27
SEX
Eyehategod
28
SAB
29
DOM
30
SEG
1
TER
2
QUA
3
QUI
4
SEX
5
SAB
B Fachada
6
DOM
Vëlla + Downfall Of Mankind
7
SEG
8
TER
9
QUA
10
QUI
11
SEX
12
SAB
13
DOM
14
SEG
15
TER
16
QUA
17
QUI
18
SEX
19
SAB
20
DOM
21
SEG
22
TER
23
QUA
24
QUI
25
SEX
26
SAB
27
DOM

Yob - Hard Club, Porto [27Out2018] Texto + Fotos

04 de Novembro, 2018 ReportagensJoão "Mislow" Almeida

"Despite knowing the journey... and where it leads... I embrace it... and I welcome every moment of it." - Arrival, Denis Villeneuve

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr
Hard Club

Stoned Jesus c/ Somali Yacht Club - Hard Club, Porto [31Out2018] Foto-reportagem

Unknown Mortal Orchestra - Hard Club, Porto [29Out2018] Foto-reportagem
No dia 27 de outubro, a cidade Invicta levitou sobre o planalto da Praça Infante D. Henrique. Mesmo no berço da zona histórica da cidade, encontravam-se inúmeras caras familiares, sorridentes e plenamente entregues ao aconchegar dos gélidos ventos que populavam a cidade. As baixas temperaturas já se encontravam em vigor, ao que não faltaram motivos para a entrada no tão familiar Hard Club. O  monólito kubrickiano em sangue vivo abriu caminho para o anoitecer. Quando lá dentro, é difícil não observar o soslaio daquilo que foi o Amplifest que contou com a presença de Yob em 2014 e Wiegedood em 2015. Neles ainda percorrem os olhares, os sorrisos, os abraços, a saudade. Passaram alguns anos e a aura permanece mais viva que nunca. Apesar de ainda não se poder matar as saudades, tem-se ainda algo vital, imperdível e (para alguns) muito espiritual, nas entranhas da sala 2 da estrutura.

Soube-se que os bilhetes haviam esgotado, por isso é seguro sublinhar o privilégio de acolher o retorno dos lendários Yob. O acompanhamento dos belgas Wiegedood, do coletivo Church Of Ra, foi sem dúvida um bónus a altura. Promovendo agora o ciclo completo da trilogia De Doden Hebben Het Goed, o trio belga colocou a saga em sangrento assalto. É com um equilíbrio perfeito entre intensidade, vibração e emoção que estes belgas conseguem algo especial. Mesmo não havendo muito espaço para notas graves, as melodias trancam o corpo em perfeita força de controlo. Sujeitando os riffs monstruosos a uma velocidade estonteante entre convalescentes blast beats e descargas energéticas, o grupo não só consegue dilatar o som como ainda ganha ângulo para o expandir. Em perfeita evidencia disso, estão a “Ontzieling” e “Cataract” que abriram a noite como lâminas bem aguçadas. Com este trio não há respostas fáceis à premissa do black metal, sendo o intuito o de brutalizar emoções e paisagens devastadoras, a banda fá-lo com estilo, atitude e uma filosofia muito mais “moderna”, do que a tradicionalmente observada. A banda fechou com “Prowl” e “Onder.Gaan Voznesenie”, onde tanto uma como a outra, ajudaram a sala a encontrar uma forma mais encorpada e declarada para culminar esta abertura, como um punho cerrado ou betão maciço, à rendição total.

Levando adiante as cerimónias, a sala compactou-se com a chegada de Mike Scheidt e seus compatriotas ao palco. Aquilo que veio após o prolongado soundcheck, foi algo de íntimo, visceral e divino. Os norte-americanos sempre possuíram essa vibração, e a sala esgotada estava bem ciente disso. Mas poder compenetrar toda a presença transversal de “Ablaze” em toda a sua melodiosa glória, é algo verdadeiramente indescritível. Empurrando massivos riffs compostos pela força, determinação e alento de todo o peso de alma que Mike ultrapassou neste últimos anos, sente-se a íntima conexão entre quem ouve e quem toca. Com a ensurdecedora reacção após o riff inicial da “The Screen”, a impulsionar o corpo plural do monólito, servem as impiedosas, mecânicas e estrondosas marteladas na têmpora, para ver que tal como Mike entrega o seu corpo à arte, o público entrega o seu corpo ao som.

O foco não recai somente em Scheidt. A atmosfera global da banda funciona como engrenagens de carne, osso e alma. Os solavancos estruturais de “The Lie That Is Sin”, o transporte cósmico de “Grasping Air”, enquanto bem acompanhados pelo Levy de Wiegedood, e até a title-track de Our Raw Heart, só ajudam a sublinhar o quão genuína, sincera e sólida, esta química procria em momentos de luta. Como se não bastasse, após uma hora de muita emoção e movimento, caiu sobre todos, o pináculo, o auge, o zênite, de uma noite para relembrar: “Marrow”.


All these words / Are dust within my mind / In these times
That burn within our sight / Yearning to know / Deep into the marrow”


Observando pelas expressões, o delírio é comum, omnipresente. O êxtase compõe-se em forma de pequenas pinceladas, cordas suaves e com a batida a ressoar em cada tendão. A distorção pesa um mundo inteiro, mas aquilo que torna Yob tão único, desesperantemente humano e verdadeiro, é o seu epicentro. A melodia, o contraste, o sentido berro no topo do corpo celestial, e a lágrima da face completamente entregue à existência. Com Yob, não se pode apenas ouvir ou “sentir” na banal definição da palavra. É digno de se ser aquilo que se ouve. Embalsamar o ruído, encarnar a ressonância, e simplesmente deixar ir. Como se em terra naufragarem, após do Porto levitarem, nada mudará esta noite, e o especial significado que esta ganhou após este concerto memorável.

É com um sorriso enorme que o Mike recebe o público apaixonado, e é com um sorriso que todos saem desta viagem. O retorno de uma viagem destas é sempre incerto. É por isso que importa saborear enquanto se pode.

Yob e Wiegedood
por
em Reportagens
fotografia Bruno Pereira
Bandas Wiegedood , Yob

Yob - Hard Club, Porto [27Out2018] Texto + Fotos
Queres receber novidades?
Comentários
Contactos
WAV | 2020
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
SSL
Wildcard SSL Certificates
Queres receber novidades?