13
QUI
14
SEX
15
SAB
16
DOM
17
SEG
18
TER
19
QUA
20
QUI
21
SEX
22
SAB
23
DOM
24
SEG
25
TER
26
QUA
27
QUI
28
SEX
29
SAB
30
DOM
31
SEG
1
TER
2
QUA
Jinjer
3
QUI
4
SEX
5
SAB
6
DOM
7
SEG
8
TER
9
QUA
10
QUI
11
SEX
12
SAB
13
DOM

Gaerea - Limbo

Gaerea - Limbo - 2020
Review
Gaerea Limbo | 2020
Pedro Sarmento 03 de Agosto, 2020
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Imperial Triumphant - Alphaville

Massive Attack - Eutopia
O panorama musical português sente-se de forma muito familiar. Para além de muitos dos seus elementos se cruzarem entre amizades, relações, gostos e ideias, existe também uma pequena mas diversa e substancial variedade de artistas por onde escolher. Assim o é, que qualquer ouvinte estaria submetido a uma viagem por todo o espectro musical com apenas uma mão cheia de nomes deste cantinho. Gaerea tem sido um nome sinónimo ao crescimento desta cena. Diante de vós, afirma-se um quinteto que, há uns meros quatro anos atrás, rondava desconhecidamente as pequenas salas portuguesas com toda a ambição por coisas maiores. Enquanto os primeiros dois lançamentos oficiais da banda (tanto a estreia em EP como o primeiro álbum de originais Unsettling Whispers – lançado pela anterior editora Transcending Obscurity) demonstram um songwriting arrebatador e uma forte componente performativa e emotiva no seu cerne. Ao fim e ao cabo, isto não passou da ponta do icebergue para aquilo que ainda estaria para vir. Depois de incansáveis digressões pelo próprio país, Espanha, França, Europa e até China, Gaerea anunciou por fim o entrelaçar de uma ligação com a colossal Season of Mist Records, fazendo-se acompanhar pela chegada do segundo disco de originais: Limbo.

Se a discografia até então se velava em promessa, com Limbo a banda sedimenta-se e aniquila qualquer dúvida que pudesse persistir. E não se trata de um aniquilar atabalhoado, tenso e ofegante. Não. O monstro da incerteza é lapidado com mestria calculada, como um feitiço cuja fatal inevitabilidade se revela imediatamente mal são proferidas as primeiras palavras de esconjuro. “To Ain” e os seus onze minutos de faixa introdutória são o bordar da maldição. Atmosferas de sombra instrumental, variações temporais, e uma prestação vocal em que é mesmo possível sentir pedaços de coração e tripa nas ondas sonoras. A purga é feita, do caos para o nada, e seguem-se “Null” e “Glare”. A viagem ganha embalo e a banda revela mais cartas de proficiência técnica e bom gosto. As primeiras notas de “Conspiranoia” estimulam a imaginação pictórica: plano do protagonista a suar, olho esbugalhado, fronte tensa, inquieto, confuso e amedrontado.

O sentimento mantém-se durante o primeiro terço da faixa; se há algo que Gaerea nos ensina é que a nossa perceção do tempo obedece a regras caprichosas na cara do vórtex dos sentimentos mais negros. Destaque para o videoclipe, com planos icónicos que transformam matéria, lugar e edifício em cinematografia com laivos Kubrickianos. O visual do simbolismo negro de Vepar é sempre figura central e rege o fluxo da ação, a melhor referência possível para o som da banda, englobando o poder da água, da morte e da vida. A catarse atinge-se com “Mare” com uns premonitórios treze minutos de duração. O choque provocado nos últimos minutos do tema é abrupto, e compara-se a alguém que acorda de um transe, que expira de alívio, que deixa sair a raiz do mal. Chegámos ao limbo do ser. Resta-nos perceber que rapidamente voltaremos ao ciclo do início, ao topo da montanha que fomenta a queda. A viagem auditiva voltará prontamente a ser uma necessidade.

Apesar da chegada de uma pandemia ao mundo, e com muitos dos prometidos concertos a sucumbirem aos cancelamentos e/ou adiamentos, o grande époque de Gaerea manteve-se inerte e inadiável. Afirmando-se como um padrão e exemplo a todos os que procuram trabalho árduo para que se alcance as devidas alturas de reconhecimento, Limbo poderá vir a ter uma multiplicidade de significados para com alguns dos seus ouvintes portugueses. Além de criar, respeitar e concluir uma grandiosa e sólida composição conceptual, o disco mergulha com uma autêntica super-força nietzscheana naquilo que é a navegação no lodo cósmico, expelindo no processo toda uma proeza de determinação triunfante. A escrita pode muito bem ser a maior evidência de crescimento neste percurso da banda, mas é o resultado final que edifica o seu imponente volume.

 

por
em Reviews
Bandas GAEREA

Gaerea - Limbo
Queres receber novidades?
Comentários
Contactos
WAV | 2021
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
SSL
Wildcard SSL Certificates
Queres receber novidades?