4
SEX
5
SAB
B Fachada
6
DOM
Vëlla + Downfall Of Mankind
7
SEG
8
TER
9
QUA
10
QUI
11
SEX
12
SAB
13
DOM
14
SEG
15
TER
16
QUA
17
QUI
18
SEX
19
SAB
20
DOM
21
SEG
22
TER
23
QUA
24
QUI
25
SEX
26
SAB
27
DOM
28
SEG
29
TER
30
QUA
31
QUI
1
QUA
2
QUI
3
SEX
4
SAB

Glassjaw - Lisboa ao Vivo [23Jun2019] Texto + Fotos

29 de Junho, 2019 ReportagensJoão "Mislow" Almeida

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr
Lisboa Ao Vivo

Rival Sons - Lisboa ao Vivo [28Jun2019] Texto + Fotos

Tim Vantol - Popular Alvalade, Lisboa [13Jun2019] Foto-reportagem
No dia 23 de junho, véspera de S. João, aguardava-se por um dos concertos mais esperados do ano. A estreia de uma grande referência do post-hardcore americano, Glassjaw. Uma noite que prometia uma reunião de um público tão diverso como expectante por esta visita. Mesmo calhando a um domingo, o Lisboa Ao Vivo preencheu-se, e de que forma, com caras sorridentes e um muito amigável ambiente onde o reencontro de caras familiares pareceu ser um panorama recorrente. É inegável o impacto que Glassjaw tiveram em tantas adolescências presentes na sala, mas se isso não bastar, observem-se as bandas de abertura, Algumacena e Ash Is A Robot, a prevalecer com uma jovialidade inegável e uma recusa incessante a baixar os braços nesta festa.

A dupla de Algumacena, composta por Alex d’Alva Teixeira e Ricardo Martins, ergueu alguns dos ânimos que já povoavam a sala. Ditando as boas-vindas com um emocore dissonante e ruídoso, o duo conseguiu tomar algum proveito de um som de sala algo embrulhado e confuso, para imprimir e pressurizar crueza e emoção. Mesmo com tão poucos em palco, o som parece crescer em conformidade com a própria entrega. A receção calorosa brindou-se com um culminar de energia tão gritante e fulgurante, que se viu a intensidade a abater um prato da bateria. Aplausos merecidíssimos. Seguiram-se os sadinos Ash Is A Robot, e mesmo notando algum cansaço, um som de sala ainda embrulhado e alguma frustração com o strap do baixo, não houve nada que impedisse a habitual energia e espírito caótico de pavimentar a já composta sala Lisboeta. Com uma ânsia para ver mais algum movimento do público, Claúdio persistiu em quebrar barreiras e distâncias ao integrar o público. Louvem-se gestos como este.

Algumacena e Ash Is A Robot


Até à chegada dos oriundos de Long Island, viu-se a sala a condensar cada vez mais à frente do palco, cada vez mais ansiosa pela aparição da familiar e algo esperançosa boa disposição de Daryl Palumbo. Com uma cara sorridente, Super Bock na mão e na maior descontração, pede que as luzes se apaguem e que o fundo fique escuro, haja espaço e muito amor pelo que Glassjaw entregou logo a seguir. Abrindo com “Cut and Run”, faixa de fecho do mais recente disco, viu-se o público a reagir de imediato a um som encorpado, denso e nada pacifista. Livrando primeiro uma grande porção de clássicos do muito elevado disco Worship and Tribute, como “Tip Your Bartender”, “Pink Roses”, “Ape Dos Mil”, “Two Tabs of Mescaline” e tantas outras, assistiu-se, ao longo destas, a uma reação ensurdecedora e quase íntima do público a ressoar as letras de pulmões abertos. Grande parte do alinhamento dividiu-se entre o segundo e o mais recente disco da banda, não havendo quaisquer motivos para ignorar as mais rejuvenescidas contribuições de Material Control. Mesmo com a sonoridade da sala a mostrar ainda algum atrito com um lamaçal de volumes e balanços entre guitarras e voz, a banda ainda se sucumbiu a alguns problemas técnicos ao longo do espetáculo. 

Ao fim do concerto, terminando ao som da “Siberian Kiss”, não houve carência de reação, carinho, nem louvor. Todo o legado que Glassjaw têm propagado até aos dias de hoje cimentou-se de forma imponente e querida diante de um LAV bem composto e bem entregue à nostalgia e à felicidade dos presentes envolvidos. Há que notar, no entanto, que se existem problemas de som há que os resolver e não deixá-los persistir até à última banda da noite. De uma forma ou de outra, o bolo sonoro fez-se sentir como uma comichão incansável e permaneceu até à última música da noite.

Glassjaw
por
em Reportagens
fotografia Joana Jesus


Glassjaw - Lisboa ao Vivo [23Jun2019] Texto + Fotos
Queres receber novidades?
Comentários
Contactos
WAV | 2020
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
SSL
Wildcard SSL Certificates
Queres receber novidades?