12
SEX
13
SAB
14
DOM
15
SEG
16
TER
17
QUA
18
QUI
19
SEX
20
SAB
21
DOM
22
SEG
23
TER
24
QUA
25
QUI
26
SEX
27
SAB
28
DOM
29
SEG
30
TER
31
QUA
1
QUI
2
SEX
3
SAB
4
DOM
5
SEG
6
TER
7
QUA
8
QUI
9
SEX
10
SAB
11
DOM
12
SEG

Modest Mouse - Strangers to Ourselves

Modest Mouse - Strangers to Ourselves - 2015
Review
Modest Mouse Strangers to Ourselves | 2015
Rafael Trindade 23 de Março, 2015
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Kendrick Lamar - To Pimp A Butterfly

Ghost Bath - Moonlover
Quando ouvi “The Ground Walks, with Time in a Box”, fiquei extremamente entusiasmado pelo novo disco dos Modest Mouse. Parecia que a esquizofrenia da banda se tinha tratado numa clínica de reabilitação e ressuscitado ao som de discos dos Talking Heads. Foi o melhor momento dos últimos 10 anos da carreira da lendária banda americana e decididamente é dos meus 5 temas favoritos do catálogo discográfico deles.

A data de lançamento de Strangers to Ourselves passou-me ao lado, mas assim que soube que o disco já tinha sido liberado, arranjei tempo e fui ouvir o novo disco dos Modest Mouse com expectativas a pesarem na minha consciência. Infelizmente, fiquei extremamente desapontado. Strangers to Ourselves é uma autêntica montanha-russa no que toca a consistência qualitativa. Um saco misto de momentos que tentam reincarnar a esquizofrenia de discos como The Lonesome Crowded West e de momentos que 10 minutos tornam esquecíveis e facilmente descartáveis.

Enquanto que “The Ground Walks, with Time in a Box” é das malhas mais dançáveis e contagiantes que o ano de 2015 testemunhou, “Pistol (A. Cunanan, Miami, FL. 1996)” é um tema tão horrível que sinto vergonha por o ter ouvido. Temas como “Lampshades Of Fire” são temas suficientemente decentes para ficarem entranhados na cabeça durante uns dias, enquanto que “Shit In Your Cut” é quase tão terrível quanto o seu título. “The Tortoise and The Tourist” é uma viagem de crescendos tensos e de clímaxes contundentes; “Be Brave“ e “Ansel” são temas frustrantes por tão redundantes e aborrecidos serem.

Com Strangers to Ourselves, os Modest Mouse provam que nem todas as bandas envelhecem como o vinho. No caso da banda americana, a idade assume-se como adversidade difícil de superar e como fator que pode levar bandas ao ponto da estagnação e da falta de criatividade. Assim foi no caso dos Modest Mouse, uma banda que de momento atravessa uma crise de identidade; uma banda que se personifica através de uma personagem que se estaria constantemente a olhar ao espelho sem se reconhecer a si mesmo.

Strangers to Ourselves não podia ter um título mais adequado.
por
em Reviews
Bandas Modest Mouse

Modest Mouse - Strangers to Ourselves
Queres receber novidades?
Comentários
Contactos
WAV | 2022
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
SSL
Wildcard SSL Certificates
Queres receber novidades?