26
SEX
27
SAB
28
DOM
1
SEG
2
TER
3
QUA
6
SAB
7
DOM
8
SEG
9
TER
10
QUA
11
QUI
12
SEX
13
SAB
14
DOM
15
SEG
16
TER
17
QUA
18
QUI
19
SEX
20
SAB
21
DOM
22
SEG
23
TER
Cut Copy
24
QUA
Cut Copy
25
QUI
26
SEX

Branches - Casa Nossa

Branches - Casa Nossa - 2014
Review
Branches Casa Nossa | 2014
Luis Masquete 29 de Setembro, 2014
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Thom Yorke - Tomorrow's Modern Boxes

Interpol - El Pintor
Quando se começou a produzir sons enquanto ato de recriação, todo o conceito de “música” se restringia a uma ínfima componente monofónica, da qual gradualmente nos fomos emancipando de forma reacionária (não por conservadorismo, mas por necessidade). Daí nasce a sensibilidade melódica com que distinguimos a senda dos cantos gregorianos das acentuações de Paganini, entre as quais (e entretanto) diversas etapas cimentaram os degraus que nos permitiram ascender ao El Dorado da música moderna. Por cada pisada singular, uma nova perspetiva ao abordar a canção, seja a nível do som ou do método, sem que alguma vez nos seja retirada aquela sensação (ainda sem nome próprio) de nos deliciarmos com um disco.

Pedro Rios é a sombra por detrás das sombras criadas com Branches, expoente artístico do músico/produtor portuense, onde a espinha dorsal das suas obras se torna cada vez mais rija, consoantes as camadas que se lhe vão sobrepondo. Com 8 anos a navegar por entre guitarras em loop e teclas espaciais, Casa Nossa chega-nos quase como uma espécie de “Agenda da Década” (citando eu António Costa, Belém já não lhe escapa), com o culminar do projecto a solo mais comunitário de Portugal. Esvaziando a mente ao som de “Inspirar”, cerca de minuto e meio é o tempo que nos separa de uma realidade paralela (sem quaisquer ebriedades ou cenas do tipo), com a faixa de abertura a servir de “manequim” do disco desde o momento em que nos damos a imaginar as cores e formas de uma casa que também é nossa.

Quando a consistência de um disco perde o destaque para a sua essência, esboças “aquele” sorriso de quem quase se podia gabar, apenas o estar a ouvir. 28 mininutos de uma banda sonora demasiado boa para o ser, homemade por entre 4 íntimas paredes, onde o recurso a vários instrumentos inibiu os blocos de cimento em seu redor, como se cada cluster ou acorde lhe fosse concedida uma viagem económica ao Pacífico Sul.
por
em Reviews
Bandas Branches

Branches - Casa Nossa
Queres receber novidades?
Comentários
Contactos
WAV | 2021
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
SSL
Wildcard SSL Certificates
Queres receber novidades?