1
SEX
2
SAB
3
DOM
4
SEG
5
TER
6
QUA
7
QUI
8
SEX
9
SAB
10
DOM
11
SEG
12
TER
13
QUA
14
QUI
15
SEX
16
SAB
17
DOM
18
SEG
19
TER
20
QUA
21
QUI
22
SEX
23
SAB
24
DOM
25
SEG
26
TER
27
QUA
28
QUI
29
SEX
30
SAB
31
DOM
1
SEG

Kendrick Lamar - Mr. Morale & The Big Steppers

 -  - 0
Review
| 0
José Garcia 09 de Junho, 2022
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Artificial Brain - Artificial Brain

Orville Peck - Bronco
Não precisamos de grandes introduções. K-Dot para quem já o seguia desde uma fase exploratória e ainda por refinar, King Kunta para quem ainda segura To Pimp A Butterfly no mais alto dos pedestais do rap contemporâneo e Kung Fu Kenny para quem se deixou cair nas tentações do esmagador sucesso comercial de DAMN. A persona pode mudar a cada lançamento, mas os espólios revertem unicamente para uma das mentes mais brilhantes a sair de Compton. Kendrick Lamar é um homem de muitos pseudónimos, cada qual como um capítulo na autobiografia que gradualmente se vai ditando. No virar da página encontramos agora oklama, a personalidade associada à montanha russa de emoções que é Mr. Morale & the Big Steppers.

Não o parecendo, oklama não se fez fruto do acaso. O peso carregado pela congregação das palavras “okla” e “ma”, traduzidas para algo como “my people”, vira as atenções para uma mensagem importante, mensagem esta dirigida aos seus - amigos, fãs, críticos e, talvez acima de tudo, à sua família e esposa. O estatuto que Kendrick veio adquirindo ao longo da sua carreira como uma espécie de porta-voz da cultura afro-americana e toda a problemática que ainda a rodeia volta aqui a ser renovado, ainda que esse estatuto elevado não seja de todo ambicionado pelo próprio. No entanto, o quinto álbum de estúdio revela também toda uma narrativa extremamente pessoal e abre de par em par uma série de janelas para a psique de um indivíduo abalado por vícios, tentações e qualidades de caráter pejorativas que já há longos anos carecem de tratamento. Mr. Morale & the Big Steppers desenvolve-se, nesse sentido, como um conjunto de sessões terapêuticas que ambicionam erradicar o mal pela raíz. Para que tal sucedesse, muito trabalho havia a ser feito, não fosse o produto de toda esta busca profunda um álbum duplo.

Antes que se rebaixe a agulha que fará soar a primeira das 18 faixas que compõem a mais recente proposta do rapper, produtor e compositor, basta olhar de relance para a tracklist e respetivas features e creditações para nos apercebermos do quanto talento está aqui reunido. A contar com trabalho de produção de The Alchemist, Baby Keem e Pharrell Williams e contribuições vocais de Ghostface Killah, Beth Gibbons (Portishead), Summer Walker e Kodak Black, não se esperava nada menos que uma série de performances multifacetadas e versáteis e composições musicais a alternar entre o perigosamente catchy, o efusivamente tenso e o obrigatoriamente dançável.



Se no primeiro disco Kendrick vai à procura dos defeitos e delitos que tem constituído um impasse ao seu crescimento pessoal, o segundo conforma-se com o devido processo de cura. E no que toca à primeira fase do projeto, não se medem esforços nem se deixam palavras por dizer. Desde problemas de infidelidade que posteriormente criam propensão para a existência de relações tóxicas, até ao saviour complex que se tem vindo a desenvolver à volta de Kendrick e outros artistas na cena de hip-hop norte-americano, até a um estudo sobre as raízes da masculinidade tóxica costumária no ambiente em que cresceu e em como isso gera uma cultura de opressão de sentimentos e apatia pelo próximo, a abordagem utilizada para enxergar a temática é a mais simples e eficiente de todas: pôr o dedo na ferida, custe o que custar.

Chegamos ao segundo disco e a mentalidade já se demonstra outra. Avanços importantes foram feitos, o ego e a consciência parecem finalmente desenlaçarem-se, e aparenta-se a aproximação de um ciclo de cura que repõe anos de um caráter faltoso. As perspetivas parecem outras, bem mais maturas e sábias por sinal. À medida que Kendrick começa a perceber que não pode agradar a toda a gente, a postura de “messias” acaba por desvanecer. A moralidade, os comportamentos, os costumes e as peripécias de toda uma comunidade não podem ser mudados ou questionados por um único homem, menos ainda por um homem em necessidade de se salvar a si mesmo.

O livro fecha numa nota de arrependimento profunda quanto aos seus vícios e comportamentos passados, esses mesmos que foram tanto um inferno pessoal para Kendrick como ainda o são para toda uma geração de homens que nascem no berço de ideologias sexistas, egotistas e sem escrúpulos. Sem dúvida, Mr. Morale & the Big Steppers não será o álbum pelo qual tantos ansiavam. Não é um magnum opus intocável e inatingível, mas o preciso oposto. É uma declaração sentida de que oklama é apenas um mero homem, humano tanto nas suas vulnerabilidades como na sua propensão ao erro. Que cada um tenha as suas prioridades é mais que justo, e, de momento, as de Kendrick Lamar centram-se no seu mundo pessoal, esse que se encontra agora mesmo em reconstrução.

por
em Reviews


Kendrick Lamar - Mr. Morale & The Big Steppers
Queres receber novidades?
Comentários
Contactos
WAV | 2022
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
SSL
Wildcard SSL Certificates
Queres receber novidades?