas o Zigur não se faz de repetições, por muito apelativas que possam ser, porque "não interessa o passado, mas sim viver o agora e testemunhar o amanhã". Uma experiência que se estende também à cidade que a acolhe, com palcos em várias zonas de Lamego de modo a que a apreciação musical seja feita num cenário privilegiado. Como se isto não fosse suficiente, a entrada, este ano, é gratuita, pelo que não há mesmo desculpa para perder toda a animação a decorrer no fim-de-semana de 29 de agosto a 1 de setembro. Antes disso, e de forma a aguçar o apetite, há duas warm-ups: a primeira já no próximo dia 27 de julho, no Maus Hábitos, com Joana Guerra, LYFE e NU (estes últimos irão igualmente marcar presença no festival), e a última a 18 de agosto no Damas, em Lisboa, com os Baleia Baleia Baleia e 2Jack4U, em formato live e também com atuação marcada para o Zigur.

 

por
em Artigos


ZigurFest 2018: A descoberta faz-se no interior.
Queres receber novidades?
Comentários
Contactos
WAV | 2021
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
SSL
Wildcard SSL Certificates
Queres receber novidades?