12
QUA
13
QUI
14
SEX
15
SAB
16
DOM
17
SEG
18
TER
19
QUA
20
QUI
21
SEX
22
SAB
23
DOM
24
SEG
25
TER
26
QUA
27
QUI
28
SEX
29
SAB
30
DOM
31
SEG
1
TER
2
QUA
Jinjer
3
QUI
4
SEX
5
SAB
6
DOM
7
SEG
8
TER
9
QUA
10
QUI
11
SEX
12
SAB

Deafkids & Petbrick - DEAFBRICK

Deafkids & Petbrick - DEAFBRICK - 2020
Review
Deafkids & Petbrick DEAFBRICK | 2020
João "Mislow" Almeida 21 de Setembro, 2020
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Marilyn Manson - We Are Chaos

All Them Witches - Nothing as the Ideal
Os Deafkids, com quem se teve uma extensa conversa no último SWR Barroselas Metalfest, têm sido um fenómeno a nível de reconhecimento internacional. Algo que espanta não só pela distante localização geográfica (São Paulo, Brasil), bem como pela novidade e dimensão do projeto em termos de catálogo. Com Configuração do Lamento e Metaprogramação, bem como vários EPs, splits e remixes a compor o CV, a banda tem-se dedicado a criar uma autêntica tempestade de d-beat, música urbana, industrial e psicadélico. Com um timbre espectral a elevar o protesto humanitário acima da maquinaria política, urge destacar o projeto de forma imperdível e muito necessária! A dupla Petbrick, que marcou presença num dos poucos concertos que se reportaram este ano, é composta pelo producer vertiginoso Wayne Adams (Big Lad, Death Pedals) e Iggor “Unfuckwithable” Cavalera (ex-Sepultura, Cavalera Conspiracy, Soulwax), que dispensa toda e qualquer apresentação.

Com a união a fazer a força, meses antes do último Roadburn, foi anunciada a estreia absoluta de um projeto colaborativo entre os Deafkids e os Petbrick. O agora defunto Het Patronaat - belíssima venue, diga-se - foi o epicentro da arrebatadora e desgovernada impulsão sonora, que serviu de matéria bruta para emoldurar, um ano depois, DEAFBRICK! Com lançamento em parceria entre a britânica Rocket Recordings (do lado dos Petbrick) e a americana Neurot, editora de Neurosis (do lado dos Deafkids), 2020 trouxe consigo um disco altamente experimental. Se já é um autêntico clusterfuck tentar definir ou encaixar os dois projetos numa só etiqueta musical, juntos então torna-se impossível. Dito isto, a música que preenche DEAFBRICK é incompatível com qualquer ideia pré-concebida. O disco vive como se de uma mutação se tratasse. No seu cerne, confrontam-se bases fulcrais do punk, do noise psicadélico e do industrial, com todo o desenho genético a variar, transformar e adaptar-se em função da pura e crua deformidade estrutural.

A iniciar e terminar os 39 minutos mais transformativos desta dimensão consciente, estão os flancos “Primeval I” e “Primeval II” a assegurar que a saída e reentrada na realidade é feita da forma mais cuidadosa e contemplativa. Uma transição que se mostra basilar logo à entrada da rebuscada “Força Brutal”, com o ouvinte a ser imediatamente engolido num imenso tumulto de ruído, d-beat, distorção e gritos ecoados em vigor impetuoso. Não bastando esta como exemplo, temos também a “Sweat-Drenched Wreck” e “Free Speech For The Dumb” como perfeitos modelos da mutação do punk num aglomerado de power chords a fundir com uma fortíssima presença de ruído mecânico. Imagine-se que Alpinist ou His Hero Is Gone estavam num futuro remoto a querer comunicar ao mundo presente o quão fudidos estamos com este ano de merda. O espectro de proliferação improvisada vive-se com boa matéria prima, onde faixas como “The Menace Of The Dark Polar Night” ou “O Antropoceno” questionam, refletem e brindam o ouvinte com momentos para recuperar o fôlego, sem perder de rasto a absurda dimensão a que a música nos transporta.

Destaque total à transformação microcósmica em forma de trituração cerebral, a “Máquina Obssessivo-Compulsiva” é absolutamente esmagadora. Bass no máximo a suster a surdez mental e uma total iluminação resplandecente na batida mecânica que domina a faixa de ínicio ao fim. A “Mega-ritual” não fica atrás, com uma rendição à repressão e zero piedade! A intervenção do Iggor é inconfundível, e se há momentos no disco que elevam a colaboração além da vertigem, são estes. Que estrondo de álbum! É raro encontrar colaborações, especialmente fora de géneros mais concretos e seguros, que resultem de forma tão eficaz e capacitada. Quando a experimentação, exploração e navegação são tão amplos e revigorados, existe sempre um risco de deixar a narrativa cair no espaço da incoerência. No entanto, se há algo que DEAFBRICK conseguiu e bem, foi consistência de primeiro grau. Para quem gosta de metamorfoses sónicas, paredes de ruído e caos total, façam o favor de averiguar um dos discos mais essenciais do ano.

 
por
em Reviews
Bandas Deafkids , Deafkids & Petbrick , Petbrick

Deafkids & Petbrick - DEAFBRICK
Queres receber novidades?
Comentários
Contactos
WAV | 2021
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
SSL
Wildcard SSL Certificates
Queres receber novidades?