30
SEG
1
TER
2
QUA
3
QUI
4
SEX
5
SAB
B Fachada
6
DOM
Vëlla + Downfall Of Mankind
7
SEG
8
TER
9
QUA
10
QUI
11
SEX
12
SAB
13
DOM
14
SEG
15
TER
16
QUA
17
QUI
18
SEX
19
SAB
20
DOM
21
SEG
22
TER
23
QUA
24
QUI
25
SEX
26
SAB
27
DOM
28
SEG
29
TER
30
QUA

SWR Barroselas Metalfest 22 [26-28Abr2019] Texto + Fotogalerias

16 de Maio, 2019 ReportagensJoão "Mislow" Almeida

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Bad Religion - Sala Tejo, Lisboa [15Mai2019] Foto-reportagem

Frankie Cosmos - Galeria Zé dos Bois, Lisboa [14Abr2019] Foto-reportagem
O muito aguardado fim de semana de peso chegara a Barroselas. Após um dia zero bem mexido com Grog a ganhar o concurso de bandas para ir até ao Wacken, na Alemanha, seguiram-se três dias de muita correria e pancadaria.

Depois das pulseiras, o nosso arranque foi já com os portugueses Analepsy no palco principal. A receção deu-se como um paredão sonoro estrondoso, com o slam a ser lei e a encarregar um tareão descomunal de início ao fim. A chegada dos germânicos Venenum emoldurou a atmosfera do black numa espinha dorsal reminiscente do death old school sem a banda carecer de qualquer inspiração para material verdadeiramente arrebatador e refrescante. Por falar em arrebatador, o set dos italianos Grime no segundo palco? Que estrondo! Em estúdio, a banda eleva-se a níveis de sludge completamente nojentos, mas ao vivo a proporção multiplica-se de forma assoladora.

De seguida, viram-se uns destemidos Midnight com força e transparência para levar o furacão do palco principal até às costas do recinto. Foram malhas como “Penetratal Ecstasy”, “Black Rock’n’Roll” e “You Can’t Stop Steel”, cujo refrão serviu de mote para o resto da edição do festival, que levaram o público ao puro caos. Este que chega agora à sua plena forma com circle pits, mosh interminável e muito movimento, promete manter o nível para a receção aos The Black Dahlia Murder. Os americanos, que já sofreram inúmeras mudanças de alinhamento, parecem só ter otimizado a sua entrega em palco. Apesar do arranque de som um pouco embrulhado nos primeiros instantes, este rapidamente se encarnou em grande forma e explosão. Os throwbacks ao clássico Nocturnal com “What A Horrible Night To Have A Curse” e “Everything Went Black” foram pontos altos indiscutíveis.

Os Godflesh justificaram com peso, mecânica e um alinhamento de luxo porque é que foram cabeças de cartaz indiscutíveis do primeiro dia de festival. Apesar da pouca afluência de público na receção a este colosso do industrial, comparando com os concertos precedentes, a dupla de Broadrick e G.C. Green entregou uma setlist que reverberou com clássicos, sem esquecer o mais recente Post-Self. Sublinha-se o esmagador fecho com “Like Rats”, que só ajudou a promulgar este dia num evento verdadeiramente inesquecível. Com os corpos já a ceder ao cansaço, só os mais fortes aguentam para a “after-party” no palco terciário. Acid Cannibals marcaram o nível de intensidade numa constante altitude. Míticos.

Analepsy, Morte Incandescente e Venenum

Grime, Midnight e Sublime Cadaveric Decomposition

The Black Dahlia Murder, Godflesh e Acid Cannibals


O segundo dia começou com o sol a pavimentar as ruas, mas dentro da tenda do festival havia sombra e boa música. Primeiro, estavam os britânicos Vacivus com o seu death puro a instaurar o nevoeiro e negridão, mesmo antes dos portugueses Namek subirem ao palco principal. A coisa foi voltando à forma habitual, mas o já familiar ambiente do festival parecia nunca adormecer. Seguiam-se os veteranos do death finlandês, Demilich, no palco principal. Apesar das frequentes paragens entre músicas, que de uma forma quebram sempre o ritmo, a banda mostra que a idade é só um número e a experiência continua bem oleada e mastigada. Dopelord marcaram o retorno do stoner/doom no segundo dia, e a afluência do público acentuou com a chegada destes. Enorme parede sonora, entrega e ambiente. É difícil ignorar as caras sorridentes e a contagiosidade com que o público reage aos riffs!

Apesar da já anunciada saída do vocalista, este não deixou de dar o litro em palco juntamente com os veteranos do death britânico, Benediction. A emanar energia como se fosse ar nos pulmões e a subjugar o público a sucessivas convulsões de ataque e peso, ninguém ficou indiferente a estes senhores. Infelizmente, não se pode dizer o mesmo acerca de um dos nomes mais aguardados do festival, Imperial Triumphant. Com enorme potencial para ser o concerto do fim de semana, este acabou por afastar quase todo o seu público com as sucessivas falhas técnicas e o descontrolo total no PA. No entanto, é impossível obscurecer o talento e brutalidade musical por parte da banda. Kenny Grohowski é, de longe, um dos melhores bateristas da atualidade. Uma dica à organização para redimir o episódio, tragam-nos de novo. Mas em nome próprio.

De volta ao palco principal, os veteraníssimos Saint Vitus mostraram porque é que são, juntamente com Black Sabbath, Coven ou Pentagram, um dos precursores mais importantes do doom. Com Scott Reagers de volta e a entregar uma performance que desafia as físicas da idade, os californianos deram grande foco aos discos que contaram com a participação de Scott, sem nunca encontrarem obstáculos para convencer os mais dedicados a entranhar a alma e espírito de Saint Vitus. Como se a caminhada até aqui não tivesse sido memorável, brinda-se, agora em grupo, a testemunha em primeira mão de tamanhas lendas do heavy metal.

Summon, Vacivus e Namek

Demilich e Dopelord

Benediction e Imperial Triumphant

Saint Vitus e Ascension


Já encaminhado o terceiro e último dia do festival, Martelo Negro, que muito soam a Celtic Frost na era To Mega Therion, propuseram ao público um bom exercício de crust, punk e black. Um grande arranque. Mais tarde, viram-se uns americanos Crowhurst a desventrar as vísceras em plena SWR Arena à frente de pouco mais de 100 pessoas. Visceral faz pouca justiça à performance dos californianos, que ainda fecharam o concerto com uma improvável cover de Britney Spears. Arrojado!

Arkhon Infaustus subiram ao palco secundário para promover mais uma boa dose de black assombroso, mas aqui já todos estavam com a cabeça em Vomitory. Quer queiram quer não, os suecos continuam em forma e a devastar por onde quer que passem. Sem nunca desacelerar e amenizar a intensidade, este quarteto manteve postura, força e poderio sonoro sempre em grandes níveis. Pouco sobrou no recinto depois de tamanha demolição.

Os brasileiros Deafkids seguiram no palco secundário. Aqui, o já disperso público do Barroselas foi submetido a um intenso assalto aos sentidos. O d-beat trópico e helicoidal do trio de São Paulo fez tanto estrago espiritual quanto o cansaço ao fim do dia. A este ponto já ninguém aguentava em pé, mas já faltava pouco. Os suecos Craft subiram ao palco e, por coincidência com o cansaço, por admitidamente nunca terem tocado ao vivo antes deste novo disco entrar na fotografia, a verdade é que a banda pareceu estagnada e sem qualquer experiência ao vivo. Foi engraçado rever alguns clássicos imediatos de White Noise and Black Metal, mas fica a sensação de que faltou algo ao concerto. Nervosa e Serrabulho descarregaram a última réstia de energia daquele exausto público e garantiram que a festa no recinto principal acabasse em alta rotação.

Crowhurst, Arkhon Infaustus, Vomitory e Deafkids

Craft e Nervosa


Apesar dos cartazes de luxo e dos alinhamentos sempre de grande qualidade, todos reconhecem que a substância do festival vai muito além dos nomes de culto, dos clássicos imperdíveis ou das raridades atuais no avant-garde. Na verdade, o que faz do SWR o festival que é, passa pelas pessoas, pelas velhas, atuais e novas amizades que se criam no recinto, tal como o tão familiar ambiente. Não há carência de grandes concertos, o profissionalismo é constante no staff e não há falta de opções na comida e bebida. Apesar das pequenas falhas técnicas e do vagaroso mecanismo cashless nas pulseiras, há que sublinhar que quem lá vai uma vez, acaba por ir duas. E mais uma. E mais uma. Para o ano, aguarda-se o vigésimo terceiro Barroselas. Mesmo sem cartaz, não há como perder.
por
em Reportagens
fotografia Bruno Pereira


SWR Barroselas Metalfest 22 [26-28Abr2019] Texto + Fotogalerias
Queres receber novidades?
Comentários
Contactos
WAV | 2020
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
SSL
Wildcard SSL Certificates
Queres receber novidades?