28
DOM
1
SEG
2
TER
3
QUA
6
SAB
7
DOM
8
SEG
9
TER
10
QUA
11
QUI
12
SEX
13
SAB
14
DOM
15
SEG
16
TER
17
QUA
18
QUI
19
SEX
20
SAB
21
DOM
22
SEG
23
TER
Cut Copy
24
QUA
Cut Copy
25
QUI
26
SEX
27
SAB
28
DOM

Peter Murphy @ Casa da Música - Porto [17Mar2016] Texto + Fotos

21 de Maio, 2016 ReportagensJoão Rocha

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr
Casa da Música

Puce Mary – Understage – Teatro Rivoli, Porto [21Mai2016]

Black Rainbows + Miss Lava - Sabotage Club, Lisboa [16Mai2016] Foto-reportagem
IMG_9675

O último álbum de originais remota a 2014, e os anos de glória ficaram estagnados nos anos iniciais da década de 90. Com uma mini-tour de quatro concertos é de louvar o estranho fenómeno de dois deles acontecerem em Portugal. Ainda é de maior louvor, o facto de Peter Murphy, estrela maior do post punk e do rock gótico da década de 80/90, conseguir-se apresentar na passada terça-feira numa Casa da Música absolutamente cheia.

Ao entrar em palco, a figura pitoresca que desfilava até ao seu microfone debaixo de uma chuva de aplausos, fazia mais lembrar uma personagem dos Malucos do Riso pronto a afirmar a qualquer momento “até a barraca abana”. De calças justas a imitar cabedal, e um casaco muito reduzido sem nada por debaixo, a contrastar com uma barriguinha bem redonda que o casaco não quis esconder, o impacto inicial em nada faria transparecer o estatuto de estrela obscura que o ex-vocalista dos Bauhaus é.

Rapidamente essa sensação desvanece-se, e à medida que a voz de Murphy começa a ser projectada pela Sala Suggia, todos, velhos e novos, relembraram a razão pela qual a mesma se encontrava esgotada. Para abertura a escolha incidiu na faixa título do álbum de 1995 “Cascade”. A postura teatral e a sua voz pujante e sacerdotal (mesmo com problemas nela) comungavam em perfeição com a escuridão implementada na sala. A luz que emanava dos holofotes servia meramente para projectar a sombra da estrela, que chegou mesmo a recorrer de uma pequena lanterna para dar mais ênfase aos contornos obscuros e tenebrosos da sua feição e silhueta. O público não teve de esperar muito para ver os maiores sucessos serem revistos, apesar da ausência de “Cuts You Up”, e logo no início leva com um combo de “Indigo Eyes”, “All Night Long” e “Marlene Dietrich’s Favourite Poem”. “Strange Kind of Love”, a maior ovação da noite, fez-se ouvir mais tarde, depois de um momento tributo a Bowie, grande influência de Peter Murphy. A escolha para cover recaiu em “The Bewlay Brother’s” do álbum de 1971 “Hunky Dory”, e apesar de ser uma escolha bastante coadunada e bem interpretada por Murphy, causou algum desconforto a entrada descarada da letra da música para que este a pudesse seguir, retirando assim alguma da emoção que o momento pedia. Mais para o fim ficaram os temas dos Bauhaus, com “She’s in Parties” a arrancar gritos iniciais de fãs mais acérrimos da banda, e a causar um momento mais ritmado no concerto. “Hollow Hills” ficou para o encore, o momento fatalista de uma relação artista-público.

É certo que a noite, e apesar de este usar uma amarrada no casaco, não foi um mar de rosas para Peter Murphy. A tosse que atacava a sua voz, os problemas técnicos que faziam falhar instrumentos e microfones, e a descoordenação entre ele e a banda de suporte não fizeram deste o concerto mais memorável de sempre. No entanto, o público encontrava-se em sacramento pleno com aquele que se afirmou como “the blackstar, not the goth star”, e merecia muito mais do que a saída abrupta do palco enquanto ainda a música se fazia tocar, para regressar e fazer um encore fraco e curto de duas músicas, onde repetia a proeza de sair sem nada dizer. O público, cego de paixão pela estrela, pediu um segundo encore, um pedido que demorou muito mais tempo, um pedido que foi bem mais entusiasmante e melódico do que o próprio encore em si. Murphy não acedeu, e foi necessário a organização da Casa da Música ter de aumentar a intensidade das luzes para que o público dispersasse.

Enquanto estava no concerto, e a imagem da comparação à personagem dos Malucos do Riso surgiu, afastei desde logo a possibilidade de a escrever, mas no fim do concerto, e perante a reacção de um público abismado com o que sucedera, percebi que era inevitável não mencionar o célebre programa do Guilherme Leite uma vez que todos os que lá se encontravam ficaram interiormente com aquela expressão facial típica que imortalizava os fins dos sketches. E foi assim, em pouco mais de uma hora, que Peter Murphy conseguiu conquistar e despedaçar corações, uma atitude bem típica de uma rock star.

por
em Reportagens
fotografia Daniela Lapa


Peter Murphy @ Casa da Música - Porto [17Mar2016] Texto + Fotos
Queres receber novidades?
Comentários
Contactos
WAV | 2021
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
SSL
Wildcard SSL Certificates
Queres receber novidades?