30
SEX
31
SAB
1
DOM
2
SEG
3
TER
4
QUA
5
QUI
6
SEX
7
SAB
8
DOM
9
SEG
10
TER
11
QUA
12
QUI
13
SEX
14
SAB
15
DOM
16
SEG
17
TER
18
QUA
19
QUI
20
SEX
21
SAB
22
DOM
23
SEG
24
TER
25
QUA
26
QUI
27
SEX
28
SAB
29
DOM
30
SEG

Go Ahead and Die - Go Ahead and Die

Go Ahead And Die - Go Ahead And Die - 2021
Review
Go Ahead And Die Go Ahead And Die | 2021
Jorge Alves 24 de Junho, 2021
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Fear Factory - Aggression Continuum

King Buffalo - The Burden of Restlessness
Comece-se por afirmar o que urge ser dito: está aqui um dos melhores discos que Max Cavalera gravou ao longo da sua longa e ilustre carreira. E não, não é exagero nenhum afirmá-lo, é a mais pura e crua verdade – tão pura e crua como a música que aqui se escuta. Metal/punk old school cavernoso, demolidor e implacável; acima de tudo, feito com uma categoria capaz de trazer lágrimas aos olhos. Na verdade, será um desafio para qualquer apreciador de música pesada da “velha escola” resistir a esta coleção de malhas – sim, porque é exatamente isso que aqui temos, malhas que parecem relíquias perdidas do underground dos anos 80, numa espécie de tributo ao passado que moldou o influente músico brasileiro, mas feito a pensar no presente.

De facto, a própria formação destes Go Ahead and Die (repare-se na pujança do nome, e em como está em perfeita sintonia com o som) vive de um fascinante cruzamento de gerações, com Max na posição de veterano a colaborar com o filho mais novo, Igor Amadeus  Cavalera, e com o excelente (mas mesmo excelente, há que deixar bem claro) baterista que é Zach Coleman (Khemmis e Black Curse). Uma escolha que, de resto, mostra como ambos os Cavalera (neste caso, pai e filho) prestam atenção ao que se vai fazendo atualmente no mundo do som extremo, incorporando umas quantas influências modernas, sobretudo de bandas como Gatecreeper ou Conan, e misturando-as com pérolas antigas como Hellhammer, Celtic Frost, Sodom, Napalm Death, Discharge, entre outros tesouros do baú da música pesada. Aliás, uma das grandes atrações deste disco é observar que foi feito por fãs que eventualmente se tornaram músicos, alternando de forma espantosa entre a vontade de homenagear e o desejo de deixar a sua própria marca.

Outro aspeto que não pode ser ignorado é a performance irrepreensível e apaixonadíssima de Max, pois há muito tempo que não o víamos tão cheio de garra e energia, e isso deve-se completamente ao facto de estar a tocar com o filho – uma união bem bonita, inspiradora e, acima de tudo, um sonho que o papá orgulhoso ansiava poder concretizar. É certo que já tinham partilhado palcos, incluindo em Portugal, no Rock in Rio 2010, onde o “Igor pequeno”, como Max o descreveu na altura, interpretou na bateria o hino dos Sepultura “Troops of Doom”, mas esta foi a primeira vez que estiveram juntos em estúdio, dividindo entre si a gravação das guitarras, baixo e vozes.

Já a escrita das letras, ainda que um esforço coletivo, teve uma contribuição mais significativa da parte de Igor, explorando temas como a pandemia ou a brutalidade policial – quase como uma galeria de horrores da realidade contemporânea – e evocando aquela deliciosa atmosfera irreverente e inconformista de no fucks given que caracterizava os Nailbomb. Sente-se bem na pele, aliás, a indignação de natureza punk em versos como “It's always authority killing minorities” ou “fascist fucking pigs”, este último proferido com um nível de intensidade tão visceral e intimidante que até dá vontade de partir tudo. É música de protesto, na onda de uma “Refuse/Resist” dos Sepultura, com Max a revisitar os tempos em que se encontrava revoltado com o mundo e usava o metal como uma plataforma para, entre outras coisas, descarregar toda a raiva e frustração que nele residia.

Quanto a composições que se destacam, não há como negar a força do refrão marcante de “Punisher” (“Life despises you/ Death denies you”, repete Max como se fosse um slogan berrado numa marcha), os riffs recheados de um groove aliciante – a relembrar o período áureo dos Helmet (um caso onde as referências são um pouco mais modernas) – em “El Cuco”, a impressionante combinação do ataque direto e ríspido dos Hellhammer com paisagens death metal em “G.A.A.D.”, ou o soberbo registo punk, sujo e agressivo como manda a tradição, de “Worth Less Than Piss”, título sem papas na língua que podia batizar uma música dos Nailbomb. Todavia, o que mais contagia é mesmo o tom rasgado e cheio de atitude de Max; aquela simplicidade genial, muito mais alimentada pelo sentimento e paixão desenfreada do que pela técnica, que dá a estas composições um toque extra de genuinidade refrescante. Enfim, não é um disco que vá mudar as regras do jogo, mas é uma “jarda” brutalíssima, bem tosca (no bom sentido) e grotesca… Quarenta e três minutos de irresistível “porrada” sonora. E mais não se pedia.

por
em Reviews


Go Ahead and Die - Go Ahead and Die
Queres receber novidades?
Comentários
Contactos
WAV | 2021
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
SSL
Wildcard SSL Certificates
Queres receber novidades?