20
QUI
21
SEX
22
SAB
23
DOM
24
SEG
25
TER
26
QUA
27
QUI
28
SEX
29
SAB
30
DOM
31
SEG
1
TER
2
QUA
3
QUI
4
SEX
5
SAB
6
DOM
7
SEG
8
TER
9
QUA
10
QUI
11
SEX
12
SAB
13
DOM
14
SEG
15
TER
16
QUA
17
QUI
18
SEX
19
SAB
20
DOM

Overall Novembro 2021

17 de Dezembro, 2021 ListasWav

Sem qualquer ordem, a não ser alfabética, apresentamos os discos lançados em novembro de 2021 que mais marcaram a nossa redação.

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Os 30 melhores álbuns internacionais de 2021

Overall Outubro 2021

astronoid-album-coverAesop Rock & BlockheadGarbology (Rhymesayers)


Os companheiros de longa-data, Aesop Rock e Blockhead colaboram aqui pela primeira vez para nos trazer um LP, ao fim de uma relação de vinte anos feita de colaborações aqui e ali. Garbology aparece como o resultado instintivo desta união num cenário hipnótico, endemicamente nefasto e frenético. O lirismo astuto de Aesop concentra-se nas assombrações da mente, na paranóia que lhes faz parte e na crítica social entre a ironia humorística e o cínismo sombrio. A tendencial obscuridade enigmática do instrumental coberta pela voz empurra tudo para o simbólico, num mecanismo estranho e labiríntico. Acenam com o chapéu às sonoridades do blues, do jazz, do psicadélico e do trap, combinando-os bem com o fluxo incansável da voz. Garbology dá continuidade à atitude artística desafiadora de Aesop, colocando-a no centro das atenções. - BF



 

 

Beirut-GallipoliEmma Ruth Rundle - Engine of Hell (Sargent House)


Com uma tonalidade mais semelhante às suas prestações “unstripped” em palco, Engine of Hell, o mais recente álbum de estúdio de Emma Ruth Rundle, é uma obra intimista, de arranjos minimalistas e que aborda a dor no seguir em frente. Ouvir este disco é como estar numa sala a sós com Rundle, onde ela nos expõe as suas experiências traumáticas e até vislumbres de momentos marcantes da sua vida através de letras que parecem ser retiradas do seu diário pessoal. Sem bateria nem grande produção e efeitos, a maioria das faixas foram gravadas ao vivo. E é na voz de Emma (que umas vezes treme, outras sussurra) que se percebe toda a profundidade nestas músicas. Tudo foi deixado: as respirações, as mudanças mais bruscas de acorde e pequenos barulhos feitos ao falar. É nestes pormenores - que alguns podem chamar de imperfeições de gravação - que vive o que torna este trabalho tão verdadeiro, dada a sua natureza melancólica e terapêutica.Este é o resultado de um isolamento que a artista fez no País de Gales que nos convida a nós próprios a tirarmos uns momentos de reflexão e de nos libertarmos do que fica para trás. Pode não ser uma viagem a fazer muitas vezes, mas é uma que de certeza poucos conseguem proporcionar. - CN



 

 

Boy-Harsher-CarefulIrreversible Entanglements - Open The Gates (International Anthem)


Um dos aspetos mais interessantes na música dos Irreversible Entanglements é o modo como permite a Moor Mother “temperar” a sua fúria em vez de simplesmente a destilar, encontrando formas mais requintadas de expressar uma dor que jamais desaparecerá, não enquanto o racismo perdurar e o conceito de igualdade para todos- sobretudo para a comunidade afro-americana - permanecer um sonho em vez de uma realidade concreta. Aqui a procura é por um sentimento de libertação, com a música a ser usada como arma de mudança, poesia emotiva a unir-se a um free jazz expansivo para uma experiência inexplicavelmente espiritual e maravilhosamente visceral. As palavras de Moor Mother são proferidas com uma convicção tão forte e inabalável que honestamente arrepiam, e o instrumental - que agora também inclui sintetizadores - parece comunicar a mesma urgência incontida: ouça-se aquele saxofone a “gritar" bem alto e absorva-se o desespero e a mágoa que liberta - impossível não ficar comovido. De certa forma, o encanto deste disco reside precisamente na forma como se alimenta da riqueza musical afro-americana (a qualidade destes ritmos irrequietos, por vezes intensamente dançáveis, outras vezes bem noisy é majestosa) para refletir sobre o sofrimento sentido pela comunidade que a criou. - JA



 

 

Candlemass-The-Door-To-DoomIt Was the Elf - Ancestors (Raging Planet)


Norteado por uma evocação e devoção ancestrais, este quarteto beirão – localizado na cidade de Gouveia, Guarda – traja um trevoso, enérgico, colérico e fibroso heavy rock em simbiótica parceria com um fogoso, carismático, enfático e montanhoso grunge rock resgatado aos saudosos anos 90. De rédeas empunhadas, maxilares cerrados, olhar incendiado e esporas ensanguentadas, a estrondosa sonoridade de Ancestors é carburada e troteada por uma impiedosa cavalaria pesada que ocasionalmente descontrai nos orvalhados, meditativos, lenitivos e embrumados campos de um plácido, etéreo e embriagado psychedelic rock. Para lá do lustroso tilintar dos chocalhos que sonoriza a pastorícia, do latir dos cães que fere o bucólico e imersivo silêncio rural, e do harmonioso chilrear dos pássaros que anuncia a tímida madrugada de um novo dia na serra, adensa-se e agiganta-se todo um monolítico tsunami de crepitante distorção nas cordas troantes, tambores tribais e vocais guturais de It was the Elf. São 50 minutos atestados de acentuados contrastes climatéricos, onde coabitam a glacial letargia e a vulcânica euforia. Subam até ao cume desta alterosa serra e avistem todo o esplendor, domínio e vigor de um dos melhores registos portugueses do ano. - NT
(Lê a review completa a este disco no blog El Coyote)



 

 

Dream-Theater-Distance-Over-TimeJessica Moss - Phosphenes (Constellation)


Indiscutível nome sonante do panorama musical de Montréal, Quebec, no Canadá, a violinista Jessica Moss dispensa grandes apresentações. Havendo já marcado colaborações com os mais variados nomes desde Arcade Fire, Godspeed You! Black Emperor, Big | Brave, Vic Chesnut, Sarah Davachi, bem como membro pilar dos inigualáveis A Silver Mt. Zion, Jessica forjou uma carreira no minimalismo, surrealismo e post-clássico de composição. Phosphenes é já o seu quarto disco a solo, e este alberga em si uma carga sonora simples mas pesada e assombrosa. Este conta com uma composição mínima de somente o seu violino e vários recursos a efeitos de distorção. Ainda assim, o resultado expande e navega impassivelmente como se o próprio som fosse os raios transitórios de um pôr-do-sol. Constante e tanta vez arrepiante, Phosphenes rege por uma natureza quase orgânica, como se o ouvinte estivesse em pleno ar livre, isolado e a contemplar… a luz. Um aplauso ao mais recente disco da Jessica. - JMA



 

 

Fange-PunirJon Hopkins - Music For Psychedelic Therapy (Domino)


O que se assemelha a uma busca no YouTube num momento em que se anseia o escape da vida real é, na verdade, o nome do sétimo álbum de estúdio de Jon Hopkins. Determinado em encontrar um novo género musical que pudesse aumentar os efeitos terapêuticos de psicadélicos administrados por profissionais de saúde, o produtor britânico de música eletrónica viajou até às Caves Tayo no Ecuador. Lá, inspirou-se para compor este trabalho que faz a junção perfeita entre produção musical e natureza, misturando melodias imersivas em estado permanente de sonho com outros elementos presentes naquele local (como a água, aves e o ar a ecoar nas caves). O resultado foi um disco ambient em que as mudanças nas composições são muito subtis e lentas, parecendo que o momento presente se está a arrastar connosco. Talvez tenha sido a preocupação em não ser demasiado brusco com pacientes neste tipo de terapia e não causar consequências adversas. Mesmo assim, não é um requisito estar nestas condições para conseguir admirar este trabalho. As composições são um portal para uma zona de conforto, calma e reflexão. Ficar neste álbum até ao fim é sentir que estamos a acordar depois de a mente ter vagueado pelo cosmos. - CN



 

 

Fange-PunirKanaan - Earthbound (Jansen)


Enegrecendo, dinamitando e robustecendo a musicalidade que norteara os seus antecessores, este bombástico e aparatoso Earthbound associa um inflamante, tonificado, carregado e euforizante heavy psych de atemorizantes feições doom’escas a um estonteante, acrobático, enfático e electrizante jazz-rock lavrado a sónico experimentalismo, e ainda a um imersivo, hipnótico, quimérico e meditativo krautrock que orvalha os efémeros estágios de etérea bonança nesta bélica e implacável tempestade instrumental. A sua sonoridade intensamente efervescente, montanhosa, portentosa e erodente agiganta-se perante o ouvinte num impactante, monolítico e chamejante tsunami de endorfinas que o sombreia e incendeia de sísmica exaltação. Conseguem imaginar os lendários Kyuss à saída de uma academia de Jazz com o diploma debaixo do braço? Se sim, então acabam de pisar os abrasivos territórios onde germinara e frutificara este novo álbum de Kanaan. Earthbound é um registo verdadeiramente expressivo, pujante, tonitruante e incisivo – de longe o mais trevoso da sua discografia – que fará estremecer de vibrante e caloroso empolgamento todo aquele que ousar enfrentá-lo. - NT
(Lê a review completa a este disco no blog El Coyote)



 

 

Fange-PunirMontes - Vozes Antenas Fragas (Lovers & Lollypops)


Oriundos de diferentes partes da América do Sul, os Montes são um projecto formado por Arianna Casellas e Kauê Gindri, ambos a viver atualmente no Porto - especificamente, no sexto andar de um prédio da Invicta, cuja vista para as montanhas no horizonte inspirou o nome desta feliz união musical. O que aqui ouvimos é simplesmente magistral, ali no campo da música experimental que se revela transcendente e que se alimenta de contrastes - caos e sossego, melodia e ruído - para desenhar épicas paisagens sonoras que permanecem em constante duelo, renovando-se de forma contínua à medida que cada canção segue o seu caminho. Por vezes, os sons da natureza que surgem espontaneamente, assim como o poder da voz assombrosa de Arianna, remetem um pouco para o imaginário de Ece Canli, mas rapidamente se torna claro que os Montes operam num universo muito próprio, um mundo que lhes permite viajar pela folk, desbravar novos e estranhos caminhos avant-garde, incorporar batidas eletrónicas que apalpam o terreno do trip hop ou até inserir recortes jazzísticos. As canções, longas, aventureiras e indomáveis, são como pequenos filmes: cada uma conta a sua  história, e cada uma merece ser ouvida. - JA



 

 

astronoid-album-coverMortiferum - Preserved In Torment (Profound Lore)


Já a construir um status de futuro clássico, o quarteto de Olympia, Washington tem vindo a cimentar uma das sonoridades de death metal mais assombrosas e pujantes. Dois anos após o muito aclamado disco de estreia dos americanos, Disgorged from Psychotic Depths, podemos por fim testemunhar a preponderância esmagadora do seu sucessor Preserved In Torment. Seguindo exatamente as mesmas medidas e fórmulas, dando continuidade na colaboração em estúdio com Dan Lowndes na masterização e Andrew Oswald na mistura, bem como o próprio guitarrista Chase Slaker a criar a capa, bem como a etiqueta da Profound Lore a marcar a edição do disco. Tudo isto, a assinalar a chegada do, senão um dos grandes discos de death metal do ano. Cadente, denso e com uma passada simplesmente devastadora, não há uma faixa que poupe o ouvinte em camadas de distorção e lama. Quer seja pelo ressora da tarola gritante em contraste com a predominância das frequências graves, quer seja pelos grunhos rosnados ou - de forma mais prevalecente - a escrita habilmente desdobrada e simples mas eficazmente bem conseguida, Preserved In Torment marca a passagem da banda para um campeonato de maior respeito. - JMA



 

 

Beirut-GallipoliPlebeian Grandstand - Rien ne suffit (Debemur Morti)


Dispensam-se falas mansas no que toca a Plebeian Grandstand, talvez o segredo mais bem guardado da nova vaga de pesos pesados dos nossos vizinhos franceses. Em abril marcou-se o sétimo aniversário de um dos discos que mais assinalou essa mesma vaga, False Highs, True Lows - que por si só alavancou uma nova ideia de transformação que unia a energia crua das raízes hardcore/punk da banda numa deformidade de black metal avant-garde. Rien ne suffit chega, com impressão da editora compatriota Debemur Morti, nome mais do que apto a ajudar a levar esta sonoridade a maiores distâncias. Sonoridade essa, que não parece ter perdido nem uma gota da energia que havia sido previamente demonstrada. Se alguma coisa, demonstra-se ainda mais catalisadora, elevada até ao limiar do abstrato e do limite humano. A este ponto, já se torna redutor usar os termos de hardcore ou black metal, pois Rien ne suffit alcançou aqui um feito que ultrapassa - sim, atrevo-me a empregar esse termo - passados feitos de nomes como Deathspell Omega ou Portal. De relembrar que a banda consegue efetivamente levar isto a palco e não vacila no estrondo! - JMA



 

 

astronoid-album-coverPortico QuartetMonument (Gondwana)


Monument contém, decerto, o material mais acessível vindo da dupla inglesa até agora, mas argumenta, em medidas recíprocas, a favor de uma expressão mais colorida e emotiva, que explode numa intensidade calorosa e vivaz sem que se faça sentir opressiva em qualquer instância. Apresenta-se aqui uma dualidade intrigante: por um lado, o espaço oferecido à vertente eletrónica retorna uma repetição de segmentos minimalistas, mas cativantes que, apesar de nunca estagnarem a progressão musical, concedem um efeito hipnótico sobre o todo; por outro lado, tende a sobrepor-se sobre essa mesma vertente uma camada muito mais orgânica, acentuada singularmente pelo jazz conciso e plenamente executado pela instrumentação mais tradicional ao género. E assim, como um organismo vivo, no qual cada órgão que o constitui nunca atua por si só mas sempre em união com os seus demais, também o sétimo álbum de estúdio dos Portico Quartet age numa conformidade tal que, por vezes, nos esquecemos do quão bem as forças em jogo estão a comunicar entre si. - JG



 

 

Beirut-GallipoliPortrayal of Guilt - Christfucker (Run For Cover)


Para quem gostou do primeiro dos dois projetos que os Portrayal of Guilt lançaram este ano, a segunda proposta Christfucker, acabada de sair, pode trazer boas e más notícias. As más são que o secundogénito não se dá muito de caras com o que o antecedeu, optando por se entranhar ainda mais, por muito desconfortável que tal possa ser, na toca do coelho, tão funda agora que a luz se torna em conceito completamente alheio e bizarro. No entanto, as boas notícias são que, em contrapartida, as más não o são assim tanto. Por outras palavras, preferencialmente mais descritivas, ressurge aqui o espírito desafiador e provocante pela qual a banda já tem inúmeras vezes sido denotada, mas desta vez em medidas bem mais drásticas do que o que se imaginava. A rutura aparenta-se de imediato na cover art que, quer pela fonte sobre a qual o nome da banda se decifra, quer pelo background predominantemente enegrecido, quer pela sugestividade do título, aponta logo para um disco fortemente sediado nas cernes do black metal e grindcore, cuja produção propaladamente ruidosa resulta numa mescla nefasta, corrosiva e exacerbante. Para além da constante aversão a qualquer melodia que de obscuro, necrótico ou assustador nada tenha, não há muito mais que se lhe diga, nem tampouco que seja preciso dizer, para se fazer claro que este é um disco merecedor de umas boas rotações. - JG



 

 

astronoid-album-coverSnake Mountain RevivalEverything in Sight (Ripple Music)


Farolizado e oxigenado por um caleidoscópico, nebuloso, lustroso e quimérico psychedelic rock a fazer recordar All Them Witches, The Flying Eyes e King Buffalo, um onírico, hipnótico, xamânico e deslumbrante krautrock de pálido tempero cósmico, e ainda um dançante, desértico, estético e contagiante surf rock de serpenteio Dick Dale’sco e clima Spaghetti Western que fará salivar o cineasta Quentin Tarantino, este paradisíaco álbum de estreia do trio Snake Mountain Revival aprisionara-me num inamovível estádio de nirvânica narcose, aspergida por um torpor idílico e revolvida por uma prazerosa náusea. A sua sonoridade sonhadora, mística e regeneradora – mergulhada no fantasmagórico efeito reverb – desmaia as nossas pálpebras sobre um olhar distante, descortina um genuíno sorriso, massaja o cerebelo, embacia a lucidez e embala-nos numa sonâmbula vertigem em slow-motion de membros paralisados e sentidos embriagados. Este é um disco cozinhado a apurada subtileza, afrodisíaco requinte e imaculada beleza, que tão bem combina a odorosa delicadeza com a fogosa rudeza. Dissolvam-se nesta brumosa alquimia de ofuscação balsâmica e imersão ritualista de pleno encanto sem fim à vista. - NT
(Lê a review completa a este disco no blog El Coyote)



 

 

Fange-PunirStew - Taste (Uprising)


Este eletrizante power-trio sueco – natural da pequena cidade de Lindesberg – mantém-se fiel à bem-sucedida receita musical que os acompanha já desde a sua fundação, ostentando um majestoso, fogoso, atraente e imperioso heavy blues de inspiração revivalista em parceria com um lubrificado, elegante, espadaúdo e apimentado hard rock de roupagem setentista. Permutando entre vulcânicas, vistosas, libidinosas e titânicas galopadas locomovidas à rédea larga, e lustrosas, açucaradas, gloriosas e melódicas baladas sorvidas numa melosidade imprópria para diabéticos, este contagiante Taste é um álbum imensamente voluptuoso que combina a delicadeza com a rudeza, a leveza com a robustez e a placidez com a efervescência numa suculenta iguaria de fácil digestão e imediata veneração. São 39 minutos atestados de extasiante fervura e sufocante doçura que nos banham, sobreaquecem e assanham do primeiro ao derradeiro tema. Taste é um álbum verdadeiramente edificante e apoteótico. Deixem-se inundar nos profundos odores transpirados por esta sublimada obra de beleza depurada e destreza apurada, e vivenciem toda a obcecante magnificência irradiada de um dos mais carismáticos discos do ano. - NT
(Lê a review completa a este disco no blog El Coyote)



 

 

Fange-PunirTemple FangFang Temple (Right On Mountain/Electric Spark)


Neste ansiado disco de estreia, cuja concretização se viu dificultada pela perda de um membro e pelas restrições impostas pela pandemia, Temple Fang apresentam-se com um disco colorido pelo psicadélico, com um primário de space rock, enevoado pelo revivalismo. Fang Temple é um álbum elaborado, com porções melódicas meditativas de queima lenta e extensas camadas de instrumental evocativo da Era das pupilas dilatadas. Produzido para trazer à tona o calor do momento, sobrevoado pela textura rica dos sintetizadores, riffs estelares levitantes, coroado por vocais melódicos e embebido de reverb, dão forma a uma cunhagem própria que nos soa tão catártica como introspectiva. - BF



 

 

Fange-PunirThe Chisel  -  Retaliation (La Vida es un Mus)


Nestes últimos anos o Reino Unido não tem falhado na produção de atuações imponentes no quadrante do hardcore e hardcore punk! A par de nomes recentes como Big Cheese, Game, Chubby and the Gang, Mastermind e muitas mais, The Chisel chega com a sua estreia em álbum a retaliar com Retaliation. Um pujante e enérgico hino à música a levar palcos ao rubro, pile-ups, stage dives, mosh pits e batidas rápidas e furiosas! A fórmula é simples, eficaz e tão contagiante, que se torna impossível resistir à sua força gravitacional. Tantas são as faixas memoráveis trazem um pouco de tudo para todos, entre o d-beat de rua, aos riffs mais melódicos com flashback à old school londrina, bem como as passagens mais rápidas de punhos cerrados a soquear a área circundante. Se o hardcore é algo que vos agrada, este disco é OBRIGATÓRIA para as contas do ano. - JMA



 

 

astronoid-album-coverThe Temple - The Temple (Profound Lore)


Depois do enormíssimo testemunho erguido pelos neozelandeses Ulcerate o ano passado com Stare Into Death and Be Still, tão pouco tempo depois desse tremor volta a aparecer atividade daqueles cantos. The Temple não é propriamente Ulcerate mas conta com Paul Kelland, atual guitarrista, bem como James Wallace, ex-vocalista nos tempos das demos da banda. Não ficando por aqui, o álbum homónimo do projeto foi ainda gravado, misturado e masterizado pelo atual baterista de Ulcerate Jamie Saint Merat. Comparativamente ao projeto maior, The Temple mostra-se um pouco mais sóbrio, despido, claramente focado nas formas da narrativa do que na própria atmosfera e textura da pintura. A bateria não carece de forma alguma da habitual compressão mas as guitarras mantém-se, como já é hábito de Kelland, extremamente detalhadas e repletas de pequenas ghost notes e oscilações que preenchem a tela das músicas com um charme tremendo. Doom/death é o termo apropriado para apregoar aqui, mas providência de catarse é invariável e extremamente necessária para qualquer coisa que esta malta é capaz de produzir. - JMA



 

 

Beirut-GallipoliTiago e os Tintos - O Ecoar D’uma Sirene (Saliva Diva)


Há já algum tempo que a Saliva Diva constitui uma editora essencial  para quem deseja estar a par do que melhor se faz no panorama nacional, e a estreia de Tiago e os Tintos é um exemplo disso mesmo. Não é que apresente algo particularmente inovador, mas a honestidade com que debita um delicioso garage rock apunkalhado, mas ainda assim coberto por um manto melódico acolhedor - sensibilidade pop e descarga enérgica de guitarras a abraçarem-se num toque harmonioso até que ambas se tornem indistinguíveis - é incrivelmente gratificante. Por vezes quase que soam a uma versão  mais “rasgada” e despojada d' Os Pontos Negros, ou mesmo a um grupo como os Baleia Baleia Baleia (o disco foi, aliás, maioritariamente gravado por Ricardo Cabral, baterista do duo), mas o que realmente sobresai aqui é a garra inesgotável, os refrães surpreendentemente orelhudos que não conseguimos parar de cantarolar e o extraordinário talento para criar um rock simples, apaixonado e brutalmente eficaz. Sente-se tanto aquele espírito de amigos a rockar numa garagem, abrindo-se ao mundo que dali espreita, pronto para o dominar… É bom, é inspirador, e urge ser ouvido; em casa e, claro, ao vivo. - JA




Artigo escrito por: Beatriz Fontes (BF), Catarina Nascimento (CN), João “Mislow” Almeida (JMA), Jorge Alves (JA), José Garcia (JG), Nuno Teixeira (NT) e Pedro Sarmento (PS).
por
em Listas


Overall Novembro 2021
Queres receber novidades?
Comentários
Contactos
WAV | 2022
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
SSL
Wildcard SSL Certificates
Queres receber novidades?