4
SAB
5
DOM
6
SEG
7
TER
8
QUA
9
QUI
10
SEX
11
SAB
12
DOM
13
SEG
14
TER
15
QUA
16
QUI
17
SEX
18
SAB
19
DOM
20
SEG
21
TER
22
QUA
23
QUI
24
SEX
25
SAB
26
DOM
27
SEG
28
TER
1
QUA
2
QUI
3
SEX
4
SAB

NOS Primavera Sound 2022 - Dia 1 [9Jun] Texto + Fotos

30 de Junho, 2022 ReportagensJorge Alves

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

NOS Primavera Sound 2022 - Dia 2 [10Jun] Texto + Fotos

Kristonfest 2022 [14Mai] Texto + Fotos
Depois de uma pausa de dois anos  imposta por uma pandemia inesperada e que tomou o mundo inteiro de assalto,  eis o retorno - agora sem timidez nem restrições praticamente nenhumas - dos festivais de verão como os conhecíamos antes de tudo mudar. No entanto, e apesar de muito se usar a palavra “regresso” para definir este acontecimento que há dois anos parecia uma  utopia inconcretizável ( sonhava-se com isso, claro, mas a incerteza pairava no ar como uma nuvem negra ameaçadora), talvez  fosse preferível olhar para este fenómeno como um renascimento. Porque ao entrar no recinto logo pelas 16h de quinta-feira,  a atmosfera que ali se respirava era um misto de entusiasmo e gratidão, refletida numa vontade de viver tudo ao máximo para compensar o tempo perdido, no desejo de recuperar a liberdade que tinha sido inevitavelmente retirada.E, como não podia deixar de ser, a celebração foi  libertadora, inspiradora e, acima de tudo, catártica.

Na verdade, não  havia melhor começo possível - literalmente, pois foi este o concerto de abertura do festival - que aquele proporcionado pelos Derby  Motoreta's Burrito Kachimba. Um nome sui generis, sem dúvida, dir-se-ia até cómico, mas uma coisa é certa: a sonoridade destes espanhóis , que antes já tinham passado por Coura, não é brincadeira nenhuma. Apoiados num  rock retro que soa bem mais revigorante e enérgico do que datado e insosso, trouxeram ao Palco Cupra um delicioso aroma 70s  - espécie de cruzamento inspirado entre uns Hawkwind e o espírito mágico de jam session dos Led Zeppelin - ao qual acrescentam um toque subtil de world music para assim espalhar um psicadelismo exótico e exuberante.  Não se pode dizer que inovem propriamente, mas ofereceram uma dose de rock de tal forma gloriosa e excitante que qualquer vontade de trocar de palco rapidamente se evaporou. O mais fascinante foi mesmo isso: se inicialmente o desejo era simplesmente dar uma espreitadela, rapidamente  se alterou para uma vontade inabalável de ficar até ao fim. Garra , paixão, boa comunicação e boas  malhas - mais não foi preciso.

Já no Palco NOS, Pedro Mafama - uma das figuras de maior destaque entre aquelas que pegam na tradição solene do fado para o reinventar  e modernizar -  desfilou os temas que  compõem  o muito interessante álbum de estreia  “ Por Este Rio Abaixo” e interpretou-os num concerto bonito, honesto e “ transparente”, mas que  nunca passou  para o “nível seguinte”, talvez por se notar uma certa ausência de uma maior intimidade emocional. Essa, aliás, só realmente foi sentida em determinadas zonas da plateia, junto do grupo de seguidores fiéis que lhe transmitiam calor e  carinho enquanto esperavam receber o mesmo de Mafama.

Parte 1

Parte 2

Algo semelhante aconteceu pouco tempo depois no Binance, durante o concerto  de Spellling (sim, o L é escrito três vezes). Substituição de última hora devido ao cancelamento de Georgia,  o projecto de Chrystia Cabral  protagonizou um concerto bem sólido à base de uma pop doce, de sabor clássico mas altamente ambiciosa , que serviu  para  relaxar a alma mas que precisava da intimidade( lá está outra vez essa maldita palavra) de uma sala para recriar todo aquele encanto dos álbuns de estúdio. Foi giro, soube bem, mas não chegou exatamente a deslumbrar. Noutro ambiente isso teria facilmente acontecido, pelo que resta somente esperar.

Quem  esteve  bem melhor -   extraordinária, na verdade - foi Kim Gordon,  essa autêntica  rainha do rock  que aqui se apresentou a solo, acompanhada por três mulheres que a ela se juntaram para exibir uma feminilidade feroz, sedutora e orgulhosamente indomável. Com uma postura magistral, tão enigmática quanto irreverente,  a ex- Sonic Youth ergueu um manto sonoro  surrealmente  envolvente, ali entre o experimentalismo  dissonante e  ritmos pulsantes que piscam o olho ao universo do hip hop, sobretudo ao  do trap. O resultado foi uma prestação  de inegável força e elegância, desafiante  e ousada, uma soberba escultura de distorção transcendente construída por uma mulher que, aos 69 anos, continua a  encontrar novas formas de se reinventar . Por entre os temas do incrível “ No Home Record” , já de 2019,  uma cover dos DNA e ainda a recente  “Grass  Jeans”, Kim Gordon  mostrou-se ora misteriosa, ora reivindicativa, mas sempre carismática e magnificamente  singular. Aquele final apoteótico,  guitarra a ser freneticamente manipulada e rodada pelo palco, ainda mais ruído a ser implacavelmente arrancado como um exorcismo divinal, provou -  dúvidas restassem - que Gordon é absolutamente uma deusa a viver entre humanos. E que muitos homens não lhe chegam aos calcanhares.

Parte 3

Depois, por volta das 21:20, chegou  a  hora de Nick Cave. Ele , que há quatro anos, neste mesmo palco e local, tinha protagonizado um concerto estrondoso, arrepiante , solene e irrepetível. Um momento único que, por isso mesmo, não voltou a ser recriado,  mas não tinha necessariamente de o ser. Foi diferente, mas conseguiu ser na mesma  apaixonante,  revigorante e inesquecível. Até porque Cave, como bem se sabe, é um grandioso performer(um dos melhores dentro do rock, verdade seja dita) dotado de um carisma inigualável, e isso foi mais do que evidente ao longo de toda a atuação. Uma atuação que, de resto, voltou a ser um emotivo momento de catarse coletiva. Alternou  entre um registo  mais intenso e endiabrado( como em “ From Her to Eternity”, por exemplo) e um tom mais ameno e contemplativo, embora sempre emocionalmente poderoso, como  se verificou em “O Children” (e aqui, nesta canção dedicada a “ todas as crianças” não  há como não pensar nas mortes dos filhos de Cave, a mais recente ocorrida somente há um mês). Pelo meio torna-se notória a importância que Warren Ellis assume não só para a banda, como para Cave. Uma relação criativa, sim, mas também profundamente pessoal; Warren não é apenas companheiro musical, é também amigo e confidente, e os laços entre os dois cada vez mais parecem inquebráveis, o seu papel crucial a ser bem ilustrado na interpretação de temas como “White Elephant” ou a lindíssima “Carnage”. Pelo meio Cave ia repetindo “just breathe”  várias vezes, de diversas maneiras, e o público com ele “respirou” bem fundo e deixou-se contagiar pela magia poética, quase palpável e indescritivelmente bela, de uma prestação excecional. Despediu-se, já depois de tocar a sempre fantástica “ Into My Arms”, com “ Vortex” e “ Ghosteen Speaks''.

Também da Austrália veio outra  das grandes atrações do dia - os Tame Impala. A banda de Kevin Parker  é hoje  uma das maiores do mundo dentro do seu género ( e não só, na verdade), sendo que essa  grandeza acabou por ser refletida, de certa  forma, no espetáculo de luzes do grupo - colorido, suntuoso  e super dinâmico. Essa foi, aliás, uma das grandes fontes de fascínio deste concerto, pois musicalmente permanece a sensação de  que uma boa parte do público ainda prefere os temas dos dois primeiros álbuns,  os aclamados “ Innerspeaker” e "Lonerism". Seja como for, entre a ambição admirável da componente  visual ( realmente majestosa, não há como negar) e a sensação sempre agradável de escutar  clássicos modernos como “ Feels Like We Only Go Backwards” ou “  Runway, Houses, City, Clouds”, assistiu-se a um concerto muitíssimo competente e claramente bem dado.

Parte 4
por
em Reportagens


NOS Primavera Sound 2022 - Dia 1 [9Jun] Texto + Fotos
Queres receber novidades?
Comentários
Contactos
WAV | 2023
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
SSL
Wildcard SSL Certificates
Queres receber novidades?