5
DOM
6
SEG
7
TER
8
QUA
9
QUI
10
SEX
11
SAB
12
DOM
13
SEG
14
TER
15
QUA
16
QUI
17
SEX
18
SAB
19
DOM
20
SEG
21
TER
22
QUA
23
QUI
24
SEX
25
SAB
26
DOM
27
SEG
28
TER
29
QUA
30
QUI
31
SEX
1
QUI
2
SEX
3
SAB
4
DOM
5
SEG

Femi Kuti & Made Kuti - Legacy +

Femi Kuti & Made Kuti - Legacy + - 2021
Review
Femi Kuti & Made Kuti Legacy + | 2021
João Rocha 30 de Março, 2021
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Big|Brave - Vital

Nick Cave & Warren Ellis - Carnage
O ano é 1977, e o controlo da Nigéria encontra-se novamente nas mãos de uma junta militar. A 18 de fevereiro, o exército mobiliza um milhar de soldados para cercar um conjunto de casas nas proximidades de Lagos. As casas amarelas contrastavam com todo o arame farpado que as circunscrevia e protegia. Em pouco mais de quatro horas, o exército nigeriano havia-as reduzido a cinzas, após espancamentos e violações brutais aos seus habitantes. Do nada, o sonho da República Kalakuta deixou de existir, e o seu criador foi enviado para o exílio.

Kalakuta nada mais era do que uma comuna criada pelo multi-instrumentista Fela Kuti, onde habitava juntamente com a sua família e os familiares dos integrantes da sua banda – os Africa 70. O objetivo de Olusegun Obasanjo, líder da junta militar, ao intentar tamanha operação era intimidar e silenciar a fama de Fela, e assim afastar dos olhos do mundo às irregularidades e atentados perpetuados na Nigéria na altura.

Contextualizando: Fela Kuti era uma estrela internacional; criou e foi o maior impulsionador do afrobeat; viveu nos EUA e confraternizou com as grandes estrelas da época. No entanto, nunca virou a cara às dificuldades do seu país, e cedo regressou a ele, instalando-se em Kalakuta e usufruindo do seu estatuto de celebridade para chamar a atenção da comunidade internacional. Transformou as suas músicas em armas de guerrilha, candidatou-se a presidente, mas viu a sua candidatura ser afastada pelo regime. É um dos nomes maiores da música africana (se não mesmo o maior), dedicando a sua vida à divulgação do afrobeat, à contestação social e à luta pela melhoria da vida dos seus conterrâneos. Agora, duas décadas após a sua morte, dois dos seus descendentes decidem honrar e celebrar a vida desta lenda da música.

O resultado é este Legacy +, um álbum duplo, que em boa verdade são dois álbuns distintos. A sua origem acontece aquando da gravação do novo material de Femi Kuti. O filho mais velho da lenda africana seguiu os passos do pai enquanto impulsionador do universo afrobeat, primeiro enquanto líder do projeto musical iniciado pelo seu ascendente – os Egypt 80 –, depois, e até hoje, em nome próprio. É de louvar a dedicação do clã Kuti à perduração do nome e ao “negócio de família”. E o talento, claro. Os Egypt 80 continuam a existir, agora liderados por Semi Kuti, o filho mais novo. Em 2019 passaram por Portugal, no festival MIMO, em Amarante.

Mas regressemos a Femi. Multi-instrumentista, sagrou-se particularmente prendado no saxofone, tendo investido numa carreira musical que visasse a divulgação do género pelo mundo. Em 2001 contou com colaborações de Mos Def e de Common no seu álbum Fight to Win, numa abordagem mais contemporânea e acessível da sua música para o público generalista. Nome maior da música africana, produzia com poupa e circunstância o seu novo trabalho Stop the Hate, que viria a tornar-se a primeira parte deste Legacy +. Femi segue uma linha totalmente colada à escola do pai: música de intervenção ritmada, onde se manifesta contestação através da festa. As batidas clássicas do afrobeat estão todas lá, acompanhadas por um exército de saxofones e outros instrumentos de sopro, harmonizados por guitarras sublimes. As letras são simples mas eficazes, sendo notório que os problemas de África (e do mundo) continuam a ser os mesmos: a corrupção do sistema e a opressão dos mais fracos. “You Can’t Fight Corruption With Corruption” é perentória, e em “Privatisation” quase conseguimos sentir a dor da inacessibilidade da posse. Até na energética “Pà Pá Pà” (e desafio o leitor a ouvi-la sem abanar o corpo) cada estrofe é um manifesto político. É tudo simples, tudo direto, escrito, feito a pensar no cidadão comum, o que faz desta parte do álbum uma maravilhosa experiência não só musical como social.

Ora, é durante estas gravações que Femi decide desafiar o seu filho (que era parte integrante dos músicos envolvidos) a gravar também ele umas músicas e criarem juntos um álbum duplo. Made Kuti, que, tal como o seu avô, estudou no prestigiado Trinity Laban Conservatoire, em Londres, e cresceu rodeado das influências musicais da família, mas também das vivências e das sonoridades cosmopolitas do século XXI. Aceita o desafio do pai e nasce aquele que poderá ser considerado o seu primeiro álbum: For(e)ward. E assim se completa Legacy +. Fruto da sua visão mais globalizada, o álbum torna-se menos centrado na revindicação (ainda que exista espaço para ela) e volta-se para os lugares comuns da paz e da empatia. “Your Enemy” é soberba nesse aspeto, mostrando-nos uma visão acinzentada do crime e das motivações de quem cai nessa vida. Musicalmente, Made está preso ao “negócio da família”, mas a sua instrução e salto temporal e cultural permitem-lhe arrojar sonoridades mais contemporâneas, piscando o olho ao hip-hop e ao jazz. “Blood” é o melhor exemplo de como ousar mexer em fórmulas sagradas em jeito de homenagem. De facto, e apesar de ainda ser uma pedra sem polimento, parece-nos que o futuro do afrobeat poderá passar por aqui.

Apesar de abrir o espectro do género que Fela ergueu, tanto Femi como Made estão vinculados a esta tradição sonora. Unidos num só, pai e filho, ou filho e neto, honraram um projeto que vai muito para lá da música. Seria redutor falar só da sonoridade dos Kuti, ou ofensivo dançá-los sem a consciência do que estamos a celebrar. Quarenta e quatro anos após o cerco de Kalakuta, a celebração continua a ser uma arma contra o mesmo tipo de opressão. Legacy + é o resultado de um entendimento geracional em prol de uma consciencialização social mais plena e empática. Legacy + é o saber manter, e até elevar, o peso do nome de família. Legacy + é obrigatório este ano.
por
em Reviews


Femi Kuti & Made Kuti - Legacy +
Queres receber novidades?
Comentários
Contactos
WAV | 2021
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
SSL
Wildcard SSL Certificates
Queres receber novidades?