27
TER
28
QUA
29
QUI
1
SEX
2
SAB
3
DOM
4
SEG
5
TER
6
QUA
7
QUI
8
SEX
9
SAB
10
DOM
11
SEG
12
TER
13
QUA
14
QUI
15
SEX
16
SAB
17
DOM
18
SEG
19
TER
20
QUA
21
QUI
22
SEX
23
SAB
24
DOM
25
SEG
26
TER
27
QUA

Jibóia - Masala

Jibóia - Masala - 2016
Review
Jibóia Masala | 2016
Goncalo Tavares 14 de Abril, 2016
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

The Body & Full of Hell – One Day You Will Ache Like I Ache

Iggy Pop - Post Pop Depression


 

Em pouco mais de 3 anos, a Jibóia assentou. Muitos concertos, colaborações e experimentações foram feitos com o seu sibilar. Agora, o projeto de Óscar Silva é uma aposta segura - uma guitarra encharcada de especiarias orientais, manietadas com um senso ocidental. Em Masala, primeiro longa-duração depois de Badlav (2014) e do EP homónimo (2013), vem-se somente sublinhar a experiência. Prolonga-se o transe baloiçante da serpente.

Numa análise superficial, a principal diferença deste para os registos anteriores é o descentralismo da Índia e arreadores. As 8 músicas à nossa disposição referem-se a pontos distintos do globo. Com o desenrolar do álbum, apercebemo-nos que não foi interesse do músico remeter-nos para estas localidades. Masala, uma mistura de temperos muito utilizada na cozinha indiana, é efetivamente uma mistura de influências, não vinculadas a um lugar ou a uma ideia. Um pouco de canela aqui, pimenta do reino em São Paulo, cravinho em Luanda. Em 33 minutos, variam os sabores e a espessura do saleiro.

A maioria das faixas obedece a uma receita: começa-se pelo groove, construído com um Casio, bateria, ritmo meticulosamente aromatizado. Em cima dela posa a guitarra, rastejante, estrondosa em efeitos e potência. É sem dúvida uma receita poderosa, mas com limitações, especialmente visíveis nas primeiras músicas (sequência "Ankara" - "São Paulo" - "Lisboa").

O álbum abre triunfante com "Ankara". Ana Miró, vocalista nos discos anteriores, é substituída em Masala por samples de coros ancestrais, o que torna a música mais arqueológica e confere mais protagonismo ao guitarrista. "Marrakesh" representa uma exceção interessante, valorizando a carga atmosférica e o trabalho da produção (é um bom momento para perceber a criatividade de Ricardo Martins, baterista). "Dubai" é imediato, cheio de pinta e movimento Bollywood. O final chega-nos sombrio com o frio de "Oslo".

“O que mais me interessa explorar é a ideia da repetição, o que vem, por exemplo, de música tribal africana em que se ouvem aqueles coros repetidos até à exaustão.(…)”, nas palavras de Óscar Silva. Essa repetição ritualística, bem condimentada com açafrão, é o maior trunfo e única fraqueza de Masala.
por
em Reviews


Jibóia - Masala
Queres receber novidades?
Comentários
Contactos
WAV | 2024
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
SSL
Wildcard SSL Certificates
Queres receber novidades?