15
SAB
16
DOM
17
SEG
18
TER
19
QUA
20
QUI
21
SEX
22
SAB
23
DOM
24
SEG
25
TER
26
QUA
27
QUI
28
SEX
29
SAB
30
DOM
1
SEG
2
TER
3
QUA
4
QUI
5
SEX
6
SAB
7
DOM
8
SEG
9
TER
10
QUA
11
QUI
12
SEX
13
SAB
14
DOM
15
SEG

Rodrigo Leão - A Vida Secreta das Máquinas @ CCB - Lisboa [24Mar2015] Texto + Fotos

30 de Março, 2015 ReportagensDiogo Alexandre

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Moonspell + Septicflesh + Bizarra Locomotiva @ Coliseu dos Recreios - Lisboa [27Mar2015] Foto-reportagem

Medeiros/Lucas @ Musicbox - Lisboa [19Mar2015]
DSC06559 - Cópia

Cá estamos nós outra vez, de volta ao CCB, desta feita, para ver o novo projeto de Rodrigo Leão. O músico dispensa apresentações mas este seu novo projeto ainda necessita de algumas: “A Vida Secreta das Máquinas” surgiu numa viagem que o músico fez a Goa (Índia), captando sons de diversos eletrodomésticos com o seu telemóvel. A ideia ganhou maior impacto aquando do Festival Lisb/On Jardim Sonoro (que ocorreu nos jardins do Parque Eduardo VII) e onde a estreou ao vivo.

Agora, já após um disco lançado (de 12 músicas), o músico decide trazer a ideia para mais junto do seu público nas grandes salas do país. Dia 24 foi a nossa vez de comprovarmos como soa ao vivo, esta sua nova aventura.

Sala escura, com os músicos a tocarem em contra luz atrás de um pano translúcido. É o início da viagem! Em “Fábrica Em G#” e “Muv” encontramo-nos já rendidos à genialidade do músico e percebemos o quão ambiental e trip-hop (quase chill out) é este novo projeto do ex-Sétima Legião. O músico pouco fala durante a atuação, apenas quando é estritamente necessário. E ainda bem.

A viagem continua pelas planícies desconcertantes de “Nocturnos”, onde o trombone faz a sua primeira aparição. A maneira como estas músicas se encaixam entre si é soberba, tornando este disco como uma autêntica experiência de vida, como uma longa viagem de comboio, à noite, pelo interior da Europa de leste.

Sensivelmente a meio do concerto, o músico interrompe a viagem e a maquinaria toda para tocar “três músicas das mais antigas”, proposta que o público aceitou com ânimo. “Alma Mater”, “Estrada” e “Comédia de Deus” foram as composições escolhidas para recordar os seus antigos trabalhos. O concerto, regressado às ambientalidades mais eletrónicas, prosseguiu suavemente, como se quer, enfeitiçando os presentes com as melodias compostas em palco. “Biometria” (com o quarteto das cordas a fazer milagres) e “136”, ambas acompanhadas por vídeos das mais diversas maquinarias antigas e/ou modernas (industriais e utilitárias) encerraram, indefinidamente, o concerto.

A surpresa da noite aconteceu no encore, com o músico, de forma homenageante, a tocar “Minha Cabeça Estremece”, poema de Herberto Hélder musicado por Rodrigo Leão, em 1997, e dedicado ao escritor após ter falecido na manhã daquele mesmo dia. Sem dúvida uma perda importante para a cultura portuguesa.

O espetáculo terminou, por fim, com uma segunda interpretação de “Fábrica Em G#” que nos dissolveu num transe profundo ao longo dos seus mais de 5 minutos de duração para depois acordarmos e reagirmos como se nada tivesse acontecido.

Fomos limpos auditiva e psiquicamente. Chegámos ao paraíso, encontrámos Deus e regressámos à Terra. Se esta é mesmo a vida secreta das máquinas então esperemos que Rodrigo Leão continue a desvendar todo o seu secretismo, de modo a podermos disfrutar mais algum do seu encanto num futuro próximo.

por
em Reportagens


Rodrigo Leão - A Vida Secreta das Máquinas @ CCB - Lisboa [24Mar2015] Texto + Fotos
Queres receber novidades?
Comentários
Contactos
WAV | 2024
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
SSL
Wildcard SSL Certificates
Queres receber novidades?