13
QUI
14
SEX
15
SAB
16
DOM
17
SEG
18
TER
19
QUA
20
QUI
21
SEX
22
SAB
23
DOM
24
SEG
25
TER
26
QUA
27
QUI
28
SEX
29
SAB
30
DOM
31
SEG
1
TER
2
QUA
Jinjer
3
QUI
4
SEX
5
SAB
6
DOM
7
SEG
8
TER
9
QUA
10
QUI
11
SEX
12
SAB
13
DOM

Puce Mary - Maus Hábitos, Porto [19Mar2019]

01 de Abril, 2019 ReportagensJorge Alves

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr
Maus Hábitos

Mundo Cão - Lux, Lisboa [28Mar2019] Texto + Fotos

Radio Moscow - Hard Club, Porto [20Mar2019] Texto + Fotos
Colapso puro: é essa a sensação que a música de Puce Mary - alter-ego de Frederikke Hoffmeier - sugere, como se as consequências nefastas de uma iminente explosão de emoções assombrassem permanentemente as suas composições, numa eterna e feroz batalha entre luz e escuridão tão visual que se torna praticamente cinematográfica. Está-se, portanto, perante arte que se alimenta de um confronto sonoro entre tons tenebrosos e passagens contemplativas, quase como um ataque de esquizofrenia interrompido por breves momentos de lucidez.

O público portuense já havia mergulhado neste bizarro universo há três anos, quando a talentosa artista sonora oriunda da Dinamarca visitou pela primeira vez a Invicta, proporcionando uma memorável atuação no já conhecido Understage. Foram precisamente as boas memórias desse marcante serão e o desejo de voltar a sentir algo semelhante - agora com o magnífico disco The Drought na bagagem e no qual o concerto se baseou - que levaram o público a abandonar o conforto dos seus lares numa fria noite de terça-feira para o antecipado reencontro no Maus Hábitos.

Contudo, faltou a esta prestação alguma da magia que caracterizou a primeira, talvez pela escuridão do Understage se adequar melhor à encantadora viagem intimista de Puce Mary (cuja timidez, que a própria tenta combater nos momentos em que olha de forma incerta e efémera para o público, não passou aqui despercebida) ou talvez pelas poucas mas, ainda assim, incomodativas conversas que ocasionalmente se ouviam ao longo de uma atuação que pedia silêncio absoluto para ser devidamente apreciada e, acima de tudo, absorvida.

Todavia, mesmo na ausência da atmosfera ideal, Puce Mary provou ser uma das vozes mais fascinantes no atual universo da eletrónica exploratória, oferecendo quarenta minutos de uma poderosa e catártica sessão musical construída à base de diversas colagens - há noise, industrial e até spoken word - que formam uma narrativa tão coesa quanto emocionalmente avassaladora. Ora rodeada da maquinaria que usava para produzir surreais aventuras sonoras, ora caminhando pelo meio da audiência antes de voltar a refugiar-se na solidão de um palco parcamente iluminado, envolveu o Maus Hábitos numa teia de vulnerabilidade tensa e sedutora, mostrando que o sofrimento pode ser inebriante. Não terá sido um serão perfeito, mas foi certamente satisfatório.

por
em Reportagens
fotografia Hugo Adelino


Puce Mary - Maus Hábitos, Porto [19Mar2019]
Queres receber novidades?
Comentários
Contactos
WAV | 2021
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
SSL
Wildcard SSL Certificates
Queres receber novidades?