23
SEG
24
TER
25
QUA
26
QUI
27
SEX
Eyehategod
28
SAB
29
DOM
30
SEG
1
TER
2
QUA
3
QUI
4
SEX
5
SAB
B Fachada
6
DOM
Vëlla + Downfall Of Mankind
7
SEG
8
TER
9
QUA
10
QUI
11
SEX
12
SAB
13
DOM
14
SEG
15
TER
16
QUA
17
QUI
18
SEX
19
SAB
20
DOM
21
SEG
22
TER
23
QUA

Mundo Cão - Lux, Lisboa [28Mar2019] Texto + Fotos

03 de Abril, 2019 ReportagensLuís Luz

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr
Lux Frágil

Um Ao Molhe - Hard Club, Porto [28Mar2019]

Puce Mary - Maus Hábitos, Porto [19Mar2019]
Antes da hora marcada, já muitas pessoas se reuniam no Lux Frágil e na sua varanda com vista para o rio Tejo, aguardando pelo concerto que marcava o regresso dos Mundo Cão aos discos e aos palcos. Com um álbum recém-lançado, intitulado Desligado, prometiam uma noite de lançamento de novas canções, tal como uma celebração dos seus outros 3 discos ao longo dos 17 anos de carreira. Assim foi.

Passavam 20 minutos das 23h quando Pedro Laginha, Miguel Pedro, Vasco Vaz, Frederico Cristiano e Canoche entraram em palco. A música “A Resposta é Sempre Não”, última do terceiro disco O Jogo do Mundo, deu o mote como introdução, lenta e crescente, adequada a qualquer regresso. A festa seguiu-se com a banda a tocar o último disco, quase na íntegra, incluindo 3 músicas com nomes enormes, como referiu o frontman, Laginha: “As Mulheres Que Muito Amamos Sem Regresso Nem Lamento” - com dedicatória pedida à namorada de alguém no público - , “É Sempre Essa Treta do Amor Eterno Que Me Lixa” - single do disco - e “Acerca de Cadelita Ferida e Torta a Resvalar Para o Lado do Coração”, todas canções com letras pelo escritor Valter Hugo Mãe. O público acompanhava as letras, novas e antigas, e dançava. Sorrisos e muitas mãos no ar. A banda devolvia o apreço e mostrava gratidão por todos os presentes. Pedro Laginha disse ainda que estava agradavelmente surpreendido por ver uma sala tão bem composta, porque Lisboa, de onde é, é sempre imprevisível.

Antes da primeira paragem, houve ainda tempo para “Vasculhar Sua Ficção”, música sobre as fantasias sexuais das freiras, e “Meu Grande Amor”, referida como uma das poucas letras felizes escritas por Adolfo Luxúria Canibal, principal letrista da banda. O público não estava pronto para o fim, nem os músicos. Rapidamente voltaram a subir para palco e tocaram mais três canções, incluindo dois dos temas mais emblemáticos do grupo com “Geração da Matilha” e “Morfina”. Ainda havia mais uma canção na setlist e, desta feita, Pedro nem saiu do palco, dizendo que esta era, outra vez, aquela parte em que fingiam sair para o público pedir mais. Tocaram “Anos de Bailado e Natação”, canção do mesmo disco que iniciou o concerto. Terminava, assim, um espetáculo cheio de emoções e recordações. Todos - banda, técnicos e público - saíram de sorriso na cara. Os Mundo Cão estão mesmo de volta, e para ficar.

Mundo Cão
por
em Reportagens
fotografia Luís Luz


Mundo Cão - Lux, Lisboa [28Mar2019] Texto + Fotos
Queres receber novidades?
Comentários
Contactos
WAV | 2020
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
SSL
Wildcard SSL Certificates
Queres receber novidades?