3
QUI
4
SEX
5
SAB
B Fachada
6
DOM
Vëlla + Downfall Of Mankind
7
SEG
8
TER
9
QUA
10
QUI
11
SEX
12
SAB
13
DOM
14
SEG
15
TER
16
QUA
17
QUI
18
SEX
19
SAB
20
DOM
21
SEG
22
TER
23
QUA
24
QUI
25
SEX
26
SAB
27
DOM
28
SEG
29
TER
30
QUA
31
QUI
1
QUA
2
QUI
3
SEX

Os Mutantes @ Hard Club [1Dez2015] Texto + Fotos

04 de Dezembro, 2015 ReportagensGoncalo Tavares

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Vodafone Mexefest 2015 • A diversidade que mexe com a cidade

Old Jerusalem @ O Meu Mercedes Bar - Porto [27Nov2015] Foto-reportagem
mutanteswav-35

Que é esta incapacidade dos brasileiros de não fazerem baile? Os Mutantes declararam-se reis do mambo e do cha cha cha, respetivamente, e encheram o Hard Club com a vitalidade que enaltece os nossos compatriotas de outrora. Paralelamente, tocaram baladas de karaoke épicas e intervenções psicadélicas com sabor a manga e a limas. Eles pertenceram à “Tropicália”, um importante movimento cultural a irromper no Brasil na década de 60, e fizeram arte quando esta era a todo o custo contida. Enquanto os Chinchilas, os Diamantes Negros e demais amaciavam o rock em Portugal, vinha esta enorme força das terras da Baía. Ontem, revivemos.

O concerto abriu com “Technicolor”, take carioca à beatlemania, e com pouco mais fica exposta a versatilidade do programa. É de louvar o empenho destes titãs no song-making, muito diferente da cena atual, estabelecida numa estética geral e não na beleza das músicas individualmente: das duas uma, ou a banda tem valor artístico e por consequência assenta, ou ruma para o esquecimento. As composições dos Mutantes são desenvolvidas, originando um vasto guarda-roupa de canções onde nenhuma delas desnecessária. “Balada do Louco” é um dos sinónimos de Ney Matogrosso, mas a original é do grupo, soando aqui como em casa, “Cabeludo Patriota” arremessa um riff enquanto que “Time and Space” (do seu último álbum, Fool Metal Jacket) lembra o progressivo acústico de uns Jethro Tull.

Foram quase 2 horas de Rock 'n' Roll, dessa postura heróica de pegar na guitarra e ir para a proa do palco em completa ebulição. Sérgio Dias, vocalista/guitarrista, mentor e único membro da formação original, aparece no segundo encore com uma camisola interior e agradece profundamente. Antevê-se o seu cansaço. Tem 65 anos e traz uma parte substancial do pop-rock brasileiro às costas. A música, desde esse longínquo 1968 onde lançaram “Os Mutantes”, permanece imutável.

Uma nota para o Gringo Sou Eu, rapper que fez a abertura. A meio do concerto, ele despe o flow e os beats matreiros, pega numa pandeireta e desce para a plateia, palpando a sua música no público. A sua cassete de estreia já está disponível, com o selo da Lovers & Lollypops e uma dose de humildade sonora.

por
em Reportagens


Os Mutantes @ Hard Club [1Dez2015] Texto + Fotos
Queres receber novidades?
Comentários
Contactos
WAV | 2020
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
SSL
Wildcard SSL Certificates
Queres receber novidades?