24
SEX
25
SAB
26
DOM
27
SEG
28
TER
29
QUA
30
QUI
31
SEX
1
SAB
2
DOM
3
SEG
4
TER
5
QUA
6
QUI
7
SEX
8
SAB
9
DOM
10
SEG
11
TER
12
QUA
13
QUI
14
SEX
15
SAB
16
DOM
17
SEG
18
TER
19
QUA
20
QUI
21
SEX
22
SAB
23
DOM
24
SEG

Gazelle Twin + Atillla @ Maus Hábitos - Porto [29Abr2015] Texto + Fotos

02 de Maio, 2015 ReportagensSara Dias

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Indouro Fest - Dia 1 [2Mai2015] Texto + Fotos

The Legendary Tigerman • Showcase Curtas Vila do Conde / Jameson Urban Soul Lisboa
gazelle

Há quem diga que o Maus Hábitos é um dos melhores bares do Porto. Discordo. O Maus Hábitos é muito mais que um bar, é uma casa que acolhe a arte e a cultura, e acima de tudo, na minha opinião, é uma das melhores salas de concertos da invicta. É a casa das maiores promessas a nível nacional, mas também de artistas com maior projeção quer a nível nacional, quer internacional. Neste espaço tenho das melhores memórias e dos melhores concertos que já vi: Linda Martini, Filho da Mãe, Jibóia, e até Author & Punisher, entre muitos outros que já foram e que virão. A esta lista acaba de se juntar o mais recente evento em que lá estive, traduzindo por miúdos, Atillla e Gazelle Twin.

A noite começou mal: fiquei presa no elevador, até que alguém decidiu abrir a porta à força. Mas  o pior nem foi isto, foi mesmo ter que subir aquelas escadas todas, até ao 4º andar, é que não tenho nem vida nem pernas para isto! No entanto, a noite rapidamente melhorou, já que se vivia um ambiente fenomenal. E isso acabou por se refletir aquando o inicio do set de Atillla. A sala só ficou composta a meio do concerto, algo que já é quase tradição nos concertos em Portugal onde os artistas de abertura costumam ser ignorados. A setlist incidiu sobre seu último e aclamado álbum, V, lançado em fevereiro deste ano. Miguel Béco de Almeida aliou a sua música introspetiva e dark, a uma sala embrenhada na escuridão sendo que a única luz presente eram os visuals que estavam a ser projetados, onde diferentes padrões dançavam ao ritmo dos corpos ainda adormecidos.

Seguiu-se uma pequena espera e uma pequena pausa em forma de descanso até ao tão aguardado momento em que Gazelle Twin invade o palco. Na bagagem trazia o seu mais recente álbum - sim, o aclamado e considerado álbum do ano pela The Quietus, uma das minhas publicações favoritas  - Unflesh, álbum que tocou na integra, sem abordar qualquer um dos seus álbuns anteriores The Entire City ou Mammal. Aqui a sala já estava bem composta, aproximadamente a três quartos da sua lotação máxima. Já o palco ficou vazio, apenas com uma pequena mesa de lado e um microfone com um set de pedais, para que Elizabeth Bernholz que pudesse movimentar, na sua atípica dança, um exorcismo do corpo.

Os momentos altos traduziram-se em "Premonition", onde Elizabeth se aninhou no chão como se já nem tivesse força para se manter de pé, o seu sofrimento era palpável. E em "Anti Body" e "Belly of the Beast" onde os presentes mergulharam profundamente no transe e na anti-dança dualista. No fim, Gazelle Twin abandonou simplesmente a sala, pelo meio do público, após 45 minutos de concerto. Este é o único e derradeiro defeito que tenho a apontar, foi um concerto demasiado curto e que não abarcou os restantes trabalhos da inglesa. Apesar desta curta duração, Gazelle Twin não desiludiu nem ficou aquém das espectativas: deu um concerto competente e intenso.

por
em Reportagens


Gazelle Twin + Atillla @ Maus Hábitos - Porto [29Abr2015] Texto + Fotos
Queres receber novidades?
Comentários
Contactos
WAV | 2024
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
SSL
Wildcard SSL Certificates
Queres receber novidades?