11
QUI
12
SEX
13
SAB
14
DOM
15
SEG
16
TER
17
QUA
18
QUI
19
SEX
20
SAB
21
DOM
22
SEG
23
TER
24
QUA
25
QUI
26
SEX
27
SAB
28
DOM
29
SEG
30
TER
31
QUA
1
QUI
2
SEX
3
SAB
4
DOM
5
SEG
6
TER
7
QUA
8
QUI
9
SEX
10
SAB
11
DOM

Iron & Wine @ Casa da Música - Porto [2Nov2015] Texto + Fotos

05 de Novembro, 2015 ReportagensSara Dias

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Cat Power @ Hard Club - Porto [1Nov2015] Texto + Fotos

Zola Jesus @ Maus Hábitos - Porto [01Nov2015] Texto + Fotos
_MG_5858

Para mim não passas ainda de um rapazinho muito parecido com cem mil rapazinhos. E não preciso de ti. E tu também não precisas de mim. Para ti sou apenas uma raposa semelhante a cem mil raposas. Mas, se me cativares, teremos necessidade um do outro. Para mim serás único no mundo. E eu serei para ti única no mundo…


 
Existem dois segredos. O segredo de Sam Beam reside na delicadeza e serenidade das suas melodias e do seu timbre, estes quase puros e infantis, diria mesmo imaculados. Mas, se sem atentarmos ao que estamos a ouvir ficar-nos-íamos por aqui, quando mergulhamos a fundo em Iron & Wine, encontramos uma profunda nostalgia uma tristeza outonal enquanto vemos as folhas castanhas de tons dourados a dançar ao som do vento, quando vemos os dias a ficarem cada vez mais pequenos. Não foi por acaso que Beam trouxe duas guitarras, uma para as “sad songs” e outra para as “happy songs”; Iron & Wine descreve-se numa palavra: agridoce.

Com uma mão cheia de álbuns e mais alguns EP, lançamentos exclusivos pela internet e singles, Iron & Wine chegou (finalmente!) a Portugal pela mão do Misty Fest. Esta “festa” como é referida no site oficial, privilegia “atualidade musical, o novo, mas também o mesmo convite aos músicos para apresentação de espetáculos de carácter inédito ou único”. Este concerto de Iron & Wine, como primeiras datas em Portugal – no Porto na Casa da Música e em Lisboa no Tivoli), teve sem dúvida um carácter único e inédito.

É difícil não ligar Beam ao imaginário do Sul dos Estados Unidos da América: cresceu na Carolina do Sul, ainda que tenha crescido num subúrbio – como afirma em entrevista à Pitchfork – visitava o avô que era agricultor e tinha uma quinta. Morou aproximadamente uma década no Texas, perto de um deserto que poderia ser perfeitamente aquele em que o narrador avistou o “principezinho”, no clássico de literatura infantil de Antoine de Saint-Exupéry (que aquando a escrita deste livro se encontrava exilado dos EUA) – Trans-Peco. O americano chega-nos apenas munido de duas guitarras, um copo de vinho, boa disposição, e quase uma vintena de faixas para saciar a sede de todos aqueles que esperavam este momento há anos.

A setlist de Iron & Wine, para além de improvisada, abordou quase todos os seus trabalhos: especialmente Kiss Each Other Clean de 2011 com “Big Burned Hand”, “Me and Lazarus”, “Rabbit Will Run” e “Tree by the River”; Our Endless Numbered Days de 2004 “Fever Dream”, “Naked As We Came” e “Passing Afternoon”; e The Shepherd's Dog de 2007 com “Boy With a Coin”, “Flightless Bird, American Mouth” e “Resurrection Fern”. Para além destas, os presentes foram brindados com uma cover de The Postal Service, com “Such Great Heights”.

Segunda-feira à noite foi, sem dúvida, memorável. Um contador de histórias, uma guitarra, uma plateia calada e atenta, até várias vezes elogiada pelo americano – uma sala cheia de corações cheios, e como havia dois segredos, fica o último pelo cunho do francês Saint-Exupéry:

Adeus, disse a raposa. Eis o meu segredo. É muito simples: só se pode ver bem como o coração. O essencial é invisível aos olhos.


 
por
em Reportagens


Iron & Wine @ Casa da Música - Porto [2Nov2015] Texto + Fotos
Queres receber novidades?
Comentários
Contactos
WAV | 2022
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
SSL
Wildcard SSL Certificates
Queres receber novidades?