wav@wavmagazine.net | 2014 | PT
a
WAV

Overall Dezembro 2019 Sem qualquer ordem, a não ser alfabética, apresentamos os discos lançados em dezembro de 2019 que mais marcaram a nossa redação, para além de outros lançados durante o ano que acabaram por ficar fora das outras listas mensais.

 

astronoid-album-coverclipping. – There Existed an Addiction to Blood (Sub Pop)

O hip-hop tem muitos dos seus grandes headliners em negrito e em plenitude de exibição. O trio clipping., de Los Angeles, é composto por Daveed Diggs, William Hutson e Jonathan Snipes e é um dos nomes mais sonantes dos círculos mais alternativos do género. Seja a filosofia de escrita mais inclinada para o experimental ou para o puramente dissonante, clipping. são especialistas na distopia e na ironia. Sendo reconhecidos como um dos braços fortes da última geração de artistas na Sub Pop, There Existed an Addiction to Blood testemunha o tridente no seu melhor. Quer seja liricamente, esteticamente e com uma mão cheia de referências ao horror exploitation dos 70’s/80’s, o resultado é gritante e memorável. – JMA

 

 

Beirut-GallipoliDeaf Radio – Modern Panic (ihaveadrum)

Um mundo incansavelmente ansioso encontra-se com um disco em lapso nervoso. Simultaneamente, a aura do esgotamento está-lhe amarrada, sentida liricamente, quando Deaf Radio vêm listar quais são os nossos pânicos modernos. Modern Panic ataca pelo pescoço com hooks diligentes, refrões vocais ou a ressonância retumbante. Entra com êxtase, o despertar etéreo e as mudanças de humor. É o mais relatable e moderno possível. – BF

 

 

Boy-Harsher-CarefulDivision Of Mind – D.O.M. (Triple B)

Já se perdeu a conta da quantidade de discos que a Triple B lançou em 2019, e honestamente, não sendo só uma questão de quantidade, a verdade é que a qualidade tem sido constante. Para terminar o plantel do ano, surge um dos discos mais pesados da editora. O álbum de estreia do quarteto de Richmond, Virginia – Division Of Mind. Recebido de braços abertos com muito louvor por parte de muitos dos ouvintes do hardcore mais pesado, com direito a elogios conterrâneos do vocalista de Lamb Of God, Randy Blythe. O disco é impiedoso, veloz e uma real martelada na cabeça. Entre riffs memoráveis, breakdowns absolutos e berros do epicentro do abismo, é difícil passar por esta tempestade, e não querer senti-la mais uma vez. – JMA

 

 

Candlemass-The-Door-To-DoomHippie Death Cult – 111 (Cursed Tongue)

O classic rock dá um aperto de mão às trincheiras do doom metal, num subir e descer de andamento, num inspirar e expirar de temperamento. A inspiração em Black Sabbath atualizada, com muito arranhar de garganta e carradas fuzz, entrou até criar bolhas. Embora as ligas estejam bem apertadas entre os instrumentos, é Eddie Brnabic que merece especialmente uma firme pancada nas costas por ser a musculatura resistente de 111. Para deixar entrar luz, colocada a meio do álbum, temos “Mrtyu”, uma música instrumental com uma melodia de floresta encantada. Aqui está o álbum de mestrado dos Hippie Death Cult. – BF

 

 

Dream-Theater-Distance-Over-TimeMagnitude – To Whatever Fateful End (Triple B)

Admita-se já, para que se poupe discussão, que este é inquestionavelmente o disco hardcore do ano. Porquê? Ora, apesar de relembrar uma enchente de nomes dos anos 90 como Unbroken, Snapcase, Bane e por aí fora, o som de Magnitude é, acima de tudo, possante, robusto e emotivo. As guitarras e a bateria impõem, e toda a produção cristalina só facilita a entender a real força nas arrebatadoras letras da banda. Quer esteja em tópico o ponto de encontro entre um propósito da vida, o straight edge ou a perseverança, não há nada que negue o quanto vital e crucial To Whatever Fateful End se tornou. – JMA

 

 

Fange-PunirOak – Lone (Transcending Obscurity)

A fórmula guitarra + bateria pode até não ser a mais original, mas a combinação de elementos revela-se eficiente e destaca Lone dos restantes lançamentos do ano, pelo menos no que ao death/doom diz respeito. O tom melancólico da guitarra desconforta o espírito, mas a combinação de uma voz possante com a percussão orgânica prende a atenção de qualquer um. A mestria demonstra-se sobretudo pela naturalidade com que posicionam os mais furiosos blast beats entre demoradas passagens atmosféricas à la post-rock, criando uma dinâmica única entre momentos de agressão e introspeção. Este vão precisar de ouvir bem mais do que uma vez. – AT

 

 

Fange-PunirShortparis – Так закалялась сталь (Universal)

2019 foi ano que apresentou Shortparis aos grandes palcos. O coletivo russo liderado por Nikolai Komyagin é agora a maior exportação musical desde as t.A.T.u., e o terceiro disco, cujo título traduz: “Assim foi temperado o aço”, é só mais um motivo porque ninguém deve ignorar e/ou subestimar a visão do grupo. Além dos geniais e mega-dançáveis singles “Страшно” e “ Так закалялась сталь”, malhas como “Поломало”, “Стыд” e “Ножевой” sublinham uma estética sensual, multicultural e oh tão refrescante. A língua russa, tal como a voz do próprio Nikolai, apresentam-nos o universo de Shortparis com uma elegância sem paralelos. – JMA

 

 

Fange-PunirSolar Corona – Saint-Jean-de-Luz (Lovers & Lollypops)

O jazz dos candeeiros de rua isolados partilha o espaço num diagrama de Venn com a sensação espacial da eletricidade e do groove de Solar Corona. O diálogo entre os instrumentos é tão natural que é quase aceitável o ceticismo sobre a gravação deste disco em improviso constante e com o resultado final em mãos num só take – isto é o que um improviso bem feito faz. Ao brincar com variáveis, ao devorarem outras formas de expressão e composição, Saint-Jean-de-Luz formou uma personalidade distinta dentro da discografia de Solar Corona. A progressão despreocupada é conduzida com sensibilidade e alguns pontos de abertura de luz, mas traz também algo de sinistro e moody, a ideia de que o copo nunca esteve cheio. – BF

 

Artigo escrito por: Andreia Teixeira (AT), Beatriz Fontes (BF) e João “Mislow” Almeida (JMA).

Por Wav / 9 Janeiro, 2020
Tags:     , , ,

Deixar um comentário

About the author /


~