28
DOM
1
SEG
2
TER
3
QUA
6
SAB
7
DOM
8
SEG
9
TER
10
QUA
11
QUI
12
SEX
13
SAB
14
DOM
15
SEG
16
TER
17
QUA
18
QUI
19
SEX
20
SAB
21
DOM
22
SEG
23
TER
Cut Copy
24
QUA
Cut Copy
25
QUI
26
SEX
27
SAB
28
DOM

Rodrigo Amarante - Theatro Circo, Braga [2Jul2016]

07 de Julho, 2016 ReportagensSara Dias

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr
Theatro Circo

Gojira - Hard Club, Porto [7Jul2016] Texto + Fotos

Karma to Burn + Sun Mammuth - Cave 45, Porto [3Jul2016] Foto-reportagem
RODRIGO-AMARANTE-2-crédito-Elliot-Lee-Hazel-1908x2500 - Cópia

“We are speaking of love. A leaf, a handful of seed - begin with these, learn a little what it is to love. First a leaf, a fall of rain, then someone to receive what a leaf has taught you, what a fall of rain has ripened. No easy process, understand; it could take a lifetime, it has mine, and still I've never mastered it - I only know how true it is; that love is a chain of love, as nature is a chain of life.”

Agridoce. Não há melhor palavra para descrever a música de Rodrigo Amarante que nos remete para um fim de tarde do último dia de Verão, onde ainda vestimos vestidos curtinhos e floridos, mas que um arrepio já toma conta de nós quando o sol se começa a pôr. Sentimos um arrepio a percorrer-nos a espinha, um friozinho nas perninhas desnudas e a rotina do quotidiano a encherem-nos o que antes era ocupado por despreocupação e gelados de framboesa. Poderíamos até ir mais longe: doce como Capote descreve Dolly, azeda como esse mesmo Capote descreve Verena. Amarante pinta-se de melodias e de tons infantilmente puros e imaculados como Collin Fenwick, mas ao mesmo tempo de letras que nos deixam m um trago amargo na boca – o mesmo Collin, que não é mais que uma criança e que vê a mãe falecer e o pai a enlouquecer.

É certo e sabido que Rodrigo Amarante é um dos nomes mais sonantes da música brasileira contemporânea, quiçá um dos nomes mais sonantes da história da música brasileira de sempre. Amarante não tem só uma carreira a solo apoiada em Cavalo, lançado em 2014, mas também tem uma mão cheia de projetos como Los Hermanos, Little Joy e a Orquestra Imperial. E não é também de admirar que o Theatro Circo estivesse praticamente cheio à espera de um Rodrigo Amarante animado – chegou até a esperar que toda a gente ocupasse os seus lugares, a mandar piadas e a tentar ver as caras daqueles que encheram o Theatro, - mas sempre embrenhado naquela nostalgia que lhe sai pela boca e a cada dedilhada na sua guitarra. Ouvimos Cavalo com especial destaque para a nostálgica “Irene” – “Saudade, eu te matei de fome / E tarde, eu te enterrei com a mágoa / Se hoje eu já não sei teu nome / Teu rosto nunca me deu trégua” - e para a melancólica “Tardei”. Já o ponto alto deu-se com “Evaporar”, música lançada pelos Little Joy, mas que Amarante inclui com alguma frequência nos seus sets – felizmente. Presenciamos a um concerto memorável e incrivelmente intimo dado ao tamanho do Theatro.

“Of all things this was the saddest, that life goes on: if one leaves one's lover, life should stop for him, and if one disappears from the world, the world should stop, too; and it never did. And that was the real reason for most people getting up in morning: not because it would matter but because it wouldn't.”

Citações retiradas de The Grass Harp, Including A Tree of Night and Other Stories de Truman Capote.
por
em Reportagens


Rodrigo Amarante - Theatro Circo, Braga [2Jul2016]
Queres receber novidades?
Comentários
Contactos
WAV | 2021
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
SSL
Wildcard SSL Certificates
Queres receber novidades?